ColunistaNascarPost

Em final polêmico, Ryan Blaney vence o All Star Race no Texas

Com regulamento diferente do habitual, piloto da Penske quase foi prejudicado, mas conquistou a vitória na tumultuada corrida festiva da NASCAR Cup Series

Ryan Blaney tomou um susto, mas levou o prêmio milionário (Jared C. Tilton/Getty Images)

O que deveria ter sido uma corrida festiva no Texas Motor Speedway acabou se tornando uma das provas mais polêmicas da NASCAR Cup Series em 2022. A “Corrida das Estrelas” da divisão principal, evento que não conta para o campeonato, mas que premia o vencedor com 1 milhão de dólares, foi vencida por Ryan Blaney, mas o triunfo do piloto da Penske veio após uma série de decisões polêmicas no final da prova.

A corrida não foi das mais movimentadas, com os principais momentos ocorrendo no segundo dos quatro estágios programados. O segmento foi marcado por problemas de pneus que afetaram alguns dos favoritos à vitória no Texas.

O primeiro a ter problemas com os pneus foi Kyle Larson. O atual campeão da categoria e vencedor do All Star do ano passado bateu forte após um de seus pneus estourar no meio da curva. O piloto da Hendrick ainda conseguiu levar seu carro para os boxes, mas o estrago era grande demais para arrumar.

Pouco depois, o acidente mais forte da corrida: Kyle Busch liderava a prova desde o começo, mas teve um furo de pneu e perdeu rendimento, Ross Chastain não conseguiu desviar a tempo e atingiu o Toyota Camry de Buschinho em alta velocidade. O Chevrolet Camaro número 1 chegou a sair do chão e partiu desgovernado até atingir o carro de Chase Elliott antes de acertar o muro. Apesar do forte impacto, nenhum dos pilotos envolvidos se machucou.

Com quatro dos favoritos ficando pelo caminho, os carros da Penske assumiram o controle da disputa, especialmente com Ryan Blaney, que liderou a maior parte da prova desde o fim do segundo estágio até a bandeirada… ou quase.

Na última volta, Blaney liderava tranquilo sem ser ameaçado por ninguém, mas na última volta, quando o piloto da Penske já estava na reta de chegada, a bandeira amarela foi acionada, quando Ricky Stenhouse Jr acertou o muro.

Geralmente, a prorrogação só é acionada na NASCAR quando o acidente acontece antes da última volta. Se a bandeira amarela acontece durante a bandeira branca, a prova é encerrada deste modo. Porém, a categoria havia decidido que haveria prorrogação mesmo se estivesse na bandeira branca.

A decisão confundiu não só o público e os jornalistas que cobriam a prova no mundo todo, como também a própria equipe Penske e o próprio piloto. Blaney chegou a tirar a rede de proteção da janela para celebrar, mas teve que recolocá-la de qualquer jeito, pois a prova continuaria por mais duas voltas. Houve quem reclamasse, pois seria uma violação das normas de segurança da NASCAR, mas o piloto do Ford Mustang número 12 pôde relargar na ponta.

Apesar disso, Blaney manteve a ponta na relargada e conseguiu manter a liderança até a verdadeira bandeirada final, vencendo o All Star Race e faturando o milhão.

A próxima corrida da NASCAR Cup Series será no próximo domingo, com a tradicional 600 Milhas de Charlotte, a prova mais longa do calendário e que complementa o super fim de semana da velocidade do fim de maio.

Top-10 do All Star Race, no Texas:

1 – Ryan Blaney (Penske/Ford)
2 – Denny Hamlin (Joe Gibbs/Toyota)
3 – Austin Cindric (Penske/Ford)
4 – Joey Logano (Penske/Ford)
5 – Daniel Suarez (Trackhouse/Chevrolet)
6 – Alex Bowman (Hendrick/Chevrolet)
7 – AJ Allmendinger (Kaulig/Chevrolet)
8 – Chris Buescher (RFK/Ford)
9 – Brad Keselowski (RFK/Ford)
10 – Christopher Bell (Joe Gibbs/Toyota)

Mostrar mais

Eduardo Casola

Jornalista formado na Universidade de Sorocaba (Uniso) e apaixonado por esporte a motor desde quando se conhece por gente. Apenas um rapaz que gosta de uma boa corrida e de uma boa história!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados