ColunistaFórmula 1Post
Tendência

Operação Recuperação: os planos da Mercedes para voltar a disputa da F1

A Mercedes está fornecendo novas atualizações para o W13, na busca por melhorar o desempenho do carro e ganhar mais terreno no grid

A Mercedes está prestes a colocar uma mão pesada em uma reinterpretação do W13 já a partir de Melbourne, durante este final de semana. O objetivo é eliminar o bombeamento aerodinâmico que está encadeando o desempenho do carro. Se liga nos próximos passos.

Passo 1: Melbourne

O que será introduzido será um pacote de melhorias progressivos. Começa neste domingo (10) e provavelmente termina em Barcelona, com Imola representando o palco do maior número de inovações introduzidas.

É preferível ter esse tipo de tendência para evitar ter que lidar com muitos detalhes novos ao mesmo tempo. A Mercedes busca certezas e precisa entender como cada novo elemento interage com os demais e que tipo de problema ele resolve. Ou possivelmente para criá-los.

O W13 estará prestes a tentar evoluir nos próximos meses (Reprodução: Getty Images)

Na imagem abaixo é possível perceber as alterações feitas pela equipe alemã:

Configurações: acima a versão da asa traseira usada em Sakhir, abaixo a usada em Jeddah (Reprodução: F1.com)

Passo 2: diagnóstico do paciente

A especificação saudita era pouco mais que um paliativo. O paciente precisa de muito mais para se recuperar e correr rápido. A reabilitação começará em Melbourne. E começaremos a entender se a recuperação poderá ser total ou se esse projeto terá um final problemático. Desde os primeiros treinos livres de Albert Park, portanto, veremos algumas mudanças, sobretudo na parte inferior e asa traseira. Reiteramos que estas são soluções parciais de um pacote evolutivo mais amplo que deve eliminar completamente o grave problema do porpoising.

O porpoising no carro de Lewis Hamilton no Bahrain (Reprodução: ContentPuff / Reddit)

Devido a esse fenômeno, o carro teve que rodar com uma configuração aerodinâmica muito diferente daquela em torno da qual foi desenvolvido na simulação. O tunel de vento determinou que o carro não estava gerando downforce dos canais de venturi como as simulações de fábrica haviam indicado. Um sinal de que a Mercedes sabe que o carro tem grandes doses de downforce para extrair e que por enquanto eles permanecem perdidos. O que dependia de uma distância ao solo anômala na qual o W13 deveria girar para não começar a saltar fora de controle.

Como superar esse problema?

Mercedes quer fazer de Melbourne seu intensivo. (Reprodução: XPB Images)

Elevar o carro gera dois efeitos indesejáveis relacionados: reduz significativamente a força descendente e não diminui o arrasto. Este último, em alguns casos, pode até aumentar – como já vimos aqui. Uma maneira de superar esse desvio seria instalar uma asa traseira com menor downforce ou então até mesmo uma nova dianteira, melhorando o arrasto. E é nisso que a Mercedes F1 está trabalhando. Daí o “sedativo” saudita quando os engenheiros fizeram um corte bastante incomum na parte superior da asa.

A nova configuração da asa dianteira do W13: olho no flap! (Reprodução: AlbertFabrega / Twitter)

Consequentemente algumas mudanças já puderam ser vistas neste início de final de semana australiano, onde pudemos ver a asa dianteira em frente à garagem de Russell: o design do flap foi revisado, em particular nos dois últimos elementos que foram configurados, de modo a melhorar a penetração do ar.

A nova configuração da asa dianteira do W13 de George Russel (Reprodução: Getty Images)

Passo 3: Reformulação do assoalho

Assoalho do W13 durante o fim de semana do GP da Arábia Saudita (Reprodução: Giorgio Piola / Motorsport)

Devemos ser claros: o novo elemento traseiro deve garantir menos arrasto com a mesma força descendente gerada, mas não é a solução para uma grande melhora aerodinâmicaIsso só será resolvido com uma reformulação completa do assoalho. Um desafio complicado devido ao calendário apertado e limites de orçamento para enxugar as ambições dos aerodinamicistas. Na Austrália, portanto, não esperamos que o milagre aconteça.

Por fim, o W13 está no início de um caminho que deve começar a dar mais eficiência para gerenciar melhor as frenagens, curvas e saídas para baixar a potência de forma mais eficaz. Atenção, é melhorar, não resolver. Para isso, devemos aguardar até Imola e Barcelona.

Calendário de atualizações do W13 (esperado)

  • Austrália: nova asa traseira (se os prazos forem cumpridos)
  • Imola: novo assoalho para o problema de porpoising
  • Barcelona: nova asa dianteira

LEIA O CAPÍTULO 2: SAIBA COMO A MERCEDES ESTÁ EVOLUINDO

A Mercedes iniciou sua recuperação. E agora?

Mostrar mais

Deixe uma resposta

Artigos relacionados