ColunistasDestaquesNascar BrasilPost

NASCAR Brasil anuncia mudanças para temporada 2024

Categoria terá duas classes neste ano todas as sessões classificatórias serão com Super Pole em todas as etapas, além de aproximar a dinâmica da disputa à matriz

A NASCAR Brasil está recheada de reformulações para a temporada 2024. A primeira das oito etapas dará largada neste final de semana, 17 de março, com a estreia da categoria na pista do Autódromo Internacional Orlando Moura, em Campo Grande (MS). Sem repetir nenhuma praça, o campeonato passará por oito circuitos brasileiros e vai encerrar com uma grande novidade a ser anunciada nos próximos dias. Entre as principais atrações, estão as novas divisões de pilotos e o sistema de pontuação e descarte, bem como o agrupamento de pilotos em equipes.

O grid terá uma subdivisão, a qual será chamada de NASCAR Challenge. Esta classe reúne pilotos ou duplas sem títulos na classe PRO nos anos anteriores dentro da próxima categoria, e pilotos vindos do kartismo, sem títulos nacionais nas categorias graduados e shifter graduados. Em ambas as divisões, os Rookies (pilotos estreantes) também serão segmentados e premiados. Os dois campeões (um por divisão) do campeonato Overall serão laureados na cerimônia de premiação da NASCAR Awards nos Estados Unidos, a cada temporada.

Outra novidade se encontra na Super Pole, que estará presente em todas as etapas do calendário do Campeonato Brasil da categoria. Neste classificatório especial só participam os seis pilotos que melhor performaram no classificatório e valerá para as seis primeiras posições no grid da segunda corrida. Além disso, estes competidores somam pontos na tabela de classificação geral, individualmente, conforme sua posição ao final desta especial, seguindo a seguinte tabela: 1º colocado – 05 pontos; 2º colocado – 04 pontos; 2º colocado – 04 pontos; 3º colocado – 03 pontos; 4º colocado – 02 pontos; 2º colocado – 01 ponto, e o 6º colocado não pontua.

Em todas as provas da temporada, os seis melhores pilotos da classificação disputam a Super Pole (Luciano Santos/SigCom)

Com isso, o treino classificatório passa a ter a seguinte dinâmica: duas tomadas de tempo de 10 minutos com todos os veículos concorrendo no mesmo instante na pista. Na sequência, é disputado o Super Pole com mais cinco minutos de box aberto, e, no caso de carro formado por duplas, não haverá obrigatoriedade na escolha do piloto.

O regulamento para descartes também sofreu alterações. Agora, na soma total de pontos, que englobam a tabela Overall, haverá apenas o corte do pior resultado no torneio Special Edition (duas etapas – sendo a pontuação dos dois classificatórios, mais as das seis corridas) e outro no campeonato Brasil (cinco etapas – somando a pontuação das Super Poles e das 10 corridas). Logo, será descartado o pior resultado de cada piloto, ou pilotos, quando participarem em dupla. As pontuações da oitava e última etapa (do classificatório, da Super Pole e das duas corridas), não entram neste critério de corte e, logo, não são descartáveis.

Os pilotos também serão agrupados em equipes, a partir desta temporada. Além de participar dos ajustes das barras estabilizadoras, distribuição de freios, calibragens e asa traseira, agora os competidores também poderão afinar a carga das molas, o que não era permitido em outras edições.

Aos Rookies serão concedidos alguns benefícios. O primeiro deles se refere ao “Boost”. Estes terão direito a acionar o botão, que aumenta a potência do motor por alguns segundos, duas vezes por corrida. Estes também terão a oportunidade de eventualmente, conforme orientação da organização da prova, de participar de treinos extras.

As regras praticadas na NASCAR americana e adotadas pela NASCAR Brasil serão mantidas para a temporada 2024. São elas:

  • Largadas em fila indiana dupla: tanto no início das provas, como nas relargadas após o Safety Car, serão realizadas neste formato e em movimento;
  • Free Pass (Lucky Dog):benefício concedido, quando autorizado pelo diretor de prova, ao primeiro retardatário que não estiver na mesma volta que o líder, e que o possibilita a ser reposicionado no último lugar do pelotão dos primeiros colocados dentro daquela mesma volta. O procedimento é aplicado uma vez por corrida, quando acionado o Safety Car, e cabe às autoridades da prova coordenar com a cronometragem o novo posicionamento deste piloto.
  • Não finalizar em Safety Car: as provas, previstas para terem duração de 25 minutos mais uma volta, poderão ser esticadas em até duas voltas, haverá autonomia ao diretor de prova para estender a corrida em uma ou duas voltas.
  • Provas diferenciadas – No calendário deste ano serão mantidas as atrações que já fazem parte da história e tradição da categoria. Como a “#GuestRace”, que voltou na temporada passada, depois de três anos, com a participação de Paul Tracy e, neste deve contar com a participação de um dos competidores da NASCAR Internacional para compor o grid junto com os demais titulares.

Outra prova que ganhará destaque e entrará para o calendário é a “#100miles” em Cascavel (PR). Outras etapas especiais que foram consagradas na categoria em seus treze anos de existência, estarão presentes na NASCAR Brasil. Entre elas, a “#InverseRace”, com grid invertido para os oito primeiros; a tradicionalíssima “#NightChallenge”, corrida noturna; além da decisiva “#MatchPoint”.

Intercâmbios – A troca de conhecimento entre brasileiros e americanos é outro destaque mantido no evento. Jovens pilotos entre 16 a 22 anos são selecionados para participar do programa “Drive for Development” da NASCAR Academy Internacional Driver. A super-seletiva pode premiar o vencedor com uma temporada completa em uma das categorias de base da NASCAR Internacional. Neste ano, parte deste programa, envolvendo um grupo de pilotos da NASCAR Brasil, aconteceu entre os dias 9 e 17 de fevereiro, nos Estados Unidos, junto com a programação do Daytona 500. Na oportunidade única, a agenda da delegação incluiu testes num carro NASCAR Cup Series, no circuito de New Smyrna, na Flórida.

O programa de intercâmbio também prevê troca de experiência comercial, na área de marketing, técnica e desportiva entre as equipes brasileiras e times americanos. Essa possibilidade também será estendida aos patrocinadores dos pilotos para participarem de eventos da própria NASCAR, nos Estados Unidos.

Dentro destes planos, pilotos da NASCAR Brasil serão selecionados para participar do E-NASCAR Internacional, o campeonato oficial de E-Sports da categoria. Na edição do ano passado, o nosso representante Jeff Giassi sagrou-se vice-campeão do torneio e arrecadou U$2,500.00 em Cash.

Fonte: NASCAR Brasil/SigCom

Mostrar mais

Deixe uma resposta

Botão Voltar ao topo