ColunistaFórmula 1Post

Ferrari começa ano com dobradinha, Leclerc vence e dupla da Red Bull abandona no final do GP do Bahrein

Leclerc abre temporada 2022 com vitória, acompanhado por Carlos Sainz. Red Bull fecha primeira corrida do ano com abandono

A temporada começa de forma animadora para a Ferrari, o time italiano fechou o GP do Bahrein neste domingo (20) com dobradinha. Obviamente era a equipe que despertava mais curiosidade e de fato mostraram muito ritmo na corrida e consistência – mas é apenas o começo.

Charles Leclerc iniciou a prova na pole, mas travou uma disputa importante com Max Verstappen depois que as paradas tiveram início. Ao final da corrida, nos deparamos com um final muito movimentado em decorrência do Safety Car, um jogo de estratégias se iniciou, Leclerc instalou pneus macios, para se defender de possíveis ataques de Verstappen. O monegasco conservou a ponta, Sainz atacou o holandês e instantes depois viu Verstappen abandonar a corrida com problemas. Sergio Pérez poderia representar o time austríaco no pódio, mas também se viu abandonando a corrida.

Sobrou para Lewis Hamilton o pódio. A Mercedes fez as estratégias mais variadas, durante a corrida, pois não encontrava nenhum ritmo. Entretanto, o time alemão consegue começar o ano no segundo lugar do campeonato de construtores pelo resultado obtido, pois George Russell esteve no quarto lugar.

Kevin Magnussen obteve um P5 na primeira corrida do ano, um ótimo resultado para a Haas. Valtteri Bottas fez uma prova de recuperação e com uma boa estratégia da Alfa Romeo, voltou para a zona de pontuação, encerrando a prova no sexto lugar. Esteban Ocon foi o sétimo colocado, seguido por Yuki Tsunoda, Fernando Alonso e Guanyu Zhou.

Apenas Pérez, Verstappen e Gasly não completaram a prova.

Confira como foi o desenvolvimento do GP do Bahrein

O grid para o primeiro GP do ano ficou definido desta forma, com Charles Leclerc obtendo a pole depois de duelar com Max Verstappen pela primeira posição. Os carros da Red Bull e Ferrari se mostravam superiores quando comparado com os outros carros do grid em ritmo de classificação.

A Pirelli apostava em uma corrida com duas paradas mesmo oferecendo os pneus mais duros da gama. A fornecedora de pneus apostava em uma largada onde o grid utilizaria os pneus vermelhos.

Apenas a McLaren optou pelos pneus médios (C2) novos para o início da prova, todos os outros competidores começaram a corrida com os pneus macios (C3). Leclerc, Magnussen, Ocon, Schumacher, Albon, Zhou, Tsunoda, Hülkenberg, Stroll e Latifi usavam conjuntos de pneus macios novos.

Leclerc largou bem, fechando o Verstappen, Sainz tentou pressionar Verstappenm mas se manteve na terceira posição. Hamilton saltou para o quarto lugar, com Magnussen em quinto, enquanto Valtteri Bottas despencou e caiu para a décima quarta posição. Zhou também fez uma largada bem ruim e foi parar na décima nona posição, seguido por Daniel Ricciardo que era o último colocado. No primeiro giro Schumacher foi tocado por Ocon na curva 6, fazendo o piloto da Haas rodar.

Durante a segunda volta, os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Sainz, Hamilton, Magnussen, Pérez, Russell, Gasly, Alonso e Ocon. Leclerc tinha se estabelecido na liderança com mais de um segundo de vantagem para Verstappen. Enquanto Hamilton estava se defendendo dos ataques de Magnussen. Mas no começo da terceira volta o piloto da Haas cometeu um erro, fritando os compostos dianteiros, quando retornou para a pista se deparou com uma disputa com Pérez, os pilotos andaram lado a lado e o mexicano assumiu o quinto lugar.

No quinto giro, Magnussen foi ultrapassado por Russell, o carro da Haas estava perdendo performance. Zhou que tinha caído para a última posição, chegou em Schumacher, disputando a décima quarta posição. Além disso, se aproximava do companheiro de equipe. Ocon foi punido com cinco segundos pelo toque com Schumacher.

Durante a nona volta, Bottas estava em uma disputa com Albon, tentando negociar um espaço na pista para ficar com o décimo segundo lugar. Zhou passou a pressionar o piloto da Williams, buscando a ultrapassagem. No giro seguinte foi a vez de Hülkeberg errar a freada e ser ultrapassado por Schumacher e Stroll, para ocupar o décimo sétimo lugar. A Mercedes não encontrava ritmo, para se aproximar dos primeiros colocados, neste instante da prova Hamilton foi ultrapassado por Pérez e Zhou ganhou a posição de Albon.

Desde o começo da corrida, Verstappen reclamava da falta de tração no carro, o holandês já estava separado por mais de três segundos de Leclerc. Hamilton e Alonso foram para os boxes na décima segunda volta, o piloto inglês estava com os compostos duros instalados, mas retornou para a pista com pouca aderência por conta da temperatura dos compostos. Hamilton esperou um pouco para recuperar a performance e ultrapassou Zhou na volta treze.

Como a primeira janela de paradas tinha começado, vários pilotos foram para os boxes na décima quinta volta: Verstappen, Sainz, Magnussen, Gasly, Ocon, Bottas e Latifi substituíram os seus pneus. O holandês da Red Bull e o espanhol da Ferrari, tinham instalado um novo jogo de pneus macios.

Leclerc foi devolvido à pista em cima de Verstappen, mas o monegasco logo de recuperou, tentando estabelecer uma distância para o rival. Sainz estava à 8 segundo atrás de Verstappen. No início da volta dezessete, Verstappen usou o DRS para ultrapassar o monegasco, mas Leclerc também teve o direito de usar a asa móvel, assim retomou a liderança da corrida, tentando abrir alguma distância.

A briga não tinha parado por aí, portanto na volta dezoito, Verstappen tentou mais uma vez para conseguir a liderança. Conforme as voltas avançavam, a distância entre Leclerc e Verstappen aumentava, mas o carro da Red Bull apresentava muita velocidade na reta. Entretanto, na volta 20, Verstappen cometeu um erro, fritou o pneu dianteiro direito e assim recuou para a segunda posição, não atacando mais Leclerc.

A McLaren de Norris se tornou um alvo fácil, o piloto era ultrapassado, pois os rivais já estavam com compostos mais novos. Norris era P15, enquanto Ricciardo ocupava apenas o décimo nono lugar. Os últimos carros do grid tinham o motor eram equipados com o motor Mercedes.

Próximo da metade da corrida, a prova ficava um pouco mais parada, mas ainda existia a disputa entre Ocon e Alonso, Bottas e Tsunoda. Norris foi para os boxes na volta 26, retornando com os pneus duros. Alonso se encaminhou para a segunda pit-stop, retornando em décimo quinto, com pneus duros novos. Desta forma tivemos o início da segunda rodada de paradas. Hamilton foi aos boxes na volta 28, trocando os pneus duros, por compostos médios, o inglês passou para a oitava colocação.

Durante a volta 30, os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Sainz, Pérez, Russell, Magnussen, Gasly, Hamilton, Ocon, Tsunoda. Portanto na volta 31, Verstappen substituiu o seu pneu macio, por um novo composto médio, portanto Leclerc respondeu a parada da Red Bull e com a mesma estratégia, apostou nos compostos de faixa amarela. O monegasco foi devolvido mais uma vez à frente de Verstappen.

Na volta 34, Pérez esteve perto de roubar a terceira posição da Ferrari, se não fosse pela boa parada realizada no carro de Sainz.

A dupla da Alfa Romeo aparecia ocupando o sétimo e o oitavo lugar com Bottas e Zhou, mas a equipe não tinha realizado uma segunda parada até a volta 36. Magnussen chamava a atenção na prova por estar realizando ultrapassagens e vários ataques.

Restando quinze voltas para o final, os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Sainz, Pérez, Hamilton, Russell, Magnussen, Gasly, Ocon e Tsunoda. Norris fez a terceira parada, para usar os pneus macios, mas retornou para a última posição.

A Red Bull parou Verstappen e Pérez mais uma vez. Sainz também partiu para a segunda parada, mas retornou à frente de Pérez. Hamilton instalou os compostos macios para as últimas 11 voltas da corrida.

O carro de Pierre Gasly começou a pegar fogo depois de perder performance, o francês abandonou a corrida. O Safety Car foi acionado na volta 46. Leclerc que provavelmente não faria outra parada, foi chamado para os boxes e instalou outro jogo de pneus macios para não sofrer com os médios na relargada. Os pilotos retardatários foram autorizados a retornar a posição do líder.

O Safety Car deixou a pista na volta 51, Leclerc teve uma boa largada e Sainz incomodou Verstappen, buscando o segundo lugar. Pérez ficava distante do terceiro colocado, conservando a quarta posição. Restou para Zhou disputar com Schumacher o décimo segundo lugar, o piloto da Alfa Romeo estava com compostos mais novos que os do rival da Haas – era praticamente uma briga de pilotos da Fórmula 2.

Na volta 53, Zhou concluiu a ultrapassagem. Tsunoda atacava Ocon, buscando a nona posição.

Tivemos uma surpresa ao final da prova, Sainz ultrapassou Verstappen, pouco depois o holandês seguiu para os boxes para abandonar a corrida. O piloto da Red Bull estava enfrentando problemas desde o início da corrida.

Hamilton tinha a oportunidade de estar no pódio, o inglês andava à menos de 0s600 do mexicano. Neste mesmo instante, Pérez informava que estava perdendo potência.

Pérez perdeu o controle do carro e abandonou a corrida na última prova. Hamilton se aproveitou para estar no pódio, conseguindo o terceiro lugar. Desta forma, os dois carros da Red Bull não terminaram a corrida. Kevin Magnunssen completou o Top-5.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados