ColunistaIndyPost

Scott McLaughlin segura Alex Palou e vence a etapa de St. Petersburg

Neozelandês dominou a maior parte da prova, mas teve que lutar com os retardatários e com o atual campeão da Fórmula Indy para vencer pela primeira vez na categoria

Assim como Daniel Ricciardo, Scott McLaughlin também celebrou seu triunfo com o “shoey” (Chris Jones/IndyCar)

A abertura da temporada 2022 da Fórmula Indy foi marcada pelo domínio de Scott McLaughlin. O piloto da Penske foi dominante no GP de St. Petersburg, na Flórida, largando na pole e liderando o maior número de voltas. Mas na parte final, sofreu pressão do espanhol Alex Palou, atual campeão da categoria. Mesmo assim, o neozelandês conseguiu segurar a pressão e conquistou sua primeira vitória na modalidade.

McLauglin aproveitou bem a largada e assumiu a ponta, assumindo boa vantagem no começo da prova para Colton Herta, da Andretti. Enquanto isso, Will Power, que partiu em segundo, teve dificuldades no começo com os pneus duros, mas conseguiu reagir e chegou ao segundo posto, mostrando que os compostos mais resistentes teriam um rendimento melhor.

Desde a largada, o neozelandês foi o carro dominante do grid (Joe Skibinski/IndyCar)

Do meio para trás, alguns pilotos anteciparam a parada nos boxes, buscando uma estratégia diferente, como Scott Dixon, Josef Newgarden, Pato O’Ward, Hélio Castroneves, entre outros.

Na volta 25, o estreante David Malukas perdeu o controle e bateu nos dois muros, causando a única bandeira amarela da prova. Com isso, os líderes foram para os boxes e as estratégias se misturaram.

Alexander Rossi optou por não parar, na tentativa de estender o máximo sua janela, mas o piloto da Andretti acabou preso no tráfego e acabou caindo para o fim do pelotão. Com isso, Dixon assumiu a ponta e abriu boa vantagem para O’Ward e foi o que melhor ficou posicionado na estratégia.

O hexacampeão da Indy tentou abrir o máximo do resto do pelotão para se posicionar melhor. Mas, como precisou parar mais uma vez em relação ao grupo de McLaughlin, o piloto da Ganassi acabou ficando em oitavo.

Scott Dixon liderou a turma da estratégia de três paradas, mas não foi o suficiente para brigar pela vitória (Joe Skibinski/IndyCar)

Desta forma, o neozelandês da Penske conseguiu a melhor estratégia e se estabeleceu na ponta, quase sem ser ameaçado ao longo da corrida. No entanto, Alex Palou conseguiu escalar o pelotão com o bom trabalho de boxes e algumas ultrapassagens em momentos chave, assumindo a segunda posição.

Nas voltas finais, os retardatários começaram a complicar a vida de McLaughlin. Primeiro foi Jimmie Johnson, que tentou dar uma força ao companheiro de equipe para entrar na briga pela liderança. Na sequência, foi a vez do estreante Delvin DeFrancesco a não ceder a passagem ao neozelandês.

Com isso, Palou encostou em McLaughlin e buscou um espaço para buscar a vitória. Todavia, a dificuldade de se passar na pista de St. Petersburg, aliada ao equilíbrio do uso de push-to-pass, não permitiram o último ataque do espanhol e, com isso, o neozelandês pôde celebrar sua primeira vitória na Fórmula Indy.

A estreia de Hélio Castroneves foi em um discreto 14º lugar – Foto: reprodução

Representante brasileiro da prova, Hélio Castroneves teve uma participação discreta. Sem um carro plenamente competitivo, o tetracampeão das 500 Milhas de Indianápolis chegou a mudar de estratégia para avançar, mas não foi além do 14º lugar. Ainda assim, chegou à frente do companheiro de Meyer Shank, Simon Pagenaud, que estreava na equipe.

A próxima etapa da Fórmula Indy será no dia 20 de março, com a primeira corrida em circuito oval no ano, que será realizado no Texas Motor Speedway.

Classificação do GP de St. Petersburg:

Clique para acessar o indycar-race-results.pdf

Mostrar mais

Eduardo Casola

Jornalista formado na Universidade de Sorocaba (Uniso) e apaixonado por esporte a motor desde quando se conhece por gente. Apenas um rapaz que gosta de uma boa corrida e de uma boa história!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados