Molly Taylor, campeã australiana de Rally participa do programa de pilotos do Extreme E

Sharing is caring!

A Campeã de rally australiano, Molly Taylor se inscreveu para participar do Extreme E

Molly conquistou o campeonato Australiano de Rally em 2016 e agora ela se junta a lista crescente de pilotos que desejam participar da primeira temporada do Extreme E. A pilota de 32 anos, herdou o amor pela competição da mãe Carol Taylor, co-piloto de rali e do pai Mark Taylor, este dirigiu uma escola de rali.

Com este mundo muito próximo ela começou a competir localmente, enquanto ainda estava na escola. Molly passou a se destacar entre os jovens e ganhar notoriedade e em 2006 foi premiada com a Jovem ‘Achiever’ do Ano de Nova Gales do Sul. Em 2009 ela foi selecionada pela Australian Motor Sport Foundation para seu programa Internacional Rising Star.

Molly Taylor e a mãe Carol Taylor
Foto: News Corp Australia

Molly encara o Extreme E, como uma oportunidade de se lançar no desconhecido, principalmente pelos diferentes tipos de circuitos que os pilotos vão lidar na competição. “Nada como isso nunca foi feito antes”, disse ela. “Representa um enorme desafio e aventura, o que realmente me emociona. A mensagem mais ampla de enfrentar as mudanças climáticas de maneira proativa também é incrivelmente importante – nosso futuro e as próximas gerações dependem de nós resolvermos esse problema com êxito. Pelo que vi do ODYSSEY 21 em ação, também parece ser muito divertido dirigi-lo!”

“Será uma montanha-russa para todos nós e para os fãs. A variedade de locais e condições que experimentaremos tornarão uma aventura contínua; são todos lugares de lista de itens que eu nunca estive em posição de visitar, então isso será especial. Se envolver com uma série em que pilotos e equipes não sabem o que esperar é realmente emocionante. Todos estarão no mesmo barco e estarão aprendendo durante a competição.”

“Sem dúvida haverá uma curva de aprendizado muito acentuada pela frente. Penso que a minha experiência como piloto de rali me deu o controle do carro e a capacidade de me adaptar às mudanças de ambiente, mas a especificidade do Extreme E – novas superfícies e formatos de corrida – serão elementos para aprender e trabalhar.

“Dirigir um SUV também será algo novo para mim, além de várias condições em que dirigiremos. Competi muito em cascalho, mas areia e gelo serão um novo desafio. O formato também será completamente diferente, especialmente compartilhando o papel de co-piloto! ”

Molly ganhou notoriedade no rali pois foi atrás da sua paixão e espera aproveitar a oportunidade para criar mais ações positivas pela diversidade em um esporte tradicionalmente dominado por homens.

“Uma coisa que sempre me atraiu no automobilismo é que, uma vez que o capacete continua, seu sexo se torna irrelevante e o cronômetro não tem viés”, acrescentou. “No entanto, também acho importante observar como podemos melhorar efetivamente a diversidade em nossa indústria e este é um passo na direção certa. Penso que este formato proporcionará novas oportunidades para reformularmos a imagem do nosso esporte aos olhos dos jovens fãs, que serão inevitavelmente o nosso futuro.”

Molly Taylor junta-se à antiga piloto de Fórmula E IndyCar Series, Simona de Silvestro, à piloto de desenvolvimento Extreme E da Continental Tyres, Mikaela Ahlin-Kottulinsky, à campeã da W-Series, Jamie Chadwick, à piloto de turismo, Katherine Legge e à companheira dos ralis, Catie Munnings como principais mulheres no Programa de Pilotos, todas estão desputando a vaga para o Extreme E. 

o uma vaga na Extreme E.

 

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

shares