ColunistaFórmula 1Post

GP da Turquia – Istambul só conhece os pneus de chuva

O GP da Turquia foi realizado apenas com a utilização de pneus de chuva. Os times tiveram que escolher o momento ideal para realizar as suas paradas

Neste GP da Turquia, assim como na prova disputada em 2020, não tivemos a oportunidade de ver a utilização dos pneus para pista seca na corrida, embora, na classificação os pilotos instalaram os pneus slick para completar as suas voltas rápidas.

A ameaça de chuva pairou durante todo o fim de semana na Turquia, a classificação mesmo ocorreu sob a pressão da chuva cair há qualquer momento, portanto os pilotos se empenharam ainda mais para obter as suas voltas rápidas e por consequência determinar a melhor posição para a largada.

Durante a corrida, a pista não secou o suficiente para que os pilotos tivessem a oportunidade de instalar os pneus slick, portanto, restou aos times determinar qual era o momento ideal para instalar novos pneus intermediários, mas até mesmo se era necessários realizar uma segunda parada.

Os pneus de chuva perdiam a eficiência conforme a pista secava, mas fazer uma nova instalação de pneus intermediários, fazia com que os pilotos tivessem que intensificar ainda mais o cuidado para que eles não sofressem com o superaquecimento, tentando evitar bolhas que acabam interferindo na performance do piloto.

Valtteri Bottas venceu a corrida com apenas uma parada, o finlandês foi chamado na volta 37 para instalar outro pneu intermediário. Alguns competidores já haviam realizado a suas paradas antes, servindo de comparação para as outras equipes e as suas escolhas.

LEIA MAIS: A linha tênue das tomadas de decisão 

Charles Leclerc e Lewis Hamilton quase arriscaram terminar a corrida sem realizar nenhuma parada, mas apenas Esteban Ocon completou a corrida desta forma. Aqui é importante dizer que quando uma pista é declarada molhada no início da corrida, a necessidade de utilizar dois tipos de pneus acaba sendo derrubada. Pois em pista molhada, você só tem dois tipos de pneus disponíveis, mas que trabalham de formas diferentes.

Tanto Lewis Hamilton, quanto Carlos Sainz, realizaram provas de recuperação, portanto entender a eficiência dos pneus, mas também encontrar o melhor momento para ultrapassar, determinava os seus ganhos ao final da corrida.

Os compostos da rodada

No Istambul Park os times tiveram que realizar a corrida com os pneus intermediários – Foto: reprodução Pirelli

Intermediários (faixa verde): usados por toda a corrida pelos pilotos. Apenas Ocon teve a oportunidade de completar a corrida sem realizar nenhuma parada nos boxes. Os pilotos usaram intermediários novos durante toda a corrida.

Médio (faixa amarela): Sebastian Vettel foi usado de teste pela Aston Martin, o time encaminhou o alemão para a pista com os pneus slick, mas se provou uma estratégia errada, principalmente por conta da temperatura dos compostos se tornar difícil de controlar em um traçado molhado. Os médios também não forneciam nenhuma aderência.

Uma pista molhada acaba tornando a corrida uma loteria e uma guerra de estratégias, poderia fornecer uma corrida bem mais dinâmica, mas desta vez a Turquia acabou mostrando mais uma vez o lado conservador das equipes.

Usados por tanto tempo, os pneus de chuva perderam a camada que dispersa a água, se tornando praticamente pneus para pista seca. 

Escute o nosso podcast sobre o GP da Turquia

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados