PIRELLI F1: PREVIEW GP DA MALÁSIA 2016

| Rubens Gomes Passos Netto – publicado em 29/09/2016 às 12:30

Sepang, Malásia, de 30 de setembro a 2 de outubro de 2016.

f1-pneus-gp-malasia-2016
Fonte: @pirellisport

Uma das únicas coisas em comum entre o Grande Prêmio da Malásia e o vizinho Grande Prêmio de Cingapura, que o precede, é a umidade. Resultado das tempestades tropicais torrenciais que assolam a região quase diariamente, é bem comum que a umidade do ar passe dos 80%. No entanto, o atual circuito é totalmente diferente, com altas velocidades e longas curvas. Por essas razões, os três compostos mais duros da gama da Pirelli (P Zero Laranja duro, P Zero Branco médio e P Zero Amarelo macio), que não eram selecionados desde Silverstone, foram os escolhidos. Pela primeira vez desde o Canadá, o composto mais duro disponível deve ser usado na corrida (dois jogos do duro foram nomeados como obrigatórios). A pista foi completamente recapeada e fechada por três meses. Isso deve fazer com que ela fique menos abrasiva do que antes, uma característica típica de Sepang no passado.

O CIRCUITO DO PONTO DE VISTA DO PNEU:

• A temperatura da pista é quase sempre alta. É, literalmente, possível fritar um ovo no asfalto.
• No passado, os índices de uso e degradação dos pneus foram altos, fazendo com que uma estratégia com múltiplas paradas fosse provável.
• Chuvas pesadas também são frequentemente uma das características do GP da Malásia, causando até mesmo bandeiras vermelhas. Isso também faz com que toda a borracha acumulada seja levada pela água, afetando a evolução da pista ao longo do fim de semana.
• A degradação térmica é um fator importante, novamente por causa das altas temperaturas do ambiente e da pista.
• Sepang é um circuito variado, mas também há algumas curvas rápidas com grandes cargas laterais de energia.
• A nova superfície deve fazer com que a pista tenha muito menos ondulações.
• O pneu dianteiro esquerdo é o que mais trabalha e tende a ser um fator limitador na duração dos stints.

OS TRÊS COMPOSTOS INDICADOS:

Laranja duro: deve ser usado na corrida, uma vez que dois jogos deste composto foram nomeados como obrigatórios.
Branco médio: deve ser a chave para uma estratégia flexível, o que geralmente gera dividendos em Sepang.
Amarelo macio: um composto macio, mas com alta gama de trabalho, o que faz com que ele seja muito utilizável na Malásia.

COMO FOI NO ANO PASSADO:

• Sebastian Vettel, da Ferrari, venceu com uma estratégia de dois pit stops, começando com o médio, mudando novamente para médio na volta 17 e então para o duro na volta 37. A temperatura da pista chegou aos 56º C.
• Melhor estratégia alternativa: Lewis Hamilton, da Mercedes, fez três paradas e chegou em segundo, tendo largado da pole position. Seu parceiro de equipe também usou essa estratégia e chegou em terceiro.

PAUL HEMBERY, DIRETOR DE MOTORSPORT DA PIRELLI: “Em termos de condições extremas que oferecem um verdadeiro teste para os pneus, a Malásia está acima de qualquer outra coisa que vemos durante o ano. Isso acontece por causa das temperaturas elevadas, bem como as altas cargas de energia proporcionadas pelas curvas rápidas. O grande fato desconhecido para este ano é a superfície da pista, que é completamente nova. O clima também pode mudar em um instante, tornando a pista em uma monção. Como resultado disso tudo, Sepang deve trazer um fim de semana bem variado, onde será difícil acompanhar a evolução da pista. Vimos um alto número de pit stops no passado e provavelmente teremos múltiplas paradas para a maioria dos pilotos novamente este ano. Obviamente, isso abre uma gama ainda maior de variáveis no que se refere a potenciais estratégias de corrida, agora que as equipes possuem três compostos para escolher.”

O QUE É NOVO?

• Há uma superfície inteiramente nova, além de nova drenagem, novo meio-fio e áreas de escape com cascalho redesenhadas.
• O GP da Malásia passou por alteralções no calendário, passando de março para setembro.
• A programação de testes de pneus para 2017 continuou na semana passada, com a Mercedes testando pneus de chuva na França.
• A ação na pista começa na quinta-feira este ano, com a primeira sessão da GP2 no fim da tarde.

pneus-2016-gp-gp
Fonte: @rubensGPnetto

Fonte: maxpressnet.com.br/Pirelli-F1-Preview-GP-da-Malasia

f1-pneus-malasia-2016
Fonte: @pirellisport

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.

Um comentário em “PIRELLI F1: PREVIEW GP DA MALÁSIA 2016

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.