Crônicas Austríacas – Aquela que será lembrada pela bravura de alguns pilotos

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Olá, mais uma vez a Melzi está por aqui, muito prazer, sou uma gata de pelo preto que gosta de corridas.

Ah sim, o tão sonhado GP da Áustria, a última prova que aconteceu neste domingo… Eu e Emily estávamos afoitas por está corrida, principalmente porque ela poderia repetir a magnitude da prova do ano anterior… Época em que eu ainda era um lindo filhotinho!

E nossa, talvez vocês não saibam, mas foi uma prova espetacular. Disputadíssima! E faltava um pouco de emoção realmente nesta temporada, aquele tempero a mais que leva a torcida ao delírio.

Emily gritou tanto, que achei que ela teria um troço e claro, eu ficaria sem a minha comida, pois não teria ninguém para me servir. Em alguns momentos gostaria de ter voz para dizer: – Se aquete mulher!

O início do final de semana já foi contemplado de muita emoção. Max Verstappen e Valtteri Bottas bateram no segundo treino livre. A classificação foi movimentada, Charles Leclerc conquistou a segunda pole da carreira, enquanto Sebastian Vettel, não pode deixar os boxes. Depois veio toda aquela modificação com o grid dos punidos, chegou dar dor de cabeça.

Sentamos no domingo na frente da televisão. Me aninhei o mais próximo que podia de Emily, mas com a certeza que não seria um início de domingo fácil! Ela sempre fica inquieta em alguns momentos.

Luzes vermelhas, apagadas, Max Verstappen, segundo colocado, perdendo posições. Como um bom gato de caça, foquei os olhos no que estava acontecendo, foram diversas mudanças em apenas uma volta.

Charles Leclerc seguiu na ponta por muito tempo, até o instante do pit-stop, pois os que não haviam realizado as suas trocas, se posicionaram na frente. Em contra partida, Verstappen escalou o grid com muita facilidade e destreza e mesmo para olhos tão treinados, como os dos gatos, era difícil se ater a todos os detalhes.

A prova foi se intensificando, quando se aproximamos das últimas voltas. Verstappen passou Valtteri Bottas, com tamanha agilidade, que os pilotos não pareciam estar disputando a mesma prova.

O holandês partiu para o primeiro colocado. Confesso que estávamos divididas naquele momento, pois seria a primeira vitória daquele piloto que já havia perdido uma primeira chance; com aquele outro que estava fazendo uma excelente prova.

Tanto Ferrari, quanto Red Bull, precisavam desta vitória, a primeira por conta da temporada complicada e a outra por ter casado tão bem com os motores Honda e chegarem no momento em que fosse possível colocar medo na equipe italiana.

Volta 68, a ultrapassagem não veio. Foi berro daqui para colá e eu só queria saber o que víria depois. Emily implorava: – Por favor não passe, por favor não se toquem… Eu optei por cravar as unhas no sofá e aguardar.

Volta 69, a ultrapassagem aconteceu, Verstappen e Leclerc não tinham espaço, com o traçado escolhido pelo monegasco, era complicado não perder a posição. Ele obviamente não gostou do que aconteceu, mas a disputa foi bonita de se ver!

Verstappen viu a bandeira quadriculada primeiro. Leclerc foi o segundo colocado, com uma cara de poucos amigos e algumas reclamações para fazer, mas sem dúvida foi um espetáculo bom até para cachorro ver, quem dirá nós gatos que somo exigentes.

Foi bom acordar neste domingo de manhã e respirar aliviada após uma prova incrível dessas.

Ah sim, não me esqueci, a McLaren teve uma ótima disputa com Lando Norris e Carlos Sainz que fatiou o grid para chegar a zona de pontuação. E não posso me esquecer dos dois carros da Alfa Romeo e os primeiros pontos da Antonio Giovinazzi. Fiquei encantada.

Até o Grande Prêmio da Ingraterra, me mandem sachés.

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!