ColunistaFórmula 1Post

OPINIÃO: incidente de corrida

A disputa intensa entre Max Verstappen e Lewis Hamilton é avaliada desde o início da temporada, mas ganhou outros olhos depois de Silverstone

Alguns enfrentamentos durante a corrida ocorrem quando os pilotos tentam realizar uma ultrapassagem, uma corrida consiste na luta por posições, vencer o adversário. Conforme o campeonato vai andando, os pilotos acabam analisando as disputas e decidem qual vale travar ou não em pista. Com um pouco mais de experiência conhecem o estilo do adversário, sabem quais disputas podem gerar perdas.

Uma corrida cria vários pontos de vista sobre incidentes ou destaques, move torcidas, inflama debates, mas a verdade é que quando a gente liga a tv para ver uma corrida, queremos ver disputa, ultrapassagem, tentativas. É por isso que corridas onde um trenzinho se forma e nada acontece são desagradáveis para os fãs – tudo bem que a gente vê mesmo assim!

Dito isso, na Itália tivemos dois incidentes que chamaram a atenção e que geraram punições para os pilotos envolvidos.

Na primeira volta, entre as curvas 4 e 5 (Variante Roggia) Antonio Giovinazzi escapou do traçado ideal, o piloto que já tinha ultrapassado Carlos Sainz foi tocado pelo adversário. Giovinazzi roda, danifica a asa dianteira e retorna para os boxes se arrastando, precisando realizar reparos no carro.

Os comissários avaliaram que a forma como Giovinazzi retornou para a pista foi insegura, penalizaram o piloto com cinco segundos, além da perda de 1 ponto na superlicença. Em minha análise, não acredito que o piloto da Alfa Romeo deveria ser penalizado, vejo como um incidente de corrida e que poderia ter ocorrido justamente por ser a primeira volta da corrida onde o pelotão está todo agrupado.

Pelo circuito, algumas áreas têm a determinação correta de como voltar para a pista, mas Giovinazzi passou por cima das lombadas (que estão alí para conter os pilotos) e era o meio que ele tinha para retornar para a pista. Os comissários costumam ser mais brandos na aplicação de punições que ocorrem durante a primeira volta, mas desta vez não foi o caso.

Obviamente o incidente mais polêmico não foi o que envolveu Giovinazzi e Sainz, afinal, esses dois se quer estão disputando Campeonato entre eles, mas foi aquele entre Lewis Hamilton e Max Verstappen.

Os comissários puniram Max Verstappen com a perda de três posições no grid de largada do GP da Rússia, pois o piloto não permaneceu na corrida. Em Silverstone, naquele lance onde Hamilton e Verstappen se tocaram, o inglês recebeu 10 segundos de punição – são punições equivalentes previstas pelas regras.

A meu ver, se puniram Hamilton em Silverstone, neste incidente Verstappen também deveria receber uma punição. Neste caso o piloto da Red Bull foi considerado o culpado, os comissários entenderam que ele não tinha vantagem na manobra e deveria ter deixado espaço em pista para Hamilton.

No entanto, nos dois casos, acho que não teria punido nenhum dos dois, incidente de corrida pois os dois tiveram sua parcialidade de culpa na manobra, é até complicado avaliar quem teve mais. Neste momento a gente sabe que eles estão batalhando ponto por ponto, a cada corrida os ânimos entre os dois pilotos ficam mais exaltados.

Lewis Hamilton nos últimos anos é um dos pilotos mais limpos em ultrapassagem, ele sabe medir a distância e as consequências. Por outro lado, principalmente pelo início da sua carreira na Fórmula 1, Max Verstappen não é conhecido pela mesma cordialidade. Agora que está com chances de ganhar o seu primeiro título, certamente as emoções estão ainda mais afloradas, não querendo dar margens para o adversário conquistar mais pontos.

E da forma como os dois toques ocorreram, os pilotos não tinham como desaparecer da situação. Uma avaliação antes cairia bem, mas quando abaixa a viseira o bom senso acaba desaparecendo. A gente do sofá de casa avalia várias câmeras, lê outros relatos, conversa com as pessoas, mas já tomou muita decisão ruim de cabeça quente.

A Red Bull devolveu Max Verstappen para a pista depois de um pit-stop desastroso, o holandês caiu para o meio do pelotão. Enquanto a Mercedes optou por parar Lewis Hamilton quando ele tinha assumido a liderança da corrida, naquele momento nem pareceu muito sensato, já que o piloto tinha largado de pneus duros.

LEIA MAIS: Raio-X do GP da Itália – McLaren conquista vitória com Daniel Ricciardo

A meu ver, a parcialidade de culpa está no fato em que a Mercedes devolveu Hamilton em uma situação que não era favorável para o time no tráfego intenso, se já estava difícil para Hamilton obter posições, naquela situação seria ainda mais complicado.

A culpa de Max está em não ter se atentado a volta que o adversário estava, Hamilton tinha os pneus frios, por sua vez, o holandês poderia ter arriscado a ultrapassagem alguns metros depois. Mas acredito que por estar atento sobre a desvantagem que a Red Bull tinha na pista, o holandês foi para o tudo ou nada, a batida ocorreu e os dois abandonaram.

De certa forma, os comissários mantiveram o peso da punição e isso foi bom. Gostaria que se ocorrer incidente futuros, possam manter a avaliação, pois quando acabam dando algo diferente, gera margem para outras discussões. 

Para os próximos eventos que estão por vir, não duvido que novos toques entre Hamilton e Verstappen possam acontecer, o título de pilotos acaba trazendo muito prestígio para os pilotos envolvidos. Hamilton pode obter o oitavo título, enquanto Verstappen teria o primeiro, depois de anos de dominância da Mercedes.

Quais próximos incidentes de corrida a gente deve falar?

Outro ângulo da batida entre Verstappen e Hamilton, com uma câmera 360°

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados