Pit-Stop Drops: NASCAR anuncia retorno em 17 de maio

Sharing is caring!

Darlington receberá duas provas seguidas (Sean Gardner/Getty Images)

A NASCAR é a primeira categoria do automobilismo do ocidente que anuncia uma data de retorno às atividades após a paralisação devido à pandemia do coronavirus. A categoria confirmou a realização de uma série de etapas para compensar as provas adiadas. A primeira corrida está prevista para o dia 17 de maio, em Darlington, (Carolina do Sul).

A divulgação surpreende diante do cenário da doença nos Estados Unidos, uma vez que o país é o líder no número de casos, com mais de 1 milhão de contaminados (com mais de 60 mil mortes) e a curva da contaminação ainda em ascensão, mas com a permissão concedida para realização das provas na região das Carolinas, onde se localizam os circuitos de Darlington e de Charlotte, palco das próximas etapas, a NASCAR resolveu antecipar o seu retorno, já que a sede da categoria, assim como a de quase todas as equipes e pilotos, é nesta região.

Para garantir o retorno em condições adequadas, a NASCAR anunciou várias medidas para as corridas seguintes. A primeira e mais óbvia é que as provas serão realizadas sem a presença de público, bem como haverá limitação no número de integrantes por equipes, com apenas 16 membros permitidos por carro, incluindo pilotos, chefes de equipe, spotters e mecânicos.

Outras medidas:

  • Cada integrante terá um espaço específico para o trabalho, a menos que seja necessário o trabalho em grupo (neste caso, os integrantes de um grupo não podem interagir com outros);
  • Os caminhões das equipes e os carros devem ficar à distância de 6 pés (aproximadamente 1,80 metros) um do outro nas áreas da garagem;
  • Nas etapas de Darlington, a área antes destinada para estacionamento de caminhões também será usada como garagem, devido à necessidade de ampliação de espaço;
  • Os caminhões das equipes estarão divididos entre a área de estacionamento normal além do espaço para motorhomes dos espectadores, que não será usado nestas provas;
  • Nas inspeções, apenas um carro ficará na área destinada para as verificações dos fiscais da NASCAR, assim que o primeiro bólido sair, o seguinte poderá entrar.
A tradicional prova de 600 milhas em Charlotte está mantida para a sua data original (Streeter Lecka/Getty Images)

Para compensar a paralisação de dois meses, as provas marcadas no mês de maio ocorrerão durante a semana, com cronograma reduzido para as atividades na pista, sendo realizada em um único dia por etapa. Com isso, os treinos livres e as classificações não serão realizadas e o grid de largada será formado pela classificação do campeonato das três divisões. A organização da categoria ainda está definindo detalhes sobre a organização do calendário para as suas competições, bem como o agendamento de provas para lugares que tiveram provas adiadas durante os últimos meses.

A única exceção será a Coca-Cola 600, em Charlotte, que terá uma sessão classificatória para a prova marcada em 24 de maio. Aliás esta é a única das três grandes provas da data que ocorrerá no dia original, pois o GP de Mônaco da F1 foi cancelada, enquanto as 500 milhas de Indianapolis foram adiadas para 23 de agosto.

Opinião: É possível entender o anseio de um retorno imediato às atividades, ainda mais em um cenário de escassez de eventos de entretenimento nesses dias de quarentena. Ao mesmo tempo, há grupos que desejam um retorno o mais breve possível, pois poderia capitalizar com um público ávido por ter algo a mais para ver na TV e a primeira atração que entrar em ação deve arrebatar mais espectadores no primeiro momento, o que serviria para reduzir os prejuízos do período de paralisação.

Entretanto, a aposta é extremamente arriscada. Se há muitas dúvidas quanto a um possível retorno da Fórmula 1 no mês de julho, mesmo com um cenário mais estável na Europa (e em particular na Áustria), retomar as atividades no país com o maior número de casos de contaminação e de mortes em apenas duas semanas (e ainda sem ter chegado ao ponto descendente) seria uma loucura imensa.

Embora a NASCAR seja bem regional e está tomando medidas bem drásticas para o controle de seu staff, bem como das equipes, ainda é um número grande de pessoas envolvidas com o evento. Os riscos nestes momentos são enormes demais para um retorno e os organizadores terão grande responsabilidade, principalmente se algo der errado.

lll Mudanças no grid

Ryan Newman (esquerda) e Matt Kenseth voltam ao grid da NASCAR (Mike Corner/Getty Images)

Após uma paralisação de dois meses, era esperada que algumas coisas ficassem diferentes nesse período. No entanto, o período de paralisação trouxe duas grandes novidades no grid de largada.

A principal mudança fica para o retorno de Matt Kenseth. O campeão da divisão principal de 2003 retorna à categoria após ausência de mais de um ano. O veterano correrá no número 42 da Chip Ganassi, em substituição a Kyle Larson, que foi suspenso da NASCAR e dispensado da equipe após um comentário racista em uma das provas virtuais realizadas durante a paralisação.

Outro veterano que retorna ao grid é Ryan Newman. O piloto da Roush retornará ao carro número 6 após sofrer um acidente terrível no final das 500 milhas de Daytona. O corredor fez os exames e recebeu a permissão dos médicos para voltar a correr.

A organização da NASCAR confirmou que tanto Kenseth como Newman estão elegíveis para disputar o título da temporada 2020, mesmo não participando de todas as etapas, precisando cumprir os requisitos básicos para se classificar aos playoffs da categoria, ou seja, vencer pelo menos uma prova e se classificar entre os 30 melhores pilotos da temporada.

Fonte: NASCAR.com (link 1 e link 2)

Eduardo Casola

Jornalista formado na Universidade de Sorocaba (Uniso) e apaixonado por esporte a motor desde quando se conhece por gente. Apenas um rapaz que gosta de uma boa corrida e de uma boa história!

Deixe uma resposta

shares