ColunistaFórmula 1Post

Raio-X do GP dos 70 Anos

Pneus provocam uma dinâmica mais atrativa para a competição e Vestappen consegue vencer com estratégia

A etapa dos 70 Anos da Fórmula 1, foi a quinta rodada da temporada 2020.

Mesmo com as equipes reclamando sobre os pneus, a configuração adotada pela Pirelli funcionou para fornecer uma dinâmica diferente para a corrida, onde Max Verstappen se deu bem com a estratégia adotada pela equipe e o fato de partir para a decisão na pista.

Você pode conferir mais sobre as equipes neste post que segue a ordem do campeonato de construtores atuais:

Mercedes

Valtteri Bottas e Lewis Hamilton - GP de 70 Anos - Foto: Daimler
Valtteri Bottas e Lewis Hamilton – GP de 70 Anos – Foto: Daimler

A Mercedes certamente não esperava ser batida por Max Verstappen da Red Bull. A equipe liderou todos os treinos livres e obteve a dobradinha na classificação, assim como os outros times os pneus dificultaram a sua corrida.

O revés certamente foi para Valtteri Bottas que começou a prova na pole e terminou na terceira posição e desta forma, o finlandês acabou sendo superado por Verstappen no campeonato de pilotos. Certamente não é a situação que eles esperavam enfrentar, já que Bottas abriu a temporada na liderança e vai permanecer mais um ano com o time.

Lewis Hamilton largou da segunda posição e cruzou a linha de chegada em segundo. A estratégia de parar próximo as últimas dez voltas, proporcionou ao inglês ganhar a posição de Bottas, mas não teve tempo hábil para buscar a vitória. Para Hamilton o resultado até que é agradável, mas com o carro que Bottas tem nas mãos o terceiro lugar não parece muito adequado.

Red Bull

Max Verstappen vence GP dos 70 Anos - (Photo by Mark Thompson/Getty Images)
Max Verstappen vence GP dos 70 Anos – (Photo by Mark Thompson/Getty Images)

A situação da Red Bull é bem interessante, o time não pontuou na primeira rodada, mas desde então a constância na zona de pontuação chama a atenção, além disso, vale ressaltar que Verstappen só não esteve no pódio na primeira corrida.

O fato de o holandês não querer ficar atrás dos concorrentes e guiar como uma vovózinha, já diz muito, não só pela corrida deste fim de semana, mas por todas as provas até aqui, pois ele busca reduzir a diferença para a Mercedes. Max conseguiu conservar os pneus e pode responder na pista, aumentando o ritmo onde primeiro desafiou Hamilton e logo depois Bottas. Foi a primeira vitória da temporada, mas ela deve ocorrer outras vezes no campeonato se apostarem mais uma vez na capacidade do holandês.

Alexander Albon pode não ser o cara adequado para a classificação, mas figura entre um quarto ou quinto lugar. Nesta prova a equipe traçou uma estratégia diferente para o tailandês que conseguiu garantir uma boa performance para o piloto, que pode ir superando os rivais.

Ferrari

GP 70 Anos da F1/2 – Foto: Scuderia Ferrari Press Office

A disparidade entre os carros dos pilotos ainda é uma questão.

Charles Leclerc segue obtendo um melhor desempenho com o SF1000, o monegasco já conquistou dois pódios na temporada e neste fim de semana obteve um quarto lugar. O piloto começou a prova na oitava posição, então o quarto lugar parecia distante. Para o monegasco a estratégia da Ferrari de parar apenas uma vez funcionou e deixou o piloto até figurar no pódio.

Já Sebastian Vettel segue com dificuldades, o carro do alemão não evoluiu de um fim de semana para o outro. Ele voltou a enfrentar problemas nos treinos livres e classificação:

Devo dar os parabéns aos meus engenheiros por terem melhorado o carro em relação ao fim de semana passado, mas se olharem para o cronômetro não há diferença

O alemão largou com pneus duros usados, o que não pareceu muito inteligente já que a equipe tinha um conjunto novo, que foi utilizado na sua segunda parada, por um período de 11 voltas. Além disso o time realizou uma terceira parada, onde instalou os pneus médios para que Vettel fosse da volta 33 até a 52 com os médios.

O décimo segundo lugar do alemão foi atribuído a falha no início da corrida, quando Vettel acabou rodando para evitar uma colisão com um dos carros da McLaren.

McLaren

Lando Norris, McLaren MCL35 - Foto: Media
Lando Norris, McLaren MCL35 – Foto: Media

O time de Woking sabia que não seria um fim de semana fácil, os compostos mais macios não combinaram com o carro e o circuito, então foi difícil buscar uma posição melhor. Além disso a parada de Carlos Sainz não foi nada boa e a vantagem que eles haviam ganhado na pista, logo se perdeu.

A McLaren que começou a temporada ocupando a segunda posição, agora é a quarta colocada, após ser ultrapassada pela Ferrari. O time não está se mantendo constante e pontuando com os dois pilotos, desta forma é difícil manter uma constante na competição entre os construtores.

Racing Point

Nico Hulkenberg, conquista primeiros pontos com a Racing Point - Foto: Media
Nico Hulkenberg, conquista primeiros pontos com a Racing Point – Foto: Media

O fim de semana começou agitado para a Racing Point, a decisão do protesto que a Renault aplicou recebeu a resposta da FIA e a equipe além de perder pontos foi multada. O time agora ocupa a quinta posição do campeonato de construtores, mas teve um bom resultado no final.

Nico Hulkenberg permaneceu mais uma semana com o time e conseguiu a oportunidade de largar da terceira posição, ainda que durante a largada tenha perdido esta posição para Verstappen.

O alemão sofreu com vibrações no carro e precisou optar por uma terceira parada, fechando a corrida na sétima posição. Foi uma boa volta para o piloto que já estava parado a algum tempo. Lance Stroll terminou na sexta posição e precisou de duas paradas para terminar a corrida, a mira deles estava em Charles Leclerc, mas o monegasco teve uma estratégia vencedora em cima da equipe.

E sobre o caso onde as pessoas acreditam que a terceira parada de Hulkenberg era desnecessária, recomento escutar o BPCast 114, onde falamos sobre essa teoria.

Renault

Daniel Ricciardo - GP dos 70 Anos - Foto: Renault Sports F1
Daniel Ricciardo – GP dos 70 Anos – Foto: Renault Sports F1

A Renault teve um final de semana bem interessante, Daniel Ricciardo conseguiu uma terceira posição no TL2 e na classificação o australiano obteve a quinto lugar. O pessoal já esperava um possível pódio com o australiano, mas na corrida as coisas não saíram como o planejado.

Na largada o australiano perdeu espaço e ao realizar a parada na volta 14, voltou no meio do trânsito e durante uma disputa com Carlos Sainz, onde Esteban Ocon estava à frente, Daniel perdeu o controle do carro e acabou rodando, desta forma terminou a prova na décima quarta posição.

O inverso ocorreu com Ocon, o francês largou da décima primeira posição, largou com os médios e conseguiu desfrutar de apenas uma parada e desta forma levou um dos carros da Renault para a zona de pontuação ao terminar no oitavo lugar.

AlphaTauri

Daniil Kvyat - 70 Anos (Photo by Rudy Carezzevoli/Getty Images) - Red Bull Racing)
Daniil Kvyat – 70 Anos (Photo by Rudy Carezzevoli/Getty Images) – Red Bull Racing)

O time é forte durante a corrida, mas ainda mostra que precisa saber lidar com os dois carros durante a classificação. Desta vez Pierre Gasly largou da sétima posição, enquanto Daniil Kvyat foi o décimo sexto.

O erro na corrida foi realmente estratégico, quando utilizaram a parada do francês para cobrir o pit stop de Alex Albon, desta forma as coisas desandaram e Gasly permaneceu mais tempo na pista, o que resultou em bolhas nos compostos. Desta forma perderam a chance de entrar com os dois carros na zona de pontuação.

Kvyat fechou na décima posição, mas a equipe seguiu o que foi planejado para o russo desde o início e contou com a boa largada realizada por ele.

Alfa Romeo

Alfa Romeo momentos antes do início da corrida de 70 anos - Foto: Media
Alfa Romeo momentos antes do início da corrida de 70 anos – Foto: Media

As declarações do time sempre mostram que eles estão querendo melhorar, mas as respostas na pista não são nada animadoras. Vários problemas contribuem para o fim de semana difícil e claro que eles sabem os pontos fracos do carro, mas não é tão simples melhorá-los.

Raikkonen teve um bom desenvolvimento com os pneus e só precisou de uma parada durante toda a corrida, mas o grande problema foram as vibrações, elas levaram o finlandês a reduzir o ritmo para evitar uma quebra.

Para Giovinazzi o time trabalhou com uma estratégia diferente, mas eles não tiveram sucesso. O italiano sabe que eles não vão melhorar tão rápido, mas o avanço precisa ocorrer de forma gradual.

Haas

Kevin Magnussen - GP de 70 Anos - Foto: Haas Media
Kevin Magnussen – GP de 70 Anos – Foto: Haas Media

Não foi um fim de semana bom para a Haas, a equipe voltou a figurar nas últimas posições do grid, junto a Alfa Romeo. Lembra quando falamos sobre as atualizações? Neste fim de semana Kevin Magnussen estava com especificações antigas de uma série de peças, como o assoalho e após bater com Alexander Albon durante a corrida, ele teve dificuldade para seguir realizando a prova. O carro começou a apresentar vibrações o que levou ao abandono.

Já Romain Grosjean reclamou sobre a proximidade dos carros, além do desgaste dos pneus dianteiros e as bolhas nas costas. Além disso a circulação do vento em Silverstone é alta e acaba afetando no desempenho dos carros.

Williams

Nicholas Latifi -Williams Racing FW43 - Foto Media
Nicholas Latifi -Williams Racing FW43 – Foto Media

A Williams tem mostrado uma melhora e mesmo que esteja ainda disputando o grid final, George Russell tem conseguido passar para o Q2, enquanto Nicholas Latifi fica encarregado de incomodar os carros da Alfa Romeo e Haas.

A equipe precisou realizar uma terceira parada, dado o consumo elevado dos compostos, desta forma perderam um pouco de espaço nas últimas voltas. O time já se encontrou na classificação, mas ainda precisa manter o ritmo para o domingo.

Etiquetas
Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Fechar