ColunistaFórmula 2Post

Caos reina ao final da prova! Vesti se aproveita de erro de Daruvala para vencer prova Sprint da F2 no Azerbaijão

Com o Safety Car sendo acionado para o final da prova, Vesti aproveitou erro de Daruvala na segunda relargada para vencer prova no Azerbaijão

A Fórmula 2 abriu as atividades nesta manhã de sábado (11), a prova Sprint da categoria de base começou de forma mais conservadora, Jehan Daruvala controlou a liderança depois de realizar a ultrapassagem em Jake Hughes instantes após a largada. O piloto que guia pela Prema nesta temporada, tinha a corrida na mão, tudo estava correndo bem para a sua vitória, mas as últimas seis voltas da corrida foram um verdadeiro caos.

Na primeira relargada Daruvala controlou muito bem a ponta, mas Frederik Vesti observou as escolhas do adversário e na segunda relargada conseguiu reagir para assumir a ponta. O piloto da ART Grand Prix que começou a corrida da segunda posição recebeu a bandeira quadriculada como líder da prova.

Com toda a confusão e os períodos com Safety Car que aconteceram a partir do décimo quinto giro, Liam Lawson conseguiu aproveitar a disputa com Richard Verschoor e o abandono do adversário para terminar a corrida no terceiro lugar e completar o pódio.

Marcus Armstrong também aproveitou o final da prova e conseguiu o quarto lugar, Felipe Drugovich foi o quinto colocado, acompanhado por Logan Sargeant que não soube lidar muito bem com as relargadas e ainda tocou em Armstrong. Théo Pourchaire que começou a corrida do décimo segundo lugar, perdeu posições na largada, ainda obteve a sétima posição. Ayumu Iwasa foi o oitavo colocado, recebendo o último ponto disponível da prova.

Saiba como foi a corrida Sprint da Fórmula 2 no Azerbaijão

Com a inversão do grid Jake Hughes começou a corrida da primeira posição, seguido por Frederik Vesti. Felipe Drugovich era o sexto colocado, enquanto Jüri Vips que conquistou a pole começou a prova da décima posição.

Hughes superou os problemas com a largada, mas perdeu a ponta para Daruvala. Antes, Vesti tinha tracionado melhor na largada, mas por conta da frada da primeira curva foi forçado a recuar. Hughes sofreu ataques de Vesti, mas conseguiu manter a segunda posição. Drugovich foi ultrapassado por Armstrong, realizando uma largada mais conservadora. O início após o apagar das luzes não foi com grandes incidentes, mas Novalak foi tocado por Boschung. Pourchaire espalhou depois da largada e quase foi ao muro, desta forma o piloto da ART Grand Prix caiu para o décimo quarto lugar.

Doohan informou um problema com a asa dianteira, mas a equipe optou por deixar o piloto na pista até a quarta volta, mas após a sinalização da direção de prova sinalizou que o piloto deveria realizar a troca da peça.

O DRS foi liberado na terceira volta e por conta da proximidade os ataques começaram. Vesti estava perseguindo Hughes, mas o piloto da Van Amersfoort fazia o uso de um traçado defensivo para não perder a segunda posição para o adversário da ART Grand Prix.

No sexto giro também foi a vez de Vesti ultrapassar Hughes na curva, na sequência foi Sargeant que atacou Hughes para assumir o terceiro lugar. Na sétima volta, os dez primeiros eram: Daruvala, Vesti, Sargeant, Hughes, Verschoor, Armstrong, Drugovich, Lawson, Vips e Hauger. O postulante ao título Théo Pourchaire, tinha recuperado três posições, assumindo a décima primeira posição. Pourchaire ultrapassou Iwasa após o piloto da DAMS cometer um erro.

Hughes seguia perdendo performance, quem se aproximava do piloto conseguia ganhar a posição, portanto ele foi ultrapassado por Armstrong e Drugovich durante a nona volta. Sem um acerto adequado para a corrida, Hughes virou uma presa fácil para os adversários.

No décimo giro as disputas se intensificaram, Lawson, Vips e Pourchaire foram para cima de Hughes. Hauger da Prema também conseguiu a ultrapassagem. O piloto da Van Amersfoort caiu para o décimo segundo lugar. Pourchaire respondeu muito bem as disputas que aconteceram, desta forma saltou para o nono lugar. Fittipaldi era o décimo quarto colocado.

Restando dez voltas para o final, os dez primeiros eram: Daruvala, Vesti, Sargeant, Verschoor, Armstrong, Drugovich, Lawson, Vips, Pourchaire e Hauger. Apenas os oito primeiros pontuavam, desta forma o piloto francês da ART Grand Prix estava buscando o oitavo lugar. Roy Nissany escapou na pista, usando uma das áreas de escape após errar o ponto de freada.

Durante o décimo terceiro giro, Pourchaire colocou o carro de lado, mas não tinha espaço para ultrapassar Vips, mas o francês seguiu as suas investidas. Hauger também havia se aproximado da disputa. Por ter errado o ponto de freada na curva 3, o piloto da Prema foi direto para a barreira de proteção.

O Safety Car foi acionado, desta forma o grid foi mais uma vez reagrupado. Hughes, Novalak e Cordeel passaram pelos boxes para realizar uma troca de pneus antes de retornar para a pista.

A relargada aconteceu após o final da décima sexta volta. A vantagem de Daruvala foi reduzida à zero, o piloto indiano levou a relargada até a linha de chegada, mas conseguiu controlar a primeira posição, evitando a ultrapassagem de Vesti. Drugovich foi ultrapassado por Lawson.

Vips fez uma relargada ruim e foi perdendo posições, o piloto da Hitech passou reto, atrapalhado por Enzo Fittipaldi que também perdeu o ponto de freada. Drugovich retomou o sexto lugar. O Safety Car entrou mais uma vez na pista, onde a bandeira amarela chamou a bandeira amarela.

Após a remoção do carro de Fittipaldi que ficou com a suspensão dianteira quebrada, a corrida recomeçou após o final da décima oitava volta. A proximidade foi um problema mais uma vez, aquele conservadorismo no início da corrida se perdeu. Daruvala foi mais uma vez aquecendo os pneus, as a sua relargada não foi tão boa como a anterior, Vesti saltou para a primeira posição. Na sequência o piloto da Prema foi atacado por Verschoor. Pouco depois, Lawson que estava próximo desta disputa atacou o piloto da Trident que foi direto para a barreira de proteção na sétima curva.

O Safety Car foi ativado outra vez, mas com a limpeza rápida da pista, a direção de prova deu bandeira verde para a última volta. Pourchaire era o sétimo colocado, estando dentro da zona de pontuação e na relargada estava atrás de Pourchaire.

Vesti foi controlando a ponta, para evitar a ultrapassagem do piloto da Prema. Vesti conseguiu manter a ponta, Daruvala era o segundo. Sargeant foi ultrapassado por Drugovich. Uma batida forte aconteceu no final do pelotão. Boschung espremeu Williams para a barreira, Sato e Bolukbasi também foram atingidos, mas todos os pilotos estavam bem.

Versti recebeu a bandeira quadriculada, acompanhado por Daruvala e Lawson. Drugovich terminou à frente de Théo Pourchaire. Hughes que tinha começado a corrida da primeira posição e despencou no pelotão, ainda terminou a corrida no nono lugar por conta de todos os abandonos, infelizmente não pontuou. Apenas 14 dos 22 carros terminaram a prova.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados