Uma nova maneira de deslizar pelo asfalto

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Por: Carlos Eduardo Valesi

lll Série 365: 18 de Abril – Uma nova maneira de deslizar pelo asfalto – 02ª Temporada: dia 331 de 365 dias.

Montjuic é o nome de uma colina onde nasceu a cidade de Barcelona, e há certa controvérsia sobre a origem do seu nome. Enquanto alguns defendem que deriva do catalão medieval e significa Monte dos Judeus, outros dizem que a palavra é uma corruptela do latim para Monte de Júpiter. Independentemente de quem seja o dono do morro, um dia acharam que suas ruas estreitas seriam um bom traçado para carros a toda velocidade. E Montjuic virou circuito da Fórmula 1.

Montjuic: se fosse fácil, a gente nem lembrava.
Fonte: Car Throttle

Em 1971, seis semanas após o início do campeonato na África do Sul, pilotos e equipes desembarcaram na cidade espanhola à beira do Mediterrâneo para a segunda prova da temporada. O traçado do circuito era bastante travado, e em nenhum dos seus 3,79 km havia espaço para erros. Era uma pista frequentemente comparada à Mônaco, desafiadora, apertada e perigosa, só que logo atrás das barreiras não haviam cassinos e hotéis, e sim árvores.

Os Favoritos.
Fonte: Motorsport Images

A Ferrari vinha de vitória em Kyalami e alinhava com três pilotos: Mario Andretti, Clay Regazzoni e Jacky Ickx. Também três eram os pilotos da BRM: Pedro Rodriguez, Jo Siffert e Howden Ganley. Na turma com dois carros tínhamos a Brabham (Graham Hill e Tim Schenken), a Surtees (com o dono e Rolf Stommelen, que quatro anos depois sofreria um acidente terrível neste circuito, interditando-o para sempre), a McLaren (Dennis Hulme e Peter Gethin), a Lotus (Emerson Fittipaldi e Reine Wissell), a Tyrrell (Jackie Stewart e Francois Cevért), a Matra (Chris Amon e Jean-Pierre Beltoise) e a March (Ronnie Peterson e Alexander Soler-Roig). Haviam outros dois chassis March na turma, mas estes eram do time de Frank Williams, com Henri Pescarolo a bordo, e da Alfa-Romeo, pilotado por Andrea de Adamich.

Dos vinte e dois pilotos, 8 (o pessoal da Ferrari, da BRM e da Matra) estavam com motores V12, e na classificação esta se mostrou a força a ser batida. Dos dez mais rápidos, apenas Stewart (4º colocado), Gethin (7º) e Hulme (9º) usavam o V8 da Cosworth. Tudo indicava que a prova seria uma repetição do GP sul-africano, inclusive o domínio ferrarista, já que Ickx e Regazzoni fecharam as duas primeiras posições. Amon completava a primeira fila, com Pedro Rodriguez ao lado do escocês da Tyrrell na segunda, e Beltoise e Andretti ladeando a McLaren na terceira.

Jackie em busca do seu segundo título.
Fonte: Reddit

Na largada, enquanto o belga da Ferrari mantinha a ponta, Stewart se jogava e ganhava a segunda posição, partindo em uma perseguição implacável. Os dois usavam cada espaço disponível, com Jackie forçando a ultrapassagem sem piedade, até conseguir se ver à frente na sexta volta. Ganhou a posição, mas nem um pouco de tranquilidade. Foi a vez de Ickx pressionar e passar o tempo inteiro colado à traseira da Tyrrell. Eles subiam a montanha, descolavam do chão ao final da ladeira, faziam as curvas no (e um pouco além do) limite e então mergulhavam de novo morro abaixo, uma volta atrás da outra, para delírio da multidão que via tudo à beira do asfalto. Stewart estava sendo obrigado a fazer uma pilotagem sem a mínima margem para falhas, e estava correspondendo. Por mais que tentasse se livrar da Ferrari enquanto passava os retardatários (alguns tomaram mais de uma volta), quando olhava no retrovisor o capacete negro de Jack estava logo atrás, mas perto da metade da corrida a resistência parecia ter dado resultado, e volta a volta a distância entre os dois foi começando a ser construída, até chegar a um intervalo de 9 segundo. Só que a partir daí Ickx ganhou um novo fôlego, e com uma Ferrari mais equilibrada e um motor mais potente empurrando o carro, agora mais leve pelo consumo de combustível, começou novamente a se aproximar até ver o carro azul crescer à sua frente e não desaparecer mais de vista quando fazia uma das várias curvas fechadas do traçado. Mas o campeão de 69 fazia melhor volta atrás de melhor volta, e não perdia tempo ao encontrar os carros mais lentos à frente. Foi uma apresentação perfeita de Jackie Stewart que o levou à vitória naquele 18 de abril.

Uma batalha memorável, que eclipsou totalmente o resto do grid. Para não dizer que não falamos neles, saibam que Regazzoni teve um problema de motor que o tirou da prova na volta 13, enquanto a Ferrari de Andretti, com um vazamento na bomba de combustível, encostou nos boxes com labaredas ativas, e tanto o carro quanto o piloto foram cobertos por espuma de extintor de incêndio no melhor estilo A Turma do Didi. Emerson também abandonou da volta 54 de 75 com uma suspensão quebrada e entre os que terminaram o top 6 foi completado com Chris Amon no degrau mais baixo do pódio, logo à frente de Pedro Rodriguez, Denny Hulme e Beltoise.

E, apesar da brilhante luta pela vitória, o motivo mais forte para esta prova figurar entre os dias mais importantes do automobilismo vem agora, e estava na borracha: 14 dos participantes, os que eram calçados com pneus Firestone, usavam pela primeira vez na história da Fórmula 1 um composto totalmente liso, que ficou conhecido como pneu slick (liso, em inglês). A tecnologia para produção de pneus sem ranhuras de competição já existia desde o início da década de 50, mas estava confinada a provas curtas, de dragsters, devido à alta taxa de decomposição dos pneus da época. Para durar uma prova com mais de 200 km a borracha teria que ser tão dura que a perda de eficiência impossibilitaria seu uso. Foi só no início da década de 70 que os compostos com borracha macia mais duráveis foram desenvolvidos, e seu emprego na categoria máxima do automobilismo era a vitrine ideal. Apesar da Tyrrell vencedora naquele dia utilizar a Goodyear, o desempenho dos slicks (que, com maior área de contato entre o asfalto e sua banda de rolagem propiciavam uma maior tração e um aumento de velocidade considerável) logo os credenciaria como a escolha ideal para competições. Eles foram banidos entre 1998 e 2008, quando a FIA obrigou os times a utilizar compostos com ranhuras circunferenciais a fim de reduzir a velocidade nas curvas, porém na temporada de 2009 as gomas completamente lisas voltaram à ativa, e hoje só saem de cena quando São Pedro assim decide.

Fonte: Pinterest

lll FORA DAS PISTAS

Apesar de a BBC ter anunciado em seu jornal da noite de 18 de abril de 1930 que “não há notícias”, em outros anos muita coisa legal aconteceu: em 1506 começou a construção da Basílica de São Pedro, em Roma, em 1857 Allan Kardec publicou seu “Le Livre des Esprits” e deu início ao espiritismo e em 1923 o  Yankee Stadium, a casa de Babe Ruth, foi inaugurado, só para ficar no tema religião.

Nasceram nesta data o único campeão póstumo da Fórmula 1, Jochen Rindt, o ator James Woods, o décimo Doutor David Tennant (inclusão obrigatória de acordo com os editores do portal) e o mestre Monteiro Lobato, que foi um dos grandes responsáveis pelo meu amor ao livros.

E, nesta data, em 2015, o Green Day foi introduzido no Hall da Fama do Rock and Roll. Coincidentemente nesta semana, no grupo dos apoiadores do BP, discutíamos qual a melhor música dos caras. Como sou mais esperto que eles, vou aproveitar o ataque de oportunidade e deixar vocês com a minha escolha.

lll A Série 365 Dias Mais Importantes do Automobilismo, recordaremos corridas inesquecíveis, títulos emocionantes, acidentes trágicos, recordes e feitos inéditos através dos 365 dias mais importantes do automobilismo.

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Carlos Eduardo Valesi

Velho demais para ter a pretensão de ser levado a sério, Valesi segue a Fórmula 1 desde 1987, mas sabe que isso não significa p* nenhuma pois desde meados da década de 90 vê as corridas acompanhado pelo seu amigo Jack Daniels. Ferrarista fanático, jura (embora não acredite) que isto não influencia na sua opinião de que Schumacher foi o melhor de todos, o que obviamente já o colocou em confusão. Encontrado facilmente no Setor A de Interlagos e na sua conta no Tweeter @cevalesi, mas não vai aceitar sua solicitação nas outras redes sociais porque também não é assim tão fácil. Paga no máximo 40 mangos numa foto do Button cometendo um crime.