ColunistaFórmula 1Post

Verstappen aproveita reviravoltas da prova para duelar com Leclerc e vencer o GP da Arábia Saudita

A aparição do Safety Car foi inevitável, mas serviu para mudar o direcionamento da prova e colocar Leclerc e Verstappen juntos em mais um duelo direto

O GP da Arábia Saudita foi disputado neste domingo (27) depois de toda a tenção gerada pré-realização da prova por conta dos ataques à Jeddah. O cenário da corrida foi mudando a partir do início da janela de pit-stops, a Ferrari blefou, induzindo a Red Bull a parar com Sergio Pérez. Na sequência tivemos a entrada do Safety Car por conta da batida de Nicholas Latifi, desta forma Leclerc era o líder, acompanhado de Max Verstappen.

A corrida seguiu, vimos um duelo intenso entre Leclerc e Verstappen se desenhar. A corrida que tinha ficado morna, teve uma nova virada; na volta 37 vimos uma sequência de pilotos abandonando com problemas, Daniel Ricciardo e Fernando Alonso ficaram parados na linha do pit-lane, provocando a ativação do virtual Safety Car. Valtteri Bottas também teve problemas, mas conseguiu seguir para os boxes, encerrando sua participação de forma segura.

Quando a prova foi retomada, Verstappen reduziu a distância de mais de dois segundos para Leclerc, assim teve uma nova oportunidade de lutar com o monegasco. Após algumas inversões, mas muitas defesas de Leclerc, Verstappen assumiu a liderança na volta 47, estabelecendo o ritmo necessário para terminar a prova na primeira posição.

Verstappen fatura hoje a 21ª vitória da sua carreira, depois de ter largado da quarta posição. A Ferrari conseguiu mais uma dobradinha, com Charles Leclerc e Carlos Sainz no pódio. Desta forma a Red Bull conquista os primeiros pontos da temporada, já que não completou a prova do Bahrein.

George Russell realizou uma grande corrida e obteve a quinta posição, conseguindo assegurar mais alguns pontos para a Mercedes neste período de grande dificuldade do time. Esteban Ocon protagonizou uma grande disputa com o companheiro de equipe, assim como outros adversário, mas viu Fernando Alonso abandonar a prova, portanto representou a Alpine na sexta posição.

Lando Norris também conseguiu os seus primeiros pontos da temporada, ao terminar a corrida na sétima posição. Pierre Gasly foi oitavo colocado com a AlphaTauri. Kevin Magnussen esteve mais uma vez no top-10, agora no nono lugar com a Haas. Lewis Hamilton só não conseguiu um resultado melhor, pois perderam o melhor momento para realizar a sua parada, desta forma o inglês foi o décimo colocado. Cinco pilotos não finalizaram a prova.

A Fórmula 1 realiza uma pausa agora de quinze dias, mas retorna para o GP da Austrália que será disputado no dia 10 de abril.

Saiba como foi o GP da Arábia Saudita

Após a classificação, Daniel Ricciardo foi punido, perdendo três posições no grid de largada por ter atrapalhado Esteban Ocon. Ficou definido que o piloto australiano começaria a prova da décima quarta posição.

Durante as voltas de alinhamento para o grid, Yuki Tsunoda ficou parado na pista apresentando novos problemas. A AlphaTauri já tinha realizado a troca de vários elementos da unidade de potência da Red Bull Powertrains que equipa o AT03. Os problemas acompanharam o time durante todo o fim de semana, sendo um ponto de preocupação e alerta, principalmente para a Red Bull que não terminou a última prova. Uma das apostas é que esses motores da Red Bull estão operando em seu limite, portanto tudo pode acontecer. Lembrando que no Bahrein, Pierre Gasly também não terminou a prova, portanto providenciaram a troca da unidade de potência do francês.

A Ferrari também identificou um problema no carro de Carlos Sainz antes do piloto seguir para o grid, provavelmente no sistema de combustível.


Largaram com os pneus duros (C2) apenas Magnussen, Hamilton e Hülkenberg. Todos os outros pilotos apostaram nos pneus médios (C3) novos para a largada.

Pérez largou bem e conseguiu manter a ponta, enquanto Sainz foi ultrapassado por Verstappen, assim o espanhol passou para a quarta posição. Pela escolha da linha de largada, Leclerc fechou Sainz, fazendo o companheiro de equipe perder uma posição. Hamilton ganhou uma posição na largada, assumindo a décima quarta posição. A largada não teve nenhum incidente com os pilotos completando a primeira volta perfeitamente.

Zhou foi tocado por Ricciardo da McLaren, mas o piloto da Alfa Romeo informava que o problema da largada do Bahrein tinha se repetido.

No segundo giro Norris atacou Pierre Gasly para conseguir a décima posição, colocando a McLaren na zona de pontuação. Duas voltas depois, Russell assumiu a quinta posição, utilizando o DRS para ultrapassar Ocon. Hamilton reclamava dos pneus duros, por não fornecerem a aderência necessária para lutar por posições melhores.

Durante o quinto giro Ocon fechou Fernando Alonso que estava com o DRS aberto, o espanhol quase estampou a traseira do companheiro de equipe. Zhou quase passou reto, depois de fritar os pneus. O duelo entre os companheiros de equipe seguiu, permitida pela Alpine – Ocon fechou mais uma vez Alonso, defendendo a sexta posição. Foi apenas no sétimo giro que Alonso conseguiu a ultrapassagem, desta forma deixou o francês para trás, mas tinha um longo caminho se quisesse Russell.

Ocon usou o DRS na oitava volta para recuperar o sexto lugar, mas passou por fora da pista, precisando defender a posição. Nessa briga interna, Bottas se aproveitou para se aproximar da disputa, lutando também pela sexta posição – Magnussen também acompanhava a briga. Alonso era o sexto, Ocon sétimo, Bottas oitavo e Magnussen nono durante a décima posição.

Pérez seguia na liderança com mais de dois segundos de vantagem para Leclerc, enquanto o monegasco também tinha estabelecido mais de dois segundos para Verstappen.

Os pneus de Hamilton começaram a render, o inglês tinha assumido a décima primeira posição, no décimo segundo giro. Destaque para Zhou que era o décimo terceiro colocado, realizando uma prova de recuperação após os problemas na largada. Ocon tentou mais uma vez passar Alonso, mas por ter extravasado os limites de pista, recuou um pouco – o time alertou o francês que ele deveria parar de atacar o companheiro de equipe. Durante a décima terceira volta, Zhou foi punido, recebendo cinco segundos de punição por ter ganhado vantagem na pista ao extravasar os limites de pista.

Na décima quarta volta, Ocon foi ultrapassado por Bottas, caindo para a oitava posição. Stroll e Albon seguiram para os boxes.

Durante a décima sexta volta, a Ferrari blefou com Leclerc, informando pelo rádio que ele deveria parar, mas o monegasco seguiu para a pista, enquanto Pérez foi para os boxes. O mexicano trocou os compostos médios por duros, mas foi devolvido para a pista apenas na quinta posição. Latifi estampou o muro na décima sétima volta, provocando a ativação do Safety Car. A Ferrari aproveitou o fato dos pilotos estarem em uma velocidade controlada para entrar nos boxes e trocar os seus pneus dos seus dois pilotos. Leclerc foi devolvido para a pista permanecendo com a liderança que ganhou durante a parada de Pérez.

Apenas aqueles pilotos que largaram com os pneus duros não tinham realizado as suas paradas no Safety Car, portanto os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Pérez, Sainz, Russell, Magnussen, Hamilton, Alonso, Hülkenberg e Bottas. Quando Sainz foi devolvido para a pista, Pérez estava no traçado regular, o piloto da Red Bull realizou a ultrapassagem no espanhol enquanto o Safety Car estava em pista – uma manobra que não é permitida durante a bandeira amarela. Além disso mostravam muito, o fato de Verstappen ter sido devolvido na frente do espanhol, atrapalhando a sua saída dos boxes.

O Safety Car deixou a pista ao final da vigésima volta, Verstappen tentou pressionar Leclerc, mas isso não foi o suficiente para que o monegasco se sentisse ameaçado. Leclerc assegurou a ponta, Sainz recuperou a posição, depois que Pérez optou por devolve-la, já que fez aquela ultrapassagem de forma imprópria. A Mercedes estava com os dois carros na zona de pontuação, Hamilton tentava brigar com Magnussen que estava também com um pneu duro que tinha o mesmo estado daquele que estava instalado em seu carro.

Durante a volta 23, Hamilton ensaiava uma aproximação para brigar com Magnussen – a ultrapassagem aconteceu, mas Magnussen usou o DRS para recuperar a sexta posição, e na sequência abriu um pouco de vantagem para o rival.

Ocon voltou ao top-10 com a ultrapassagem realizada Hülkenberg durante o vigésimo quinto giro. O piloto da Aston Martin também foi ultrapassado por Ricciardo e, Norris tinha se aproximado dele com o segundo carro da McLaren.

E na volta 27, Zhou foi punido com um Drive Through, pois a equipe não tinha cumprido os cinco segundos de punição quando ele fez a sua parada.

Hülkenberg virou uma chicane na pista, perdendo performance por conta dos pneus duros mais velhos, contra carros que estavam com pneus duros novos. O alemão foi ultrapassado por Norris e Gasly. O desempenho dos carros se mostrava bem satisfatória, pois algumas disputas foram ocorrendo ao longo da prova, além disso os pilotos tinham a oportunidade de se defender quando eram atacados, justamente pelo novo formato que os carros têm.

A corrida deu uma esfriada depois da trigésima volta. Alonso tinha se aproximado de Magnussen, buscando o sétimo lugar, o piloto espanhol tentava tirar vantagem por ter pneus mais novos instalados no A522. Alonso de fato ultrapassou o dinamarquês na volta 35.

Foi na volta 37, que o carro de Alonso começou a apresentar problemas o piloto seguiu para os boxes para abandonar a prova, mas ficou parado na linha do pit-lane, não tendo potência para completar o caminho. Neste instante Bottas e Ricciardo também tiveram problemas. O finlandês abandonou a corrida nos boxes, enquanto o australiano também ficou na linha do pit-lane.

O virtual Safety Car foi ativo para a remoção dos carros. O pit-lane foi fechado pelo abandono dos pilotos, então a Mercedes perdeu o momento adequado para chamar Hamilton aos boxes e remover o pneu duro antigo, assim comprometeu as posições que o inglês tinha ganhado.

A bandeira verde foi agitada mais uma vez na volta 41. Hamilton seguiu para os boxes retornando apenas na décima segunda posição. A Mercedes instalou os pneus médios para que o inglês tivesse um composto melhor para brigar durante as últimas voltas da corrida.

Verstappen voltou a se aproximar de Leclerc, reduzindo mais de dois segundos de vantagem para o monegasco em pouco tempo. O holandês roubou a primeira posição no último setor da pista na volta 42, Leclerc ativou o DRS no início do giro seguinte, conseguinte retomar o primeiro lugar. Verstappen tentava mais uma vez, mas o holandês fritou os pneus e permaneceu na segunda posição. O piloto da Red Bull reclamava da mudança de trajetória do adversário, mas nada disso foi visto.

Na volta 45 os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Sainz, Pérez, Russell, Ocon, Norris, Gasly, Magnussen e Hamilton. Verstappen tentou mais uma vez mergulhar para um ataque, mas Leclerc fechou mais uma vez o adversário.

No giro 47 Verstappen assumiu a primeira posição, abrindo na sequência mais de 0s800 de vantagem para o monegasco. E na volta 48, o holandês estabeleceu a melhor volta da prova, anotando 1m31s779, tentando garantir mais um ponto.

Durante o penúltimo giro da prova, Albon se tocou com Stroll, encostando o carro e provocou uma bandeira amarela no primeiro setor. Leclerc então detinha o ponto da volta rápida, enquanto seguia perseguindo o adversário. Ocon atacou Norris na última volta da prova depois que fora surpreendido pelo rival, garantindo assim a sexta posição e mais pontos para a Alpine. Hamilton terminou a corrida no top-10.

post em atualização!

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados