Os clubes de Tom

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

| Por: Eduardo Casola Filho

lll Série 365: Os clubes de Tom – 02ª Temporada: dia 289 de 365 dias.

Tom Pryce (Continental Circus)

Na história da música, uma das místicas mais lamentáveis foi o chamado Clube dos 27.

Sugere-se que estrelas musicais acabam morrendo quando tinham apenas 27 primaveras.

Nomes como Jimi Hendrix, Janis Joplin, Jim Morrison, Kurt Cobain e Amy Winehouse são os mais notórios.

Embora o Clube dos 27 seja restrito para os músicos, as pistas têm um representante nessa relação.

E uma das perdas mais brutais.

Contudo, Thomas Baldwin Pryce, ou simplesmente Tom Pryce, é um representante de um triste grupo.

Aquela que os britânicos chamam de a “Geração Perdida”.

A mesma geração que tinha Roger Williamson (vítima de uma negligência dos organizadores do GP da Holanda) e Tony Brise (pupilo de Graham Hill e que pereceu junto ao bicampeão e sua escuderia em um acidente aéreo).

Dos três britânicos, o galês Pryce foi o que teve a carreira mais longeva na F1.

O galês, que tinha como ídolo Jim Clark, teve uma jornada de muitos desafios e dificuldades.

De carreira discreta na base, chegou a trabalhar com Ron Dennis na Fórmula 3 inglesa.

Estreou na F1 em 1974 no GP da Bélgica, em Nivelles, com a nanica Token.

Pryce foi vetado para disputar a prova seguinte em Mônaco, por ser inexperiente.

Em Mônaco, de renegado a vencedor (Rodrigo Mattar)

O galês ainda resolveu insistir em correr no principado, mas pela F3, a bordo de um March da equipe Ippokampus Racing.

Na preliminar realizada em Monte Carlo, Tom dominou a prova e venceu por 21 segundos de vantagem. Nada mal para alguém taxado de inexperiente.

Alguns meses depois, uma oportunidade mais interessante.

A Shadow, equipe média do grid, procurava um piloto para substituir o falecido Peter Revson.

Após testar alguns nomes, a escuderia trouxe o galês para o carro 16 a partir da metade do campeonato.

Pryce se acidentou nas duas primeiras corridas (Holanda e França), mas mostrou potencial na etapa britânica.

Pryce logo se consolidou dentro da Shadow (Rodrigo Mattar)

Em Brands Hatch, o galês chegou a ser o mais rápido nos treinos livres, o que lhe rendeu 100 garrafas de champanhe!

Classificou-se em quinto e brigou pelos pontos, mas um problema mecânico o derrubou para o oitavo.

Na etapa seguinte, em Nurburgring, Tom pontuava pela primeira vez na F1, com o sexto posto no inferno verde.

Apesar de ser o único tento em 1974, as impressões sobre o galês foram excelentes.

Houve um burburinho sobre uma proposta da Lotus, mas Pryce seguiu na Shadow.

Foi em 1975 o seu momento mais brilhante.

Numa corrida extraoficial, em tarde chuvosa em Brands Hatch, Tom foi um dos grandes nos do dia.

O piloto da Shadow largou na pole e ficou entre os primeiros por toda a prova.

Faltando oito voltas para o fim, a Tyrrell de Jody Scheckter quebrou e Pryce retornou à ponta para não perder mais.

Embora não tenha contado para o campeonato e para as estatísticas oficiais, aquele foi o único triunfo do galês na F1.

Em 1975, seu ano mais positivo (Rodrigo Mattar)

Porém, Tom ainda teve bons momentos em 1975, com direito a um pódio (terceiro posto na Áustria), um quarto lugar na Alemanha e três sextos (Bélgica, Holanda e Itália).

Mesmo com a saída do principal patrocinador da Shadow, a petrolífera UOP, o início de 1976 foi promissor.

Em Interlagos, Pryce conquistou o terceiro lugar na abertura do campeonato.

Apesar do bom começo, a Shadow não conseguiu evoluir e Tom obteve apenas mais dois quartos lugares (Inglaterra e Holanda).

Por sua vez, o ano de 1977 estava complicado.

Na Argentina, o galês terminou em nono, mas não foi classificado, por terminar oito voltas atrás do vencedor. Já no Brasil, teve um motor estourado quando andava em segundo.

Em 5 de março de 1977, as perspectivas para o GP da África do Sul não eram das melhores.

Os últimos momentos (Continental Circus)

Tom largou em 15º e caiu para último na largada.

O galês vinha galgando posições e estava em 13º na altura da volta 22.

Naquele instante, o seu companheiro de equipe, o italiano Renzo Zorzi parou na reta dos boxes com um princípio de incêndio.

Dois fiscais de pista tentaram atravessar a pista, enquanto os carros ainda passavam.

Pryce estava colado em Hans-Joachin Stuck e não conseguiu mudar de rota a tempo.

Assim, acontecia o acidente mais feio, plasticamente, da história da Fórmula 1. E um dos mais trágicos.

O Shadow DN8 acertou em cheio o corpo do fiscal Fredrik Jensen Van Wuuren, cujo corpo dilacerado rodopiou no ar antes de cair no chão.

O pior é que o extintor que o fiscal carregava acertou em cheio a cabeça de Pryce.

O capacete branco com cinco listras negras e a bandeira de Gales, assim como a face do piloto estavam irreconhecíveis com o impacto. Tom Pryce estava morto.

E, se não bastasse isso, o Shadow desgovernado seguiu descendo a reta dos boxes a 250 km/h.

Só foi parar na grade de proteção após se chocar com a Ligier de Jacques Laffite na primeira curva.

Niki Lauda, que foi o vencedor daquela corrida em Kyalami (voltava a vencer após o terrível acidente de Nurburgring), declarou não sentir nenhum prazer por aquela vitória.

A viúva, Fenella, viu o seu esposo ser cremado na mesma igreja aonde se casaram dois anos antes.

Assim, o nome do galês entrou para a história como mais uma vítima das eras sangrentas da Fórmula 1.

Integrando um grupo promissor, com promessas que viram seus sonhos dissipados em alguns instantes.

E com a idade para integrar outro clube.

Fonte: Rodrigo Mattar, Continental Circus, Stats F1

lll A Série 365 Dias Mais Importantes do Automobilismo, recordaremos corridas inesquecíveis, títulos emocionantes, acidentes trágicos, recordes e feitos inéditos através dos 365 dias mais importantes do automobilismo.

Eduardo Casola

Sou formado em jornalismo pela Uniso, torcedor do Corinthians e adoro esportes, especialmente automobilismo!