ColunistaDestaquesFórmula 1Post

Raio-X do GP da Itália – McLaren conquista vitória com Daniel Ricciardo

A McLaren obteve uma dobradinha em grande performance, enquanto Hamilton e Verstappen abandonaram a corrida

O GP da Itália reservou surpresas assim como a prova que foi disputada na temporada passada. Como gosto de dizer, definitivamente ela entregou. Se no sábado tivemos pilotos apostando em uma estratégia mais conservadora por conta da Sprint Qualifying, no domingo os times atacaram e buscaram um resultado melhor.

Nesta fase do campeonato o objetivo é somar a maior quantidade de pontos, estabelecer uma diferença para o seu rival. Ainda restam 8 corridas na temporada 2021, mas temos apenas 7 etapas confirmadas, pois uma das provas ainda precisa ter a praça confirmada.

As disputas localizadas estão deixando as coisas ainda mais intensas. Na casa da Ferrari, tivemos mais uma grande atuação da McLaren, foi assim na temporada passada e as características do carro da equipe papaya proporcionaram mais uma vez essa oportunidade.

Daniel Ricciardo fechou o domingo com uma grande corrida, acompanhado por Lando Norris para obter uma dobradinha. O ‘estranho no ninho’ foi Valtteri Bottas, mas o piloto fez uma corrida de recuperação e ainda conquistou um pódio.

Vamos as avaliações desta corrida, com o Raio-X da etapa!

Mercedes

Hamilton e Verstappen abandonaram a corrida – Foto: reprodução

362.5 pontos

Levando em consideração as características do carro da Mercedes, era um circuito onde o time poderia facilmente coletar pontos e ampliar a vantagem para a Red Bull nos Construtores. Durante os treinos livres (um feito na sexta-feira e outro no sábado), o time alemão imprimiu um ritmo forte e era soberano. No entanto, logo na sexta-feira já tínhamos a confirmação da mudança dos componentes do motor de Valtteri Bottas, desta forma tomamos conhecimento de que o finlandês começaria a prova do domingo na última posição.

Bottas estava participando da etapa de forma mais relaxada, com o contrato assinado com a Alfa Romeo, o finlandês só precisa concluir a temporada com a Mercedes, então de certa forma parece que os resultados agora podem aparecer sem o peso da cobrança. Bottas o foi o líder da sexta-feira, ganhando a oportunidade de largar da primeira posição no sábado.

A Mercedes obteve um feito importante, ficou com a dobradinha da classificação, soberana com a primeira fila, mas Hamilton acabou patinando na largada, as rodas giraram, mas o carro não se moveu. Foi cerca de instantes que tiraram Hamilton da batalha pela primeira posição, o inglês foi dominado pela dupla da McLaren.

Aquela resultado que era para ser fácil, não apareceu, Max Verstappen ficou com a ponta que caiu em seu colo. Daí para a frente já sabemos o que aconteceu, Bottas fez uma corrida de recuperação e terminou no pódio, enquanto Hamilton e Verstappen não completara a corrida.

O que aprendemos até aqui? Essa disputa entre Mercedes e Red Bull, mas precisamente entre Hamilton e Verstappen será feita tanto ponto por ponto, mas também em pista. Eles não estão mais dispostos a deixar espaço, vão brigar por cada centímetro e arcar com as consequências. Se bobear vamos ter mais toque entre eles até o final da temporada.

Bottas foi uma peça fundamental, conquistou alguns pontos para a Mercedes no fim de semana em que Hamilton fechou zerado. O finlandês fez uma grande corrida de recuperação, precisou concluir algumas ultrapassagens. Se rendeu na caça à Pérez, pois sabendo que o rival teria uma punição para cumprir, era melhor cruzar a linha de chegada no terceiro lugar, mas ficar com o pódio.

Quanto a corrida de Hamilton, o sábado foi um ponto crucial na sua prova, fechar ela na quinta posição, significava que além de apostar em uma estratégia diferente, ele teria que contar com uma queda de desempenho da McLaren. O que poderia ter ajudado Hamilton, foi aquele pit-stop ruim da Red Bull, mas o dele também não foi perfeito. Por ter sido devolvido no enrosco a colisão ocorreu.

O halo salvou Lewis Hamilton do acidente com Max Verstappen – Foto: reprodução

O halo salvou a vida de Hamilton, pois a forma como o carro de Verstappen foi lançado, passou com o pneu na cabeça do piloto inglês e poderia ter gerado uma fratura grave, mas foi contido pelo halo. Pontos para esse artifício de segurança que salvou muitas vidas até aqui.

Red Bull

Verstappen vai carregar uma punição com a perda de três posições no grid do GP da Rússia – Foto: reprodução

344.5 pontos

A Red Bull deixou o GP da Itália, em mais uma pista onde a Mercedes tinha muito potencial obtendo pontos importantes, mas não suficientes para se aproximar dos rivais.

Muito antes de correr em Monza a Red Bull já sabia sobre a dificuldade que enfrentaria, por conta do baixo downforce o carro da equipe que tem a aerodinâmica bem trabalhada, não teria o mesmo rendimento. Isso ficou claro durante os treinos livres, mas também na busca pela obtenção da volta rápida na sexta-feira. O carro da Red Bull é uma combinação de motor e aerodinâmica e não funciona bem quando uma das partes falhas.

Portanto de certa forma a liderança da corrida do domingo caiu no colo de Max Verstappen, mas o holandês não teve uma boa largada e foi ultrapassado por Ricciardo. Durante as voltas que sucederam a largada, Verstappen tentou recuperar a ponta, mas a melhor chance que tinha era com o pit-stop. No entanto as coisas se inverteram, a McLaren que costuma ter uma péssima parada fez tudo certo, enquanto a Red Bull prejudicou a corrida de Verstappen e devolveu o piloto no bolo.

A batida entre Hamilton e Verstappen ocorreu por uma sequência de fatores, não apenas desta corrida, mas de algo que se acumula desde o início do campeonato. O holandês foi declarado culpado e vai perder três posições no grid de largada do GP da Rússia, mas do meu ponto de vista foi um incidente de corrida, os dois se excederam e correram riscos.

Max segue líder do campeonato de pilotos e as coisas ficaram ainda mais inflamadas entre os pilotos. Para o público é bom, o abandono mútuo significa que o duelo vai perdurar por mais algumas corridas.

Sobre Sergio Pérez, o piloto terminou nos pontos, cruzou a linha de chegada na quinta posição. Não teve um desempenho muito incrível e não andou próximo do companheiro de equipe, mas depois da Sprint onde passou um tempo duelando com Lance Stroll, cruzou a linha de chegada na terceira posição, mas ficou efetivamente com o quinto lugar, pois foi punido com cinco segundos – já que ultrapassou Leclerc de uma forma indevida e não devolveu a posição.

Basicamente o papel de Pérez neste fim de semana foi cumprido, levar pontos para casa quando Verstappen não pode fazer isso pelo time.

McLaren

GP da Itália – McLaren conquista dobradinha, com Daniel Ricciardo na liderança – Foto: reprodução

215 pontos

A McLaren retomou a terceira posição do Campeonato de Construtores depois de obter uma vitória – que foi a quebra do jejum do time de Wooking – um feito que era muito aguardado pelos fãs da equipe.

A dupla andou bem mais uma vez em Monza, realizou durante os treinos livres a avaliação da durabilidade dos pneus, traçou as estratégias e encontrou o bom desempenho para assegurar o seu bom desempenho.

Tivemos dois momentos da McLaren, o veloz para obter a quarta e a quinta posição na classificação do domingo, o time que se aproveitou do péssimo início de Hamilton na Sprint Qualifying e a equipe que atacou no início da corrida, mas apostou na sensatez para vencer no domingo.

As coisas funcionaram de forma redonda para que a McLaren saísse como a vitoriosa da etapa. OS momentos críticos foram certamente a largada para o GP da Itália, mas também a relargada após a batida entre Max Verstappen e Lewis Hamilton.

Daniel Ricciardo foi o destaque da etapa, não só pela vitória, mas a forma como atacou Max na largada. A manobra que o australiano executou, foi de certa forma parecida com aquela que os pilotos da Fórmula 2 usaram ao longo do fim de semana. O lado sujo da pista forneceu a aderência adequada para o piloto tracionar bem.

Um outro fator, é mesmo sendo uma pista veloz, o DRS não é efetivo para as ultrapassagens, mesmo com a aproximação entre Verstappen e Ricciardo, o piloto da Red Bull não tinha como concluir a ultrapassagem. A McLaren realizou um ótimo pit-stop com a dupla, algo que também contou para a vitória deles hoje. E nesta lista ainda é necessário adicionar que quando precisaram que Ricciardo entregasse mais potência e ritmo, o australiano respondeu com a performance superior e estabeleceu cerca de 1s5 de vantagem para Norris.

O britânico foi fundamental, também não vendeu o seu espaço na pista de graça, aliás, batalhou por ele quando se mostrou necessário, principalmente com Charles Leclerc. Norris ainda tentou obter a vitória, pediu a inversão das posições alegando que tinha mais ritmo, mas para a McLaren o resultado da dupla era melhor do que gerar uma inversão entre os pilotos. OS dois trabalharam pelo time e foram recompensados.

A McLaren está nesta escalada, melhorou muito de uma temporada para a outra, os pódios estão aí para prova, mas a vitória consolida o trabalho duro que foi realizado nos últimos anos.

Quando à Norris, o piloto estava certo em arriscar uma tentativa de inversão de posições. O piloto está sendo fundamental para o ano da equipe, mas se a McLaren tivesse optado por ela, poderia ter pedido a tocada que estavam executando próximo ao final da prova.

A conquista deste fim de semana pode ter consolidado a McLaren na terceira posição do Campeonato. Agora é esperado que Ricciardo tenha um desempenho mais regular até o final da temporada.

Ferrari

Charles Leclerc conquistaram pontos, mesmo no dia em que a McLaren obteve uma vitória na casa da Ferrari – Foto: reprodução

201.5 pontos

A McLaren e a Ferrari têm construções de carro completamente diferentes, portanto o desempenho dessas duas equipes acaba oscilando de acordo com a pista que eles vão enfrentar. O time italiano andou durante o fim de semana no meio do pelotão, conseguiu encaixar os dois carros entre os dez primeiros na sexta-feira e também apresentaram uma boa reação no sprint Qualifying.

Após o TL2 a participação da Ferrari na corrida rápida ficou um pouco incerta, Carlos Sainz bateu no último treino livre e a equipe teve que recuperar o seu carro; enquanto Charles Leclerc que havia passado mal, estava se recuperando. Sainz anda cometendo alguns erros que parecem bobos durante os treinos livres, aumentando a tensão quanto a necessidade da Ferrari realizar reparos em seu carro.

A Ferrari se preservou durante a Sprint para ter mais chances na corrida, focados em marcar o maior número de pontos durante o fim de semana.

Calos Sainz teve o revés de encontrar com Antonio Giovinazzi na pista, o espanhol bateu na parte traseira do carro da Alfa Romeo, mas o italiano foi considerado culpado por ter voltado de forma insegura para a pista. Na largada Sainz fora ultrapassado pelo italiano e tentou recuperar a posição.

Durante a corrida do domingo, os pilotos ficaram presos, mas depois do Safety Car provocado pela batida entre Verstappen e Hamilton, Leclerc batalhou com Norris. Leclerc terminou a corrida na quarta posição, mas Sainz foi ultrapassado por Pérez, ficando com a sexta posição. A dupla apresentou um ritmo consistente durante a prova, portanto o seu trabalho em Monza mostra mais uma vez o avanço que eles tiveram quando comparados com o ano passado.

Alpine

O embate da Alpine é mais uma vez travado com a Aston Martin – Foto: reprodução

95 pontos

Monza para a Alpine também não tinha a perspectiva de ser um circuito fácil para a conquista de pontos. O time conseguiu avançar na Sprint Qualifying, Fernando Alonso é o piloto que mais está sabendo lidar com essas configurações de fim de semana. O espanhol também esteve envolvido em duelos com Sebastian Vettel ao longo do final de semana, mas com o decorrer da prova de domingo, Alonso apontou que foi uma prova meio solitária para ele.

Depois de passar por Monza, a Alpine busca ser mais competitiva, mas estão satisfeitos por terem passado pela etapa sem danos e ainda com pontos. O time teve a oportunidade de mostrar a eficiência no pit-stop. Alonso ficou com a oitava posição, enquanto Esteban Ocon chegou ao décimo lugar.

A Alpine teve a condição de avaliar os pneus macios durante a sprint e para o domingo apostaram na estratégia de pneus médios, evoluindo para os duros. Esteban Ocon também teve duelos com Sebastian Vettel e no domingo o enfrentamento com o alemão voltou a ocorrer, gerando até mesmo uma punição por ele ter espremido o adversário. Para chegar aos pontos o francês teve que superar Nicholas Latifi.

AlphaTauri

O time que obteve a vitória na temporada passada, terminou a corrida zerado em 2021 – Foto: reprodução AlphaTauri

84 pontos

A AlphaTauri fechou o fim de semana zerada, os esforços de Pierre Gasly na sexta-feira foram invalidados depois que o francês bateu na primeira volta da Sprint Qualyfing. Gasly mostrou ritmo mais uma vez, tinha se classificado na sexta-feira atrás da dupla da McLaren com a sexta posição, mas ao escapar no começo da Sprint comprometeu a corrida do domingo.

Esse é um dos problemas da Sprint, um problema como esse pode acontecer e prejudicar os resultados futuros. Gasly bateu na traseira de Daniel Ricciardo, espalhou e com a asa danificada, viu ela se soltar e mandar o piloto para o muro de contenção.

Assumindo que Gasly começaria do fundo do pelotão a AlphaTauri realizou a troca da unidade de potência e também do câmbio, mas o piloto identificou um problema na aceleração e frenagem por conta do sistema do carro, depois que começou a corrida do pit-lane e foi forçado a abandonar a prova. Portanto o vencedor do GP de Monza da temporada passada não teve o mesmo aproveitamento do último ano no circuito.

Yuki Tsunoda também teve um fim de semana problemático, era uma pista ideal para adquirir quilometragem, mas na classificação sua volta foi deletada, o que impossibilitou o japonês passar para o Q2. No sábado o encontro dele com Robert Kubica danificou a asa dianteira e Tsunoda precisou fazer uma Sprint focada em recuperar posições.

No domingo o combo de problemas também atingiu o carro #22, antes da largada os mecânicos da AlphaTauri identificaram um problema no carro de Tsunoda e recolheram ele para boxes, os mecânicos tentaram reparar o carro, mas como não tinham tempo hábil, deram por finalizada a corrida que se quer começou para eles.

Aston Martin

Lance Stroll conquista pontos para a Aston Martin em fim de semana difícil para o time na Itália – Foto: reprodução

59 pontos

A Aston Martin não teve um ritmo considerável por todo o fim de semana, a classificação não foi boa na sexta-feira e assim como a dupla da Alpine, Sebastian Vettel e Lance Stroll foram eliminados no Q2. Para o sábado o time contou com os pneus macios já que não teriam que realizar uma parada. Obterem algumas posições na largada por ter mais aderência, mas tiveram que lidar com o desgaste dos pneus até o final das 18 voltas.

Lance Stroll foi o que teve melhor desempenho nas duas provas, no sábado travou um duelo com Pérez (ainda que o mexicano não tenha sido muito justo na ultrapassagem e devolução da posição), enquanto no domingo foi o caso de permanecer entre os dez primeiros, mas evoluir até obter a sétima posição. Para a Aston Martin era o máximo que eles poderiam obter neste circuito.

Para Sebastian Vettel foi o momento de conter os dados durante as duas provas, no domingo Vettel começou a prova com os pneus médios, assim como grande parte do grid optou. O alemão teve uma largada complicada, perdeu espaço e ainda teve o carro danificado por ter cortado a chicane 4/5, e ainda vale mencionar o contato que ele teve com o próprio companheiro de equipe. O fato de ter parado antes do Safety Car também prejudicou a estratégia do time e não restou mais nada que pudesse ser feito.

Agora é partir para a próxima e assim como a Alpine, buscar um resultado melhor na próxima prova.

Williams

George Russell conquistou pontos com o GP da Itália – Foto: reprodução

22 pontos

Com o conflito que ocorreu entre Lewis Hamilton e Max Verstappen, o retorno de George Russell aos pontos não foi devidamente notado, mas o britânico faturou mais dois pontos para a Williams.

Russell levou o carro da equipe de Grove para o Q2, depois que a volta de Tsunoda foi deletada. Na Sprint o piloto não teve um bom desempenho, o carro perdeu ritmo, muito atrelado ao dano sofrido na asa dianteira do seu carro, que comprometeu instantaneamente o equilíbrio do carro. As escolhas de estratégias estavam funcionando para o domingo, Nicholas Latifi apareceu entre os dez primeiros, mas o Safety Car mudou a ordem das coisas e Russell acabou ganhando posições, capitalizando dois pontos pelo time com a conquista do nono lugar.

Latifi também teve problemas no sábado, mas assim como Russell, pode desempenhar um ritmo melhor no sábado. Apesar de não ter aquele desempenho que desejavam e Latifi ser ultrapassado por Ocon, o saldo é positivo.

Alfa Romeo

Antonio Giovinazzi esteve mais uma vez perto dos pontos por conta de uma boa classificação – Foto: reprodução

3 pontos

Foram dois finais de semana sem Kimi Raikkonen em pista, com Robert Kubica substituindo o piloto finlandês que foi contaminado pelo Covid-19. Também foram duas corridas que Antonio Giovinazzi tentou obter pontos para o time, realizou boas classificações, mas enfrentou problemas durante a corrida.

No sábado o italiano que estava correndo em casa teve uma boa reação e saltou para a oitava posição, o seu ritmo era bem parecido com a dupla da Ferrari. As expectativas para o domingo estavam altas, após a largada Giovinazzi atacou Sainz, ganhou a sétima posição, mas poucos metros depois espalharam com o carro e ao retornar para a pista foi tocado por Sainz.

Giovinazzi rodou e ficou com a asa dianteira danificada, precisando passar pelos boxes para efetuar a troca da peça. Para completar o infortúnio, foi punido pelos comissários com cinco segundos (o que não pareceu nada justo, ainda mais por ser um incidente na primeira volta). O carro também teve o assoalho danificado, comprometendo o ritmo e o restante da prova.

Kubica não esteve próximo dos pontos, mas foi uma grande atuação do piloto que teve a oportunidade de participar de duas etapas. O polonês teve aquele enfrentamento com Tsunoda no sábado, o piloto que tinha perdido um pouco de espaço na largada, conquistou posições depois de observar a primeira chicane. No domingo Kubica redobrou a atenção com os pneus, para fazer uma corrida melhor, mas ficou apenas com a décima quarta posição, enquanto Giovinazzi terminou no décimo terceiro lugar.

A Alfa Romeo está apresentando uma melhora na classificação até mesmo em ritmo de corrida, mas enfrenta várias questões que comprometem a conquista de pontos.

Haas

Mick Schumacher terminou a corrida, mas acabou rodando depois que o companheiro de equipe tocou nele – Foto: reprodução Haas

0 pontos

A Haas segue se arrastando nas últimas posições, mas até apresentaram uma largada interessante durante o sábado. O time ainda acaba se embolando com as últimas colocadas, principalmente com a Alfa Romeo, já que a Williams está lidando melhor com as provas.

Em mais uma etapa Nikita Mazepin e Mick Schumacher se encontraram em pista e sobrou para o alemão rodar e cair para a última posição. As coisas acabam ficando cada vez mais estranhas entre os companheiros de equipe que nas melhores oportunidades só podem trocar de posição e brigar entre eles mesmo.

Mazepin abandonou a prova no domingo, depois que apresentou uma falha na unidade de potência.  

Escute o nosso podcast sobre o GP da Itália com Convidados

Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados