Preview Pirelli Grande Prêmio do Espanha de Fórmula 1 de 2017

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

| Rodada 5 de 20 – Barcelona, de 12 a 14 de maio de 2017.

A Pirelli seleciona os três compostos mais duros na gama da Fórmula 1 pela primeira vez neste ano. São o P Zero Laranja duro, o P Zero Branco médio e o P Zero Amarelo macio. Essa opção é para lidar com as notórias altas demandas que incidem sobre os pneus no Circuito da Catalunha. Isso se deve não apenas às famosas longas curvas de alta, mas também pela abrasividade do asfalto e a probabilidade de clima quente. Por ser um local onde testes são realizados regularmente, incluindo duas sessões já feitas neste ano, Barcelona é provavelmente a pista mais conhecida pelas equipes. Porém, muito mudou desde a última visita, apenas dois meses atrás.

| Os três compostos selecionados

| O circuito do ponto de vista do pneu

  • As equipes trazem suas mais recentes evoluções, o que pode alterar o comportamento dos pneus, na comparação com os testes.
  • Houve uma diferença de mais de 1s5 entre os compostos médio e macio nos testes. A expectativa é de que essa diferença diminua.
  • O pneu dianteiro esquerdo é o mais exigido.
  • É esperado mais de um pit stop na corrida, devido aos tradicionalmente altos níveis de uso e degradação.
  • As equipes correm com altos níveis de pressão aerodinâmica, adicionando cargas verticais e laterais aos pneus.
  • Após a corrida, teremos a continuação da programação de testes para 2018 da Pirelli. Renault e Toro Rosso vão correr na terça-feira e na quarta-feira.

Mario Isola, líder de competições de veículos da Pirelli: Essa é a última corrida em que a alocação de pneus para cada equipe é fixa. A partir de Mônaco, os pilotos farão suas próprias escolhas sobre as quantidades de cada composto que desejam selecionar. Apesar de Barcelona ser uma pista bem conhecida, a evolução aerodinâmica dos carros, alavancada pelos últimos pacotes de upgrades levados para a Espanha, trará ganhos em performance. Porém, os níveis de degradação podem ser ainda mais altos, na comparação com os testes. Além disso, podemos esperar um clima consideravelmente mais quente do que em fevereiro.

| O que há de novo

  • O pneu duro aparece pela primeira vez em um Grande Prêmio de 2017.
  • Última etapa com alocações de pneus idênticas: sete jogos do composto mais macio entre os disponíveis, quatro do intermediário e dois do mais duro.

| Pressões mínimas para a largada em Espanha

| Limite para cambagem

| Pneus selecionados até o momento

Fontes das imagens e texto: News.Pirelli.com/Spain-2017

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.