Review Pirelli Grande Prêmio da Austrália de Fórmula 1 de 2017

Vettel buscou a vitória para Ferrari com uma estratégia de uma única parada, mostrando que essa nova era da Fórmula 1 teve um início espetacular.

Estratégia de iniciar com ultrasoft para depois o soft foi idêntica para os quatros primeiros do grid. Quatro outras estratégias diferentes utilizadas pelos demais.

Baixo desgaste e degradação permitiu aos pilotos que guiassem ferozmente do início ao fim dos stints.

| Melbourne, 26 de março de 2017

Sebastian Vettel venceu no Grande Prêmio da Austrália para a Ferrari, completando um primeiro stint mais longo com o pneu ultrasoft do que fez o pole Lewis Hamilton, em seguida realizando o seu pitstop e retornando à frente do vice-campeão da Mercedes. Todos os pilotos que concluíram a prova, com exceção de dois, pararam mais de uma vez, como os quatro primeiros usando uma estratégia de ultrasoft para soft. Destaque para que todos os três compostos foram utilizados na corrida, com a volta mais rápida sendo obtida no set final da corrida, ela foi dois segundos mais rápida do que a volta mais rápida do ano passado. A maioria dos pilotos começaram com o ultrasoft, sendo que dos que finalizaram a prova apenas o estreante na Fórmula 1 pela Sauber o italiano Antonio Giovinazzi, que começou com os compostos soft.

“A nova era da Fórmula 1 teve um começo fantástico na Austrália, com uma corrida justa e com os pilotos capazes de conduzir os carros com mais força do início ao fim antes de cada parada. Como esperávamos, a maioria dos pilotos adotaram diferentes variações nas suas estratégias dentro de uma única parada, com os líderes se movendo para o soft para o segundo stint, confiando que poderiam correr até o final. Houve um baixo desgaste e degradação dos pneus em um circuito que não é particularmente difícil, de qualquer maneira, com os pilotos capazes de definir voltas mais rápidas no final da corrida usando o composto macio que foi usado por mais de 30 voltas.” Mario Isola, representante da Pirelli Sports.

| MELHOR TEMPO POR COMPOSTO

Fonte: @PirelliSport

| STINTS MAIS LONGOS

Fonte: @PirelliSport

| VEREDITO

Sebastian Vettel venceu a corrida fazendo apenas um pit stop, passando de ultrasoft para soft na volta 23. Inicialmente pensamos que muitos pilotos poderiam usar supersoft para o segundo stint: o piloto mais bem colocado que adotou essa estratégia foi Max Verstappen da Red Bul Racing em quinto lugar.

Fonte: @PirelliSport
Fonte: @PirelliSport

Fonte: News.Pirelli.com/australia-2017-race

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.