Especial Ferrari – Gilles Villeneuve e Didier Pironi, amizade destruída pela competição

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×
Gilles Villeneuve e Didier Pironi Fonte: @tumblr

Gilles Villeneuve e Didier Pironi foram companheiros na Ferrari entre 1981 e 1982. Foram 19 GPs disputados pela dupla, que se dava muito bem. Mas o ambiente ultracompetitivo da Fórmula 1 é capaz de destruir até mesmo uma grande amizade, afinal apenas um irá vencer. O retrospecto era totalmente favorável a Gilles, que em 1981 havia vencido 2 provas marcando 25 pontos contra 9 de Didier que sequer subiu ao pódio.

Vejam também: Renault de 1982! Como perder um título

Enquanto os dois não competiram diretamente as coisas foram bem, viajam e se hospedavam juntos, confiavam um no outro. Eis que tudo muda no famoso GP de San Marino de 1982. Uma prova conturbada pelo momento político que a categoria atravessava, afinal a disputa entre FISA e FOCA ou Balestre e Ecclestone fez com que os times alinhados a Bernie não fossem a Imola, dentre eles Williams, McLaren, Lotus e claro a Brabham.

Duelo em Imola: fim da amizade Fonte: @tumblr

Dos carros de ponta apenas Renault e Ferrari estavam na pista italiana para a disputa do GP. Até ali Villeneuve não tinha ponto nenhum, pois havia sido desclassificado em Long Beach, a única prova que completara até então. Pironi tinha 1 ponto. A disputa pela vitória ocorreu entre a dupla da Renault, Prost e Arnoux contra o dueto ferrarista. Prost quebrou no começo e a partir daí Arnoux, Pironi e Villeneuve deram um show, alternando posições até a quebra da Renault #16.

Equipe Ferrari tentando, ou não, controlar o duelo em Imola 1982 Fonte: @tumblr

A vitória seria disputada, em tese, pela dupla de Maranello para delírio dos tiffosi. Gilles Villeneuve entendia após a saída de Jody Scheckter do time, ele era o primeiro piloto da Scuderia, só que faltou combinar com Pironi. O canadense que acreditava ter a preferência da equipe foi ultrapassado pelo francês na antepenultima volta, recuperou a posição na volta seguinte, mas foi surpreendido novamente no giro final. Isso com a equipe mostrando freneticamente placas a dupla com uma instrução muito simples: “slow”.

Didier Pironi conquistava sua primeira vitória na Ferrari, os tiffosi estavam em êxtase afinal acabaram de assistir a uma dobradinha de sua amada Scuderia, mas uma pessoa não estava nada feliz, Gilles Villeneuve. O canadense se sentiu traído por seu amigo Pironi e pela equipe. As fotos e vídeos do pódio mostram bem a expressão de ira dele. Didier comemorou a vitória sem constrangimento nenhum. Gilles disse que nunca mais falaria com Pironi, terminava ali, e para sempre a amizade entre eles.

A Fórmula 1 conseguiu apaziguar suas mazelas políticas e seguir para Zolder na Bélgica. O clima na Ferrari estava péssimo, seus pilotos não se falavam, Villeneuve irritadíssimo com o ocorrido em Imola, havia aberto negociações com outros times para 1983, entre eles Williams e McLaren.

Sábado 8 de maio de 1982, classificação para o grid de largada, a Ferrari #27 estava sendo superada pelo companheiro e agora inimigo da Ferrari #28. Em uma tentativa de melhorar sua marca, Gilles toca na roda traseira da March de Jochen Mass, sua Ferrari decola capota algumas vezes e aterrissa totalmente destruída. Durante as capotagens o Villeneuve foi arremessado para fora do carro amarrado ao banco. Quebrou o pescoço e morreu.

Acidente fatal de Gilles Villeneuve Fonte: @tumblr

A tragédia abalou o mundo da Fórmula 1 dado o carisma do canadense, muito querido por todos. O paddock passou a olhar meio torto para Didier Pironi desde então considerado por muitos o culpado pela morte de Gilles.

A Ferrari curiosamente cresceu de desempenho após o trágico final de semana de belga e Pironi assumiu a ponta do campeonato após o GP da Inglaterra. Mas o destino mais uma vez foi cruel com a Ferrari naquele 1982.

Acidente de Didier Pironi Fonte: @tumblr

Sábado 7 de agosto de 1982, chovia muito em Hockenheim, Didier Pironi tinha a pole provisória, não havia necessidade de ir a pista, mas o francês desejava sentir o comportamento do carro com os pneus de chuva. Eis que na reta que traria o carro ao estádio, uma forte cortina d’água levantada pela Williams de Derek Daly bloqueou a sua visão, o impedindo de enxergar a Renault de Alain Prost que tinha problemas e estava muito lenta na pista. A Ferrari tocou a roda traseira direita da Renault, decolando assustadoramente por vários metros. O choque da aterrisagem desintegrou a frente do carro causando terríveis fraturas nas pernas do francês, socorrido pelo próprio Prost e por Nelson Piquet. O Dr. Sid Watkins disse em sua biografia que Pironi estava tão em choque que gritava histericamente “me tirem daqui”, quando alguém da equipe de resgate sugeriu que teriam que amputar suas pernas ali mesmo gritou mais ainda pedindo por socorro e que lhe salvassem as pernas. O Dr. Sid precisou acalma-lo lhe garantindo que nada ocorreria com suas pernas. Estava encerrada a carreira do piloto que sonhava em ser o primeiro francês campeão da Fórmula 1. Terminaram ali também as chances de título para a Ferrari naquele ano.

Patrick Tambay no carro de Gilles Fonte: @tumblr

A equipe que começou o ano com Gilles Villeneuve e Didier Pironi, perdeu o canadense na Bélgica, trouxe Patrick Tambay a partir da Holanda, perdeu Pironi na Alemanha, precisou trazer Mario Andretti para as etapas finais em Monza e Las Vegas. O título de construtores acabou tendo um gosto bem amargo para a Scuderia de Maranello, apesar da Renault ter um carro mais rápido, a Ferrari era mais resistente, e mesmo tendo disputado apenas 8 provas com seus 2 carros, 6 provas com apenas 1 carro e em 2 provas sequer ter largado, os italianos levaram o título de construtores com 74 pontos. Para se ter uma idéia de quão perto do título Pironi esteve : mesmo tendo perdido as 5 provas finais foi vice campeão com 39 pontos, o campeão Keke Rosberg da Williams marcou 44 pontos.

Mario Andretti no carro de Pironi Fonte: @tumblr

A disputa nas pistas destruiu a amizade entre Villeneuve e Pironi, ambos sonhavam com a glória do título da

Catherine Pironi com os gemeos Gilles de Didier na capa do livro “Carta a Didier” Fonte: @tumblr

Fórmula 1, jamais imaginavam no início da temporada em Kyalami que seria a última temporada de ambos na categoria, jamais imaginavam que após Imola deixariam de ser amigos. Didier nunca mais pode pilotar um Fórmula 1 dada a extensão de seus ferimentos. Villeneuve infelizmente nunca mais falou com Pironi.

Quando Pironi faleceu em um acidente de lancha em 1987 sua esposa Catherine estava grávida de gêmeos. Quando os meninos nasceram foram batizados com os nomes Gilles e Didier. Sem dúvida uma linda homenagem e um final positivo para uma história tão trágica.

Cristiano Seixas

Fã hardcore de Fórmula 1, apreciador da história, números e estatísticas da categoria, mais conhecido como Mestre Cristiano Seixas, pois é um PHD e MDA em Fórmula 1 ainda é Graduado, Pós-Graduado, Mestrado e Doutorado sobre História da Fórmula 1, Wikipédia erra o Cristiano não.

%d blogueiros gostam disto: