ColunistaFórmula 1Post

Apresentando os pneus da Pirelli e suas características – Parte 2

Os compostos da Pirelli são identificados em uma escala que vai de C1 até C5, cada um dos pneus tem as suas características e são importantes para a competição

Com a temporada da Fórmula 1 se aproximando do seu início, vamos conversar mais uma vez sobre os pneus, agora trazendo dados fornecidos pela Pirelli, após uma conversa com a fornecedora de pneus da Fórmula 1, para que seja possível compreender a performance de cada composto. Na primeira parte deste texto falamos sobre a importância dos compostos e como eles se comportam na competição, você pode conferir ele aqui.

Nesta segunda parte vamos falar de forma individual sobre eles e as características de cada um. Mas antes disso é necessário lembrar que os pneus da temporada 2021, são os compostos introduzidos na temporada 2019, a Pirelli precisou permanecer com eles por três anos.

O novo regulamento da Fórmula 1 vai introduzir os compostos de 18 polegadas, ele deveria ser introduzido em 2021, mas por conta da pandemia, a introdução do novo regulamento foi adiada para 2022. Sem tempo hábil para desenvolver e fabricar novos compostos, a Pirelli precisou utilizar os mesmos pneus por uma terceira temporada, neste ano vamos ver os mesmos compostos nas pistas, mas que passaram por uma leve modificação para suportar o desenvolvimento dos carros que teve continuidade desde que estes pneus foram introduzidos.

Em 2021 eles são:

Os mesmos compostos de 2019 e 2020;

O pneu dianteiro teve o perfil e estrutura modificados, enquanto os pneus traseiros passaram por um ajuste fino da estrutura;

As informações sobre os compostos não mudam e permanecem válidas.

Tamanho dos pneus slick/pista seca: 305 / 670-13 (frontal), 405 / 670-13 (traseiro)

Desde 2019, cada composto não tem mais uma cor alocada permanente: em vez disso, eles são numerados de C1 a C5, com C1 sendo o mais duro e C5 sendo o mais macio. Os compostos são os mesmos introduzidos no ano passado, que foram projetados para aumentar a resistência ao superaquecimento e fornecer maior consistência ao longo de uma temporada.

Conheça cada um dos pneus:

Foto: reprodução/Pirelli

C1

C1 significa Composto 1, ele é o pneu mais duro da linha 2020 da Pirelli. Ele é projetado para circuitos que cobram mais energia dos pneus, aqueles circuitos que apresentam curvas rápidas, superficies bem abrasivas ou com temperaturas elevadas.

Dificuldade: O composto demora mais para aquecer, mas oferece durabilidade máxima e baixa degradação.

C2

C2 é o Composto 2 e é efetivamente o pneu médio de 2018. Um composto versátil, mas ainda mais próximo de um compost duro. Ele se destaca em circuitos de alta velocidade, temperaturas elevagas e carga de energia alta. 

É um dos pneus mais utilizado e costuma fazer parte da seleção intermediária da Pirelli. Ele apresenta uma adaptação melhor, por isso é mais fácil selecionar ele para um fim se semana de corrida.

C3
Este pneu é equivalente ao macio de 2018. Ele atinge um equilíbrio muito bom entre desempenho e durabilidade, com ênfase no desempenho. É um pneu muito adaptável que pode ser usado como o composto mais macio em uma pista de alta abrasividade, bem como o composto mais duro em uma pista de baixa abrasividade ou circuito de rua.

C4

Este é o mais próximo do ultramacio de 2018 e funciona bem em circuitos estreitos e sinuosos. Tem um aquecimento rápido e um desempenho que chega ao pico rapidamente

Desafio: mas o outro lado de um pico rápido, é que a sua vida útil geral é relativamente limitada. No entanto, a consistência aprimorada dos compostos deste ano deve significar que a borracha mais macia é capaz de um uso mais versátil.

C5
O composto mais macio para 2020 é o herdeiro do hipersoft: o composto mais rápido que a Pirelli já fez e foi representado com a faixa rosa na ‘Gama Rainbown’. Este pneu é adequado para todos os circuitos que exigem altos níveis de aderência, mas em compensação para essa velocidade e aderência extras é uma vida útil consideravelmente mais curta do que os outros pneus da linha. Tirar o máximo proveito disso será a chave para as estratégias de corrida.

Em 2018 a Pirelli apresentou em Abu Dhabi, um agama que foi conhecida como ‘’Rainbown’’, os pneus ganharam nomes e cores específicas para à identificação na pista. Após um ano identificando os pneus desta forma, a Pirelli passou à identificá-los nas pistas por C1, C2, C3, C4 e C5, utilizando apenas as cores branco, amarelo e vermelho para a identificação do público nas pistas.

Compostos para dias chuvosos

A Fórmula 1 utiliza compostos diferentes para dias com chuva, eles são responsáveis por fornecer aderência aos carros. A Pirelli trabalha com dois tipos, os pneus para chuva extrema e os intermediários, ainda que eles sejam definidos apenas como pneus de chuva ou Cinturato; estes dois compostos foram reprojetados para 2019 com novos padrões de piso e estruturas, tornando-os mais eficientes e versáteis. 

O Cinturato, é em homenagem a um nome que foi dado desde os anos 1950 é sinônimo de segurança e controle.

Intermediário (verde)

Intermediário (verde) – Foto: reprodução/Pirelli

Os intermediários são os mais versáteis dos pneus de chuva. Eles podem ser usados ​​em uma pista molhada sem água parada, bem como em uma superfície de secagem. Este pneu elimina 30 litros de água por segundo por pneu a 300 km / h. O composto foi desenhado para expandir a variação da gama.

Tamanho: 305 / 675-13 (frontal), 405 / 675-13 (traseiro).

Pneu de Chuva – extrema (azul)

Pneu de Chuva – extrema (azul) – Foto: reprodução/Pirelli

Os pneus de chuva extrema são a solução mais eficaz para chuva forte. Esses pneus podem eliminar 85 litros de água por segundo por pneu a 300 km / h. O perfil foi projetado para aumentar a resistência à aquaplanagem, o que dá ao pneu mais aderência em chuvas fortes. O diâmetro do pneu para chuva é 10 mm mais largo do que o do pneu liso.

Tamanho: 305 / 680-13 (frontal), 405 / 680-13 (traseiro).

Para a temporada 2021 a Pirelli já estabeleceu quais compostos vai utilizar em cada circuito. Algumas combinações são as mesmas da temporada passada, já que a Pirelli obteve um bom desempenho com os compostos. Assim como no ano passado, a Pirelli vai manter a alocação fixa dos pneus, cada piloto receberá treze conjuntos: dois conjuntos de pneus duros, três de pneus médios e oito de pneus macios. 

* texto com base nos dados fornecidos pela Pirelli

LEIA MAIS: Pirelli divulga seleção de compostos para a temporada 2021

+ Parte 1- A atuação dos pneus Pirelli na Fórmula 1

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados

Botão Voltar ao topo