ColunistasFórmula 1Post

Mercedes pode ver luz no fim do túnel ao analisar os dados obtidos em Miami

A sexta-feira em um circuito novo costuma ser bem agitada, os pilotos ficam concentrados em realizar a verificação do traçado e compreender os pontos de aceleração e frenagem. Miami é uma pista veloz, mas a parte sinuosa é bem técnica, enquanto tentavam acertar a melhor tomada das curvas, alguns pilotos foram de encontro aos muros de contenção.

A Mercedes chegou em Miami com a certeza que daria continuidade as avaliações de desempenho do W13. O time alemão levou novas peças para o carro e precisavam validar a eficiência delas, principalmente na sexta-feira. Vimos George Russell e Lewis Hamilton andando mais próximos da liderança, Russell até terminou como líder do TL2. A melhora do desempenho chama a atenção, principalmente após um começo de temporada tão difícil.

LEIA MAIS: Mercedes planeja ‘experimentos’ em Miami para seguir com o desenvolvimento do W13

Uma nova asa traseira foi implementada, a asa dianteira foi revisada e na parte traseira, próximo ao escapamento, instalaram uma nova asa. Essas três peças que foram adicionadas nessa semana, para o GP de Miami, mudaram a forma como a Mercedes estava andando na pista. Eles estavam lutando para estar entre os dez primeiros, mas agora foram para as primeiras posições da tabela.

Obviamente a Mercedes ainda não é o carro que magicamente vai superar a Ferrari e a Red Bull, mas se der um passo nesse projeto, pode se consolidar na terceira posição do Campeonato. A expectativa é que em algum momento deste ano eles possam incomodar Red Bull e Ferrari, atrapalhando os times que estão disputando pelas cabeças.

A última semana foi repleta de muitos testes na fábrica da Mercedes, avaliações no túnel de vento e CFD. Eles tiveram que combinar os dados obtidos durante a pré-temporada em Barcelona, quando testaram aquele outro carro, com os dados obtidos com o W13 que disputou as últimas etapas. Vemos que é um esforço gigantesco, justamente para melhorar a performance desse carro.

E depois de tudo isso, é só correr? Não, eles ainda vão precisar verificar o que foi feito em Miami e espelhar isso para outros circuitos do campeonato, o trabalho só deu mais alguns passos.

Em alguns momentos nos treinos livres vimos o carro de George Russell sem pular, pouco depois o W13 estava mais uma vez saltando pela pista. A Mercedes está trabalhando com configurações diferentes no carro de Russell e Lewis Hamilton, para apostar no acerto ideal e naquele que irá fornecer a melhor performance em pista.

O desempenho da Mercedes nesta sexta-feira em Miami, acaba aumentando o otimismo com o trabalho realizado pelo time – Foto: reprodução Mercedes

“Com certeza temos algumas coisas para tentar nesse fim de semana. Não acho que será uma flecha de prata, mas definitivamente nos dará uma indicação muito melhor da direção que precisamos tomar nos próximos eventos”, disse Russell.

“Acho que essas últimas semanas e meses desde o primeiro dia realmente foram vitais para entender o problema e desenvolver as ferramentas para encontrar as soluções. Acho que finalmente estamos chegando a um ponto em que nos sentimos confiantes. Mas teremos que esperar para ver”, seguiu Russell.

Miami pode ajudar a Mercedes também no aquecimento dos pneus. A prova provavelmente vai acontecer em um asfalto quente e em um ambiente onde os times vão lidar com muito calor. Um dos problemas do W13 também está ligado ao aquecimento dos compostos. A Mercedes pode tirar vantagem daqueles que estão lidando com o superaquecimento.

Se o time conseguir um bom desempenho neste traçado, ficará um pouco mais fácil identificar se o pacote de atualizações programado para Barcelona funcionará.

“Sempre soubemos que as condições quentes aqui em Miami se adequariam melhor ao nosso carro, sofremos com a temperatura dos pneus nas últimas corridas, então isso é um grande fator aqui. O carro está funcionando bem, mas é apenas sexta-feira. Não se empolgue. Provavelmente foi a sexta-feira mais produtiva que tivemos nesta temporada em termos de aprendizado. Sabemos que o porpoising sempre estará lá, mas talvez esteja funcionando em um intervalo menor em comparação a como estávamos anteriormente. Você geralmente tem corridas que vão a seu favor e algumas que vão contra você, Ímola obviamente não era um circuito forte para nós, mas pelo que vimos até agora, o carro parece funcionar bem em Miami”, concluiu Russell.

LEIA MAIS: Russell surpreende com Mercedes e lidera TL2 em Miami, com Hamilton em P4

A Mercedes pode finalmente ter encontrado um bom direcionamento para dar sequência ao seu projeto. O time não queria ficar testando várias coisas e não identificar o real problema do W13. Só ao compreender a origem de uma performance com problemas é que a Mercedes poderá dar sequência nas atualizações e implementar peças que sejam efetivas em seu projeto.

Lewis Hamilton voltou a reforçar, informando que os pilotos estão trabalhando com configurações diferentes, justamente para que a Mercedes consiga identificar qual é o melhor acerto para o carro e dar continuidade ao desenvolvimento.

“Definitivamente há elementos positivos a serem levados em consideração a partir daqui. Quero dizer, ainda estou lutando com o carro, mas George estava ótimo. Estamos tentando muitas coisas diferentes e sim, vamos convergir e esperamos melhorar”, completou o heptacampeão mundial.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Adblock detectado

O BP É UM PORTAL INDEPENDENTE E OS ANÚNCIOS AJUDAM NA NOSSA MANUTENÇÃO, SE POSSÍVEL DESABILITE O SEU BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS!!!