ColunistaDestaquesFórmula 1Post

Preview do GP da Hungria de Fórmula 1 da Temporada de 2019

A Hungria já realizava algumas competições de automóveis desde 1901 que sofreram intervenção do KMAC (Királyi Magyar Automobil Club) junto aos automóveis clube da Alemanha e da Áustria, colocando o país nas rotas das competições. Desde o início da década de 1930, planos começaram a ser elaborados para realizar uma competição em grande escala e em 1936 no circuito Népliget pelas ruas de Budapeste foi realizado o 1° Grande Prêmio da Hungria, porém o país só teria uma competição oficial em 1986, quando entrou para o calendário da Formula 1 e contando com uma vitória de Nelson Piquet.

Foram dois anos e meio até o contrato que colocaria a Hungria como mais um circuito para a Fórmula 1, mas o contrato só veio a ser firmado em setembro de 1985, onde nos próximos cinco anos a corrida seria realizada em solo húngaro. O autódromo levou oito meses para ser construindo em Budapeste.

O Brasil tem um bom histórico de vitórias no país, no ano de estreia e no seguinte Nelson Piquet venceu a corrida. Em 1988, 1991 e 1992 foi a vez de Ayrton Senna e Rubens Barrichello pela Ferrari em 2002.

A primeira extensão da pista, tinha pouco mais de 4 KM de 1986 à 1988. A partir de 1989, o circuito sofreu uma alteração, com a suspensão de uma combinação de curvas e desta forma passou a ter 3,975KM até 2002. Em 2003 a reta de largada passou a ter 986,29 metros e o circuito como um todo passou a ter 4,381KM.

lll Pneus

As ultrapassagens no circuito são mais difíceis, portanto, se classificar bem é de suma importância. Também é umas das pistas mais lentas do calendário, com uma velocidade média de 190km/h. As retas não são longas e 12 das 14 curvas são executadas em baixa velocidade, portanto o que conta mesmo na pista é a aerodinâmica do carro.

 

 

Mesmo sendo um circuito com poucas disputas, os pneus estão sempre trabalhando e por isso os compostos escolhidos foram: C2 (faixa branca – duro), C3 (faixa amarela – médio) e C4 (faixa vermelha – macio).

Hugaroring é o significado de pista sinuosa e a maioria delas é lenta, portanto, os pneus estão sempre trabalhando. O dowforce é a tipo de configuração favorita para pelas equipes e assim o carro costuma responder melhor nas curvas. A estratégia vencedora está baseada em uma parada.

As temperaturas costumam ser altas e devido a localização da pista, o ar quase não circula; além dos pneus sofrerem, as condições de pista não são as mais agradáveis para os pilotos.

O GP da Hungria marca o início das férias de verão da Fórmula 1, a prova é importante, pois com um bom resultado, as equipes vão confiantes para a segunda parte do campeonato.

 

lll Corrida 2018

Se no sábado havia chovido durante a prova de classificação, no domingo a temperatura na pista tinha aumentado muito e estava na casa dos 57°, com 34°C no ambiente.

Era de se esperar que com o circuito travado, a prova não fosse muito movimentada. Hamilton ganhou aquela corrida facilmente, só os pneus que causaram um percalço durante as últimas voltas, pois a parada o inglês nos boxes, ocorreu antes dos principais competidores.

Hamilton largou bem e Bottas assumiu a posição de escudeiro, bloqueando Kimi Raikkonen que vinha logo atrás e com apenas quatro voltas, o inglês já havia aberto uma vantagem de 5s para o companheiro de equipe.

O inglês provou que se classificar bem na Hungria é extremamente importante, pois a dupla da Ferrari possuía carros fortes no circuito e uma boa estratégia; o alemão largou com os pneus macios, para permanecer mais tempo na pista, contra os compostos ultramacios dos rivais com as flechas de prata.

Raikkonen não seguiu o plano do companheiro de equipe e com os pneus ultramacios, precisou parar na volta 14, o finlandês da Mercedes fez o mesmo no giro seguinte. Naquela altura da prova, Hamilton estava a 9s de Vettel, que assumia o segundo lugar.

Hamilton permaneceu na pista, até a volta 25, para instalar os pneus macios, mas todos duvidavam que fosse possível seguir com eles até o final da prova, pois restavam 45 voltas até a bandeirada.

Desta forma, Vettel assumiu a primeira posição e começou a render mais que o rival, no entanto a chance do alemão estava mais ligada a obter a segunda posição de Bottas na estratégia do que o primeiro lugar. Desta forma ele trabalhou conseguindo a vantagem que precisava para realizar a parada, mas encontrou retardatários que fizeram com que a sua vantagem de 25s, diminuísse para 20s.

O pit-stop de Vettel foi desastroso, o piloto enfrentou problemas e na volta 38, retornou atrás de Bottas. Raikkonen em estratégia diferente, realizava a sua segunda parada.

Restando cerca de 15 voltas para o final, a Ferrari avisou a Vettel, que os pneus de Bottas estavam no talo e aquele era o momento de ir para cima. Aproveitando um vacilo do finlandês, Vettel conseguiu a ultrapassagem e Raikkonen que estava no embalo foi junto. Bottas tocou a traseira do alemão, quando tentava retomar a posição e desta forma, Raikkonen conseguiu o terceiro lugar.

Na penúltima volta, foi a vez de Ricciardo se aproveitar de Bottas e os dois se tocaram, com o carro do finlandês ficando avariado, após abusar da manobra de defesa. Uma punição foi aplicada para ele, 10s, mesmo assim ficou com o quinto lugar. Para completar o grid, Gasly era o sexto, acompanhado por Magnussen, Alonso, Sainz e Grosjean.

Hamilton cruzou a linha de chegada na primeira posição com Vettel e Raikkonen completando o pódio.

 

BPCast § 49 | Preview do GP da Hungria de Fórmula 1 – Muito além da cortina de ferro enferrujada!!!

 


Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Etiquetas
Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Fechar