O final da Epopeia Lauda Vs. Hunt – Dia 156 dos 365 dias mais importantes da história do automobilismo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

A história é bem conhecida pelos cabeças de gasolina. O imaginário sobre aquele chuvoso 24 de outubro de 1976 aos pés do Monte Fuji, no Japão, está na memória mesmo de quem nem era nascido naquele dia. Os acontecimentos daquela contenda já tiveram diversos registros, em jornais, revistas, livros e até em filme, seja documentário, seja obra hollywoodiana. O fato é que os eventos daquele dia mexem até hoje com as emoções do fã de velocidade.

A corrida realizada pela primeira vez em solo japonês foi cheia de fatos curiosos: Mario Andretti venceu com uma das maiores vantagens da história, com mais de uma volta sobre o segundo colocado. Além disso, o ítalo-americano encerrou um tabu de dois anos sem vitórias da Lotus.

Kojima Racing Fonte: statsf1.com

Outra efeméride ficou por conta de Masahiro Hasemi, da equipe Kojima Racing. A única participação, tanto do piloto como da equipe, foi marcada pelo desempenho surpreendente dos japoneses. Além de se classificar em décimo no grid de largada, o japonês registrou a melhor volta da prova, com o tempo de 1:18.230. Na verdade, foi considerado um erro na marcação da cronometragem e que a volta mais rápida teria sido da Ligier de Jacques Laffite, mas até mesmo os alfarrábios atuais registram a marca do piloto e da escuderia da Terra do Sol Nascente.

A partir de agora, vamos falar dos protagonistas. Niki Lauda e James Hunt eram os postulantes ao título da temporada de 1976. O austríaco, campeão do ano anterior, começou dominante àquela temporada, mas após o terrível acidente em Nurburgring, que o deixou quase um mês no hospital, voltou às pistas enquanto ainda se recuperava dos ferimentos, apresentando dificuldades para retomar o ritmo anterior. O inglês aproveitou a oportunidade e conseguiu descontar a diferença do campeonato para apenas três pontos. As chances de título se resumiam à seguinte situação:

Lauda (68 pts) precisava:

Hunt (65 pts) precisava:

Terminar a frente de Hunt

Vencer

3º com Hunt 2º

2º com Lauda de 4º para baixo

4º ou 5º com Hunt de 3º para baixo

3º com Lauda de 6º para baixo

6º com Hunt de 4º para baixo

4º com Lauda fora da zona de pontos

Sem pontuar com Hunt chegando de 5º para baixo

Hunt tinha a vantagem do empate por ter uma vitória a mais (6 a 5)

Largada Japão 1976 Fonte: gps.gpexpert.com.br

A formação do grid de largada até favoreceu Lauda, com o ferrarista largando em terceiro, enquanto Hunt era segundo, atrás de Andretti. Porém, as condições de chuva embaralhavam as cartas de um modo que tornaria aquela decisão imprevisível.

Largada Tyrrell largada Japão 1976 Fonte: gps.gpexpert.com.br

Hunt aproveitou bem a oportunidade e tomou a ponta na largada, sumindo na frente. Já Lauda tinha muitas dificuldades em manter o carro na pista. Sem nenhuma estabilidade, a Ferrari era facilmente superada pelos demais competidores. As condições de visibilidade e de aderência eram perigosas demais e, para quem ainda convalescia de um grave acidente, a situação era ainda pior.

Lauda Japão 1976 Fonte: gps.gpexpert.com.br

Após apenas duas voltas, não dava mais para segurar. Lauda encostou nos boxes e deixou o carro. A corrida para ele acabava naquele instante. Para a mídia e alguns críticos o gesto era paura (medo em italiano), mas numa época em que era comum morrer nas pistas, Lauda pensou em preservar seu bem-estar “A minha vida vale mais do que um título”, foram as palavras do austríaco ao ser questionado sobre o forfait. Vale lembrar que o ferrarista não foi o único a abdicar pela insalubridade: o australiano Larry Perkins e a dupla brasileira Emerson Fittipaldi e José Carlos Pace também se retiraram pela mesma razão.

Hunt Japão 1976 Fonte: gps.gpexpert.com.br

Já Hunt estava disposto a seguir em frente, independente das condições de pista. O inglês dominou a prova por boa parte do tempo e rumava firme para um título que parecia improvável antes da metade do campeonato.

No entanto, as coisas começaram a dar errado para o piloto da McLaren. À medida em que a pista secava com a melhora das condições meteorológicas, os desgastes dos pneus atingiam um nível crítico, afetando o rendimento do bólido de Hunt. O inglês não conseguiu segurar a Tyrrell de Patrick Depailler e a Lotus de Andretti, caindo para terceiro na volta 62 das 73 previstas.

A sorte parecia sorrir para Hunt quando Depailler teve um pneu furado e precisou parar nos boxes no giro 64, mas quatro voltas depois, dois dos seus pneus também tiveram furos e o piloto da McLaren parou nos boxes, perdendo muito tempo. Hunt voltou duas voltas atrás do líder e estava apenas em quinto, perdendo o certame naquele instante.

O inglês voltou em um ritmo muito forte para recuperar o terreno perdido e foi à luta. Nas voltas finais, ele conseguiu superar a Surtees de Alan Jones e a Ferrari de Clay Regazzoni, mas teve que esperar cruzar a bandeira quadriculada e esperar a confirmação da confusa cronometragem oficial para descobrir que havia conseguido o terceiro posto, o suficiente para o piloto da McLaren somar 69 pontos ante 68 de Lauda, assim James Simon Wallis Hunt consagrava-se como campeão mundial de Fórmula 1.

Dessa forma, se encerrava um dos capítulos mais marcantes da história do esporte a motor. O bon-vivant James Hunt entrava para a galeria dos campeões mundiais, a qual o cerebral e obstinado Niki Lauda já fazia parte. O austríaco ainda ganharia mais dois campeonatos do mundo e sempre esteve ligado ao automobilismo, mesmo no período em que conduziu a sua companhia aérea, seguindo assim até os dias atuais. Já o inglês foi deixando de lado as farras e as bebedeiras após largar as pistas. Seguiu comentando sobre a Fórmula 1 na BBC e já vivia de uma forma diferente quando morreu em 1993, após um ataque cardíaco.

Pódio Japão 1976 Fonte: gps.gpexpert.com.br

Dois estilos de vida diferentes, dois pilotos e duas formas de encarar o automobilismo. Mesmo assim, a rivalidade de Lauda e Hunt, embora seja breve na pista, sempre estará marcada na história do esporte à motor.

Eduardo Casola

Sou formado em jornalismo pela Uniso, torcedor do Corinthians e adoro esportes, especialmente automobilismo!