ColunistaFórmula 1Post

GP da Rússia: Dados sobre os pneus utilizados durante a prova

A Pirelli optou por utilizar compostos mais macios que os da temporada anterior, o que resultou em estratégias diferentes

O GP de 2020 teve uma pitada diferente de emoção, ela foi adicionada justamente pela Pirelli que optou por levar novos compostos para o GP, abandonando a utilização da goma intermediaria, para utilizar os compostos mais macios.

Sochi tem um asfalto pouco abrasivo, mas segue em desenvolvimento, além disso é um circuito em parte como um traçado de rua, desta forma mudanças podem ser observadas ano após ano.

Em 2014, utilizando outro tipo de compostos, os pilotos quase completaram a prova sem a necessidade de realizar nenhuma parada.

Neste ano, o desempenho da corrida foi um pouco diferente, durante os treinos livres os pilotos passaram a reclamar dos compostos, pois estavam apresentando um consumo alto. Além disso as temperaturas estavam elevadas, proporcionando um desgaste maior. No entanto, durante a classificação as temperaturas começaram a cair e os pilotos tiveram dificuldade para aquecer os compostos. A batida de Sebastian Vettel no Q2 atrasou um pouco a sessão e dificultou os pilotos a encaixarem uma melhor volta.

E justamente por conta das temperaturas vimos diversos pilotos reclamando da aderência dos pneus, principalmente durante as voltas rápidas. Mas vale lembrar que quando a Pirelli tira as equipes da zona de conforto é quando temos uma maior movimentação nas corridas.

O desempenho de cada composto

Antes de tudo, Valtteri Bottas largou da terceira posição e venceu o GP da Rússia, o finlandês repetiu a dose pois a sua primeira vitória da carreira foi largando da terceira posição em uma corrida disputada em Sochi.

O finlandês largou com os pneus médios e na sua parada passou a utilizar os compostos duros, assim como Max Verstappen que terminou a corrida na segunda posição.

C3 Duro (Faixa Branca): Foram os compostos utilizados para o final da corrida por muitos pilotos, mas os sete primeiros estavam com o pneu de faixa branca neste final. Daniil Kvyat e Kimi Raikkonen apostaram no pneu duro para o início da prova, enquanto Lando Norris da McLaren, Alexander Albon da Red Bull e George Russell da Williams fizeram a mudança para este pneu após a entrada no Safety Car na primeira volta.

C4 Médio (Faixa Amarela): Para aqueles pilotos que não foram obrigados a largar com os pneus médios (entre os dez), este composto foi uma boa opção para o restante do grid. Como já mencionei, Bottas e Vestappen começaram com eles e Leclerc que largou da décima posição – mas havia se classificado do décimo primeiro lugar – pode optar pelos médios para o início da corrida. O monegasco terminou na sexta posição.

C5 Macios (Faixa Vermelha): Apenas oito pilotos começaram a corrida com ele. Hamilton precisou apostar no composto mais macios após a classificação difícil. Ele era uma preocupação para aqueles que estavam largando com ele, pois o calor na pista contribuía para a degradação. Hamilton, Pérez, Ricciardo e Ocon partiram dos macios para os pneus duros.

Foto: Pirelli Racing

Confira o número de voltas dada com cada composto e as voltas rápidas deles

Foto: Pirelli Racing

Confira o Podcast sobre o GP da Rússia: 

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados