01º de Agosto – GP da Alemanha de 1976, James Hunt vence a corrida e Niki Lauda vence a luta contra a morte – Dia 72 dos 365 dias dos mais importantes da história do automobilismo

Em 01º de agosto de 1914 a Alemanha declara guerra a Rússia começando assim a Guerra das Guerras ou a Grande Guerra. porém entre trincheiras e ninhos de metralhadoras não sou um especialista sobre o assunto e para marcar a data recomendo o episódio 139 do Nerdcast sobre a 1ª Guerra Mundial.

l Dos Prolegômenos

Em 1976 uma guerra estava sendo travada na Europa que se estendia a outros continentes, de um lado James Hunt, inglês e um boêmio e do outro lado Niki Lauda, austríaco e um gênio.

O fim de semana na Alemanha ainda sentia a tensão que existia entre Ferrari e McLaren, Hunt havia ganhado em Brands Hatch, porém a Ferrari e Niki Lauda contestavam a vitória do Inglês.

E assim o circo da Fórmula 1 chegava ao circuito de Nurburgring Nordschleife, o Inferno Verde com os seus 22kms, uma pistas com curvas desafiadoras e que possuía uma segurança contestável, o próprio líder do campeonato Niki Lauda tinha péssimas recordações sobre a pista, pois havia sofrido um acidente em 1973 quando ainda corria pela BRM.

A chuva torrencial começou no sábado o que impediu de se realizar o treino classificatório, para formação do grid de largada foi usado o resultado dos treinos de sexta do qual James Hunt conseguiu a pole e Niki Lauda ficou em segundo, seguidos de Patrick Depailler da Tyrrell, Hans Joachin da March, Clay Regazzoni, da Ferrari, Jacques Laffite da Ligier-Matra, José Carlos Pace da Brabham-Alfa Romeo, Jody Scheckter da Tyrrell, Jochen Mass da McLaren e por fim Carlos Reutemann da Brabham-Alfa Romeo que fechava as dez primeiras posições.

Largada em Nurburgring para o GP da Alemanha de 1976. Fonte: @Tumblr

l Da Corrida

Choveu muito antes da corrida, porém para largada a chuva deu uma trégua e assim a maioria dos pilotos alinharam com pneus para chuva menos Jochen Mass da McLaren, que por conhecer as características da região sabia que a pista logo iria secar e todos seriam obrigados fazer um pit-stop.

Na largada Regazzoni pula para a primeira posição, enquanto Hunt caia para segundo e Mass já estava em terceiro na primeira curva, Laffite fez uma boa largada e já seguia os líderes da prova ao contrário de Lauda que vinha a frente do restante do grid.

Já na segunda volta, alguns pilotos decidem fazer o pit-stop e colocar pneus slicks que foram Hunt, Lauda, Regazzoni, Reutemann entre outros, porém alguns apostaram em permanecer na pista com pneus de chuva, porém logo estariam no Fim do Grid®.

Ainda na segunda volta aconteceu a tragédia que iria marcar a ferro quente as mentes de todos os fãs de Fórmula 1, Niki Lauda passava pela região da Bergwerk quando a suspensão de sua Ferrari quebra e ele bate forte no guard-rail e o seu carro é arremessado novamente para pista já em chamas, o americano Brett Lunger não consegue desviar e bate forte em Lauda que fica preso nas ferragens e que novamente sofre uma colisão de Harald Ertel.

40 segundos foi o tempo que Niki Lauda permaneceu inconsciente dentro do seu carro em chamas, ele havia perdido seu capacete na batida, um modelo novo que se desprendeu de sua cabeça com a força da colisão, por sorte ele foi retirado das ferragens pelos colegas pilotos como Emerson Fittipaldi, Arturo Merzário, Harld Ertl, Lunger, Guy Edwards e Hans-Joachim Stuck.

Seu rosto estava seriamente queimado, havia perdido parte da orelha direita e quebrado vários ossos. A fumaça comprometera gravemente seus pulmões, Harald Ertel conta como foi:

Lauda rodou, não sei como isso aconteceu. Ele bateu com a direita na cerca de proteção e voltou para a pista. O piloto Bret Lander não conseguiu desviar e bateu nele. Então o carro voltou de novo para a pista, atravessado, e eu bati nele. Não deu mais para ver como o carro de Niki Lauda rodopiou e pegou fogo

O resgate levou mais de uma hora para retirar Lauda do autódromo, pela extensão da pista, gravidade dos ferimentos e para realização do transporte dele para Koblenz.

Porém a direção decide por seguir com a corrida, com a saída dos envolvidos no acidente e do veterano Chris Amon, o neozelandês decide abandonar o automobilismo ali mesmo antes da relargada, devido o acidente de Lauda.

Na relargada para as 14 voltas restantes Hunt lidera seguido por Regazzoni, Scheckter, Depailler e Pace que vinha fazendo uma excelente prova, queimando a língua de seus detratores

Na primeira volta da segunda largada no trecho da Flugplatz, Peterson perde o controle e bate forte com a sua March, depois Regazzoni saí da pista, porém retorna e Depailler que vinha logo atrás de Regazzoni tenta evitar uma colisão, porém perde o controle e bate no guard-rail, ainda na mesma volta Stuck e Laffite tem problemas mecânicos e abandonam a corrida.

James Hunt 1976 Nurburgring. Fonte: @Tumblr

Hunt liderava sem precisar esquentar a cabeça, porém Pace lutava bravamente pelo segundo lugar, com trocas de posição com Scheckter, porém o sul-africano leva a melhor, logo atrás, Mass faz uma corrida de recuperação que esquentou os ânimos da torcida e a essa altura já havia passado Pace.

Ao final da corrida Hunt vence conquistando bons pontos e colocando fogo no campeonato, Jody Scheckter é o segundo e Jochen Mass é o terceiro, José Carlos Pace é o quarto, Gunnar Nilsson da Lotus e o quinto e fechando a zona de pontuação a outra Brabham de Rolf Stommelen.

Após o termino da corrida as atenções estavam voltas ao Hospital Universitário de Mannheim, onde Niki Lauda lutava para se manter vivo, Lauda teve que lutar contra a morte, segundo explica:

Tentei seguir os conselhos dos médicos, que não paravam de falar ao meu lado. A única coisa que eu podia fazer era prestar atenção ao que eles diziam e tentar ficar acordado.

42 dias depois Niki Lauda já voltava a pilotar no GP da Itália, chegando heroicamente em quarto lugar, porém não era mais o mesmo, tornou-se um piloto cuidadoso, segundo suas próprias palavras:

Depois de um acidente como este não se pode sentar no carro, esquecer tudo e fazer de conta que nada aconteceu. Acho que é preciso, primeiro, recuperar a confiança em si mesmo. Depois do acidente, precisei de pelo menos seis meses para voltar a pilotar como antes

Terminando em segundo lugar na temporada de 1976, perdendo o título para James Hunt e em 1977 conquistava o bicampeonato mundial de pilotos, quando já afirmava:

A coisa que mais me motivou na Fórmula 1, sempre, foi a sensação de pilotar esses carros. Prepará-los e sair dirigindo. Enquanto isso me der alegria, continuarei pilotando. Quando a alegria acabar e o risco aumentar, é o momento de parar

Sobre a temporada de 1976, recomendo caso você não tenha assistido que veja o filme Rush, do qual o trailer eu coloco abaixo, bem como, recomendo que após assistir o filme que ouça o episódio 44 do Podcast F1 Brasil sobre o filme.

l Fora das Pistas

Como eu disse no começo do texto, nesta mesma data em 1914 a Alemanha declarava guerra a Rússia, motivo, a morte de um Austríaco como Lauda, que se chama Francisco Fernando Carlos Luís José Maria de Áustria, um arquiduque da Áustria, herdeiro presuntivo do trono do Império Austro-Húngaro, morto no atentado de Sarajevo de 28 de Junho de 1914, as datas não batem, porém conforme nos ensina o melhor detetive da Agência de Investigações Holísticas, o fabuloso Dirk Gently:

Logo temos, Lauda austríaco, Francisco Ferdinand austríaco e uma banda escocesa Franz Ferdinand do qual a primeira música que eu ouvi deles foi This Fire:

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.

Deixe uma resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.