ColunistaFórmula 1Post

SÉRIE CIRCUITOS DA F1: Miami

Miami finalmente realiza o sonho de receber a F1 e prepara circuito de luxo para receber a categoria

A F1 anunciou que Miami iria receber a categoria em 2022. Mas a cidade já tem uma longa história em receber corridas em suas ruas.

Nos anos 1980, Ralph Sanchez foi o responsável por levar o automobilismo para a cidade. Em 1983, a IMSA fez sua estreia em um circuito de rua, algo que depois foi adotado pela categoria nos anos seguintes.

A primeira pista foi construída na região da Biscayne Boulevard, passando pelo Harbor de Bayfront Park, área central e turística da cidade. A corrida acabou sendo um fiasco devido à chuva, que interrompeu a prova depois de 27 voltas, mas o trabalho da organização garantiu a continuidade da corrida. Para fazer o público retornar, Sanchez tirou Emerson Fittipaldi da aposentadoria para participar da corrida. 

Pista de rua em Miami, que passava pelas principais ruas do centro da cidade. – Foto: divulgação

 

Em 1986, a IMSA teve que correr em outro circuito, por conta de obras de desenvolvimento no Bayfront Park. Boa parte da pista acabou ficando no Bicentennial Park, o que facilitou a construção dos boxes e paddock.

Reforma no local acabou levando as corridas para outra área. – Foto: divulgação

A categoria ficou no circuito até 1994, com a Trans-AM fazendo o último evento no circuito, que ainda viu uma única aparição da CART em 1995. Enquanto as corridas foram para Homestead-Miami Speedway, boa parte do antigo circuito acabou sendo destruído para a construção da American Airlines Arena. Mais tarde, outra parte do circuito desapareceria com a construção de dois museus no lugar. 

Nem tudo estava perdido para a região de Bayfront. Em 2002, a ChampCar e a ALMS fizeram um evento, usando parte da Biscayne Boulevard que fez parte do traçado original. A corrida da ChampCar teve a vitória do brasileiro Cristiano da Matta. Com a pista lenta e inadequada, as corridas não atraíram muito a atenção do público, mesmo com uma mudança no traçado feita em 2003. Por conta disso, as corridas foram para outras pistas em 2004. 

Em 2002, as corridas voltaram à região de Bayfront, mas o traçado não agradou. – Foto: divulgação
Para tentar melhorar a ação nas corridas, o traçado foi alterado. Mesmo assim, o descontentamento continuou e as categorias acabaram indo para outras pistas. – Foto: divulgação

Em 2015, a região central de Miami ganhou mais uma oportunidade, com a Formula E desembarcando na cidade em um traçado que rodeava a American Airlines Arena. Novamente problemas com a localização do circuito acabaram com a corrida na cidade. 

A Fórmula E também usou o centro de Miami como circuito, mas a pista só durou um ano. – Foto: divulgação

Durante todos esses anos, o objetivo de Miami era receber a F1 e em 2018, os promotores começaram a se mexer para fazer a corrida acontecer. A cidade começou recebendo um evento para a F1 e logo apresentou o traçado que seria usado nas corridas. A pista novamente ficaria localizada no centro, começando em Bayfront Park. Só que o desenho do traçado não agradou aos pilotos e muito menos aos moradores, que começaram a se opor à realização da corrida naquela área. 

Os protestos foram em vão, já que a Comissão da Cidade de Miami aprovou um acordo para receber a corrida por 10 anos, com a opção de extensão por mais dez e ainda sem pagar as taxas que a Liberty cobra dos circuitos. Claro que os demais circuitos não gostaram da isenção da taxa e juntando com a pressão dos moradores, a Comissão decidiu adiar a decisão final sobre a corrida. 

Vendo que fazer a corrida na área central de Miami, como era anos 1980, não ia dar certo, Stephen Ross, um dos promotores da corrida sugeriu construir a nova pista na área do Hard Rock Stadium, casa do time da NFL Miami Dolphins e que pertencia a ele. Com bastante espaço, graças aos amplos estacionamentos, a Apex, responsável por criar o traçado, passou dias analisando todas as possibilidades. No começo, os projetistas criaram 75 versões de traçado, que depois foram reduzidas para 36, que foram colocadas à teste em simuladores. 

Traçado escolhido, logo a realização da corrida começou a enfrentar problemas com os moradores. Uma parte do traçado passaria pela rua 199th e os moradores mostraram preocupação com o trânsito e barulho que a corrida causaria. 

Os moradores de Miami Gardens, local em que a pista seria construída, também entraram na justiça contra a prefeitura de Miami e o prefeito Carlos Giminez, por discriminação racial. O bairro de Miami Gardens tem uma população predominantemente preta, que foram sendo expulsos dos demais bairros até se alojarem na região, longe do centro da cidade e da região praiana, áreas que atraem mais turistas. E para não perturbar os moradores do bairro mais nobre do centro da cidade, a corrida estava sendo realizada em Miami Gardens, sem se importar com seus moradores, que não só eram contrários à realização da corrida, mas também foram contra a construção de estádios na região, como o que o jogador David Beckham planejava construir. 

Moradores de Miami Gardens protestam contra a realização da corrida. – Foto: divulgação

A pandemia de Covid-19 acabou atrasando a entrada de Miami no calendário e nesse meio tempo, o traçado foi revisado para que não passasse pela rua 199th. 

Traçado revisado para não passar na rua 199. – Foto: divulgação
Traçado de Miami, com 5,41 km de extensão, 19 curvas e 3 zonas de DRS. – Foto: divulgação

Além disso, Stephen Ross e o prefeito Rodney Harris fizeram um acordo, que destinaria 5 milhões de dólares nos próximos dez anos para os moradores e comerciantes locais, que teriam prioridade para se tornarem vencedores oficiais na corrida. Um programa para encorajar o estudo de matérias STEM (ciência, tecnologia, engenharia e matemática) também seria criado, oferecendo estágios remunerados na área para alunos do ensino médio e universidades. O circuito também se comprometeu em instalar barreiras para reduzir o som e monitorar a qualidade do ar durante o fim de semana de corrida. 

Em abril de 2021, o GP de Miami foi finalmente aprovado e um acordo foi assinado por dez anos, com a corrida prevista para o segundo trimestre de 2022. Com a corrida recebendo a luz verde, as obras começaram já com uma dificuldade. As obras do circuito não podiam atrapalhar o funcionamento do estádio e nem as obras do novo complexo de treinamento dos Dolphins. A rede de drenagem que já existia no local também foi uma dificuldade para os projetistas, já que ela teria que suportar o aumento no escoamento da água. 

Início das obras do circuito tiveram que respeitar o funcionamento do estádio. – Foto: divulgação

Não só a pista foi construída do zero, mas também as estruturas de arquibancadas, área de fãs e prédios administrativos. Assim como ocorre em alguns circuitos de rua, os boxes serão permanentes e foram concluídos em janeiro de 2022. 

Vista de parte da pista sendo construída ao redor do Hard Rock Stadium. – Foto: divulgação

O Miami International Autodrome, como foi batizado o circuito, terá 19 curvas de alta e baixa velocidade, com algumas elevações criadas no traçado. A pista ainda contará com 3 zonas de ativação de DSR. O Hard Rock Stadium ficará no centro da pista, com os boxes ficando na parte norte do estádio.

O Hard Rock Stadium fica no meio da pista e vai receber eventos de fãs e shows durante o fim de semana de corrida. – Foto: reprodução

O circuito também chamou a atenção pelo luxo. Uma praia artificial foi construída no circuito, com ingressos que custam 1000 dólares para ter acesso à areia ou 2000 dólares para ter acesso à piscina construída no local. Para quem quiser mais luxo, uma marina foi construída no local, patrocinada por empresas de iates, já que Miami é rodeada de água e é comum ver casas com marinas particulares pela cidade. Além disso, o circuito vai trazer diversos clubes e espaços de hospitalidade. Só a equipe McLaren já confirmou cerca de 1000 convidados para a corrida, incluindo muitas celebridades. Nem mesmo as arquibancadas escaparam dos preços altos, com o ingresso para o fim de semana chegando a custar mais de 1000 dólares. 

Na parte de alimentação, muitos dos espaços VIP contarão com Chefs vencedores do Prêmio James Beard (prêmio dado anualmente aos melhores chefs) e restaurantes de luxo. No total, os presentes no circuito terão mais de 30 opções, entre restaurantes e food trucks. Desse total, apenas 14 são de donos vindos de minorias. 

Praia artificial na curva 12 traz um pouco de Miami Beach para o circuito. O espaço também vai receber shows durante o fim de semana de corrida. – Foto: divulgação
Marina artificial, promovida por empresas de iates, que irão usar o espaço para promoverem seus produtos. – Foto: divulgação

Mesmo com as obras quase finalizadas e a corrida inaugural marcada para acontecer no dia 8 de maio de 2022, os moradores de Miami Gardens continuavam na Justiça, tentando barrar a realização da corrida por conta do barulho, que poderia causar danos à saúde dos moradores. Um estudo independente dizia que o som causado pelos carros de F1 poderiam chegar a 95 decibéis em casas a cerca de 4 km do circuito, o que seria semelhante ao barulho de uma serra elétrica. Em uma audiência feita um mês antes da corrida, o juiz responsável colocou o caso em recesso, dizendo que qualquer afirmação de dano era apenas especulação e sugeriu aos moradores que usassem tampões de ouvido ou saíssem de casa no momento da corrida. O processo ainda poderá ser retomado, depois da realização da primeira corrida, com os níveis de ruído sendo medidos.

Mostrar mais

Denise Vilche

Uma revista antiga sobre carros fez nascer uma paixão: a F1. Uma menina curiosa de oito anos queria saber quem eram aqueles tais de Senna, Piquet, Mansell e cia. que a revista mostrava em gráficos coloridos. E mais de 30 anos depois, essa menina, agora jornalista, continua mais apaixonada pela F1 do que nunca.

Deixe uma resposta

Artigos relacionados