ColunistaFórmula 1Post

Crônicas da Estíria – Sob a redoma, como Lewis Hamilton ofusca outros resultados

Quando Sebastian Vettel estava na busca do tetracampeonato, ele foi o piloto dos números

Ah, não tem como ir direto para o final da corrida não? Aquela baita ultrapassagem do Lando Norris nos carros da Racing Point… A vitória dominante de Lewis Hamilton? É, não tem como, toda corrida é um percurso e o GP da Estíria teve 71 voltas, mas o tom da conversa hoje é outro! 

Bastou 20 segundos da corrida para os dois carros da Ferrari colidiram, “melhor” ainda, Charles Leclerc disputou espaço com o companheiro de equipe e danificou a asa traseira do alemão que abandonou logo depois. Leclerc não saiu imune, o carro do monegasco também ficou danificado.

Não é preciso bater nesta tecla do culpado, pois Leclerc assumiu a culpa, mas todo esse incidente lembra o GP do Brasil de 2019 e falta de pulso firme dentro da equipe que nunca soube lidar com os dois pilotos. O clima segue quente e na Itália, chuva de críticas nesta segunda-feira.

As conversas do final de semana a algum tempo ficam concentradas no desempenho de Hamilton, o publico estranha quando o piloto não lidera, os bons resultados costumam estar ao seu lado. Este mesmo público já não se surpreende quando é a Ferrari que erra. Qual será o motivo né? 

Do outro lado a imagem do perfeito equilíbrio, sim a Mercedes venceu a corrida no domingo após uma performance excepcional no sábado, Lewis Hamilton conquistou a pole em uma chuva torrencial, enquanto encaixou duas boas voltas rápidas. O inglês colocou o seu nome na história dos maiores da Fórmula 1 e agora segue para bater o recorde de número de vitórias de Michael Schumacher (91).

Uma coisa interessante nesta história toda é que Sebastian Vettel também colocou o seu nome na história, ser um tetracampeão é algo que apenas Alain Prost e aqueles que superaram este record possuem. O piloto alemão conquistou eles quando estava em melhor performance e possuía um dos melhores carros do grid, naquela época muitos pensavam que ele conquistaria o que Hamilton está conquistando hoje.

O mais triste de toda essa jornada é não saber se Vettel e Hamilton vão dividir uma pista na próxima temporada. Fernando Alonso, outro piloto grandioso dentro da categoria anunciou o retorno, gostaríamos de ver um grid com eles juntos, tendo uma ótima performance, podendo travar uma boa disputa mais uma vez. 

Dois pilotos com quase a mesma idade, Vettel (33) e Hamilton com (35), do alemão esperamos a aposentadoria repentina, enquanto o outro não é possível dizer quando ele vai parar, pois ainda clama por mais resultados, como se essa fosse a fonte de renovação do seu poder. 

E na verdade quem decide as trivialidades contratuais são os italianos (para Vettel) que optaram por não ter um acordo com Vettel e logo optaram por Carlos Sainz (McLaren). As portas do grid parecem além de fechadas, bem trancadas para o alemão. O esporte nem sempre é justo e todos sabem o tamanho da sua crueldade. 

Foto de capa: 

Etiquetas
Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Fechar