ColunistaFórmula 1Post

SOBRE O GP DA HUNGRIA, ONDE A CADA CURVA A PISTA FICA MAIS ESTREITA

| Débora Santos Almeida – publicado em 26/07/2016 às 21:55

As expectativas estavam altas, mesmo com algumas pessoas dizendo que a Hungria não gera boas corridas, apesar de que esse ano  todas as corridas do calendário estão deixando vários corações disparados. A aposta no começo do ano na Scuderia Ferrari era muito alta, acreditávamos que eles já começariam fortes e ao longo do ano mostrariam seu crescimento, além de apostar que eles conseguiriam vencer pelo menos umas duas corridas até agora, mas cada vez mais os vemos tendo dificuldade para conseguir chegar perto do ideal e seus resultados são sempre muito inconstantes. A conquista do 4º e do 6º lugar, não mostra o avanço que era esperado até o momento, mesmo Kimi Raikkonen sendo arrojado o bastante para tentar conseguir a ultrapassar Max Verstappen, podemos notar que a força de vontade não é o bastante, o carro da Ferrari não tem downforce suficiente o que atrapalha na melhor aderência do carro e prejudica o rendimento na hora de fazer uma ultrapassagem.

A Red Bull por outro lado, não habitava a mente de quase nenhum espectador de Fórmula 1 e atualmente os vemos conseguindo beliscar nem que seja um terceiro lugar, sabendo aproveitar as oportunidades da melhor forma possível. No GP da Hungria, Max Verstappen que já é um nome muito falado durante esse ano se destacou mais uma vez,  mesmo perdendo a quarta posição para Vettel foi o protagonista de uma disputa de posição com Kimi Raikkonen e levantou discussões sobre duas manobras, com relação à mudança de traçado na pista para defender o lugar, as imagens pra mim não mostravam uma mudança para se defender, estava mais com cara de estar seguindo traçado oferecido pela pista. A volta do sorriso alegre de Daniel Ricciardo que consegue contagiar todas as pessoas em volta é o resultado de ele ter chegando à frente do seu companheiro de equipe e podendo renovando a sua confiança e buscar resultados melhores.

Outra equipe que não dávamos nada por ela esse ano era a McLaren-Honda que vem conseguindo conquistar resultados, mas relevantes do que o esperado, Fernando Alonso soube aproveitar o circuito travado oferecido pela Hungria e conquistar um 7º lugar e chegando atrás apenas dos carros da Mercedes, Ferrari’s e RBR’s. Uma pena que o Jenson Button não teve a mesma sorte que o seu companheiro de equipe e acabou enfrentando dificuldades com o carro e abandonou a prova nas voltas finais, não tendo a chance de demonstrar todos os seu potencial, mas ele poderia ter se saído bem como Fernando Alonso se não tivesse tido esse infortúnio.  .

Assim como a McLaren ainda tem muito trabalho pela frente, a Williams também esta em busca de melhores resultados. Chegando em 9º lugar se mostrou um pouco mais competitivo, mas Valtteri Bottas apenas conquistou uma posição, pois largou em 10º, já Felipe Massa concluiu a corrida chegando em 18º, no sábado acabou batendo o carro e durante a corrida enfrentou problemas na direção do seu carro, não conseguiu melhorar o ritmo e nem chegar à zona de pontuação, mas uma das séries de finais de semana para se esquecer.

Felipe Nasr continua fazendo milagres com a sua Sauber e continuo apostando nele, com um carro melhor esse menino saberia como fazer ele voar. Mostra-se um piloto muito competente o problema mesmo esta com o material que não é favorável para o seu rendimento, tomara que a equipe fique bem das pernas ou que ele faça a sua mudança para uma equipe melhor que consiga valorizar o seu talento, posso afirmar que Felipe Nasr esta se saindo melhor que o seu companheiro de equipe que fez uma corrida apática e não consegue ”fazer milagres” como Nasr.

Até o GP da Alemanha do qual eu já sei toda a letra.

Ric-shot

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados