Villeneuve Vence o Resta Um em Silverstone | Boletim do Paddock

Villeneuve Vence o Resta Um em Silverstone – Dia 53 dos 365 dias mais importantes da história do automobilismo – Segunda Temporada

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Após sete etapas concluídas no campeonato de 1997, a F1 voltava para o circuito onde tudo começou com um líder isolado. As duas vitórias seguidas de Michael Schumacher o asseguram o topo do campeonato de pilotos com 14 pontos de frente enquanto a Ferrari reinava soberana entre as equipes. O domínio italiano parecia estabelecer na temporada, entretanto, uma aparição do Sobrenatural de Almeida em Silverstone acabaria movimentando o pelotão inteiro.

Uma dobradinha da Williams com Villeneuve na pole e Frentzen em 2º surpreendeu a Ferrari, que se viu obrigada a se contentar com Schumacher em 4º e Irvine apenas em 7º. Um 3º lugar animador de Mika Hakkinen levantou o astral da McLaren, que buscava engrenar na temporada, já Ralf Schumacher surpreendeu ao colocar sua Jordan em 5º na mesma sessão em que Fisichella foi capaz de garantir apenas um modesto 10º lugar. No domingo, a primeira tentativa de largada foi abortada devido à problemas na Williams de Frentzen. Enquanto o resto do pelotão partia para a segunda volta de apresentação, o alemão novamente enfrentou problemas e se viu obrigado a largar do fim do grid, abrindo assim uma vaga na primeira fila.

Largada limpa para os líderes com Schumacher assumindo de vez a segunda posição e partindo para a caça de Villeneuve. Frentzen não durou sequer uma volta e abandonou logo na primeira curva, encerrando assim uma corrida recheada de potencial para a Williams. Após 3 voltas de carro de segurança, o GP da Inglaterra enfim teve início com Villeneuve na ponta, Schumacher em 2º, Coulthard em 3º e Hakkinen na 4ª colocação. Com apenas 2 giros concluídos os dois protagonistas do campeonato de 1997 já tinham mais de 3 segundos de vantagem na ponta e Johnny Herbert se destacava no pelotão intermediários levando sua Sauber para uma ótima 5ª posição.

Os dois ponteiros pareciam partir para uma corrida particular mas a briga pelas outras 4 posições nos pontos esquentava cada vez mais. As duas McLarens andavam muito próximas na batalha pelo último degrau do pódio, Herbert se mantinha em 5º e Irvine começava a ensaiar um ataque contra a Jordan de Ralf Schumacher buscando a 6ª posição. A briga pela ponta, por outro lado, passava a ser psicológica. Schumacher não atacava o canadense mas também não o deixava escapar, apenas esperando um erro do piloto da Williams para dar o bote. Johnny foi o primeiro dos líderes a partir para os boxes, parando na volta 17. O vice líder da prova seguiu o britânico da Sauber na volta 20 e Jacques entrou no giro seguinte, entretanto, problemas na roda dianteira esquerda do canadense causaram um pit-stop de absurdos 33 segundos, comprometendo totalmente a corrida até então sob controle do piloto da Williams.

Schumi não só estava na liderança como também contava com 12 segundos de vantagem, sendo agora o piloto com a corrida na mão, já Villeneuve buscava a contenção de danos tentando recuperar o que fosse possível. A briga entre as duas Maccas voltou a protagonizar a prova na medida em que Hakkinen e Coulthard andavam cada vez mais próximos. Após tanta pressão, o finlandês contou com um erro do escocês para assumir a 2ª posição provisória no GP da Inglaterra e deixar seu companheiro de equipe para as duas Benettons que vinham babando em busca de mais uma posição. David partiu para os pits na volta 30 incapaz de se manter mais na pista com pneus extremamente gastos. Mika fez o mesmo no giro seguinte, se mantendo à frente da outra Mclaren na prova. As duas Benettons eram agora os únicos carros a não terem parado ainda e seu ritmo mais lento segurava o ímpeto de Villeneuve que se via preso na 4ª posição.

Alesi enfim parou na volta 35, um giro antes de Schumacher fazer seu segundo pit-stop. Entretanto, o alemão que esteve com a vitória nas mãos foi forçado a deixar o GP com problemas em uma das rodas, devolvendo a liderança para o canadense. Quase simultaneamente, Rubens Barrichello sofreu uma falha catastrófica no motor e também deixou a corrida. Villeneuve, que outrora se via no prejuízo devido ao pit-stop tenebroso da Williams, agora estava tranquilo na liderança com quase 5 segundos de vantagem para o 2º colocado, Eddie Irvine. Com apenas 19 giros para o final foi a vez de Johnny Herbert e Ralf Schumacher passarem pela segunda vez pelos pits. O alemão voltou para a pista mas o inglês não, deixando de terminar uma prova que havia começado tão bem.

Na volta seguinte, Villeneuve e Irvine pararam juntos, mas o irlandês teve que estacionar sua Ferrari na saída dos pits com problemas mecânicos, sendo mais um adversário do canadense a ficar pelo caminho no GP. O líder agora era Mika Hakkinen, que devido à estratégia de uma parada não voltaria mais para os pits, se tornando então o último obstáculo entre o piloto da Williams e a vitória. A diferença entre os dois era visual e os pneus mais novos calçando o bólido de Villeneuve representavam uma tremenda vantagem para o piloto. Apenas 10 giros restavam e menos de um segundo separava os dois, uma batalha era inevitável, um defendia as pretensões na briga pelo título mundial, o outro defendia com unhas e dentes a possibilidade de vencer a primeira prova de sua carreira.

Eis que o Sobrenatural de Almeida resolveu atacar novamente. Depois dos abandonos de Michael Schumacher e Eddie Irvine na tentativa de desafiar Jacques Villeneuve pela vitória, com apenas 7 voltas para o final Mika Hakkinen também sofreu problemas mecânicos e deixou a prova na liderança, o dia definitivamente era do canadense, que agora tinha as duas Benetton distantes em 2º e 3º. Jacques apenas administrou o resto da prova para vencer com tranquilidade, seguido por Alesi e Wurz, sendo esse o primeiro pódio da carreira do austríaco. O resultado espetacular da Benetton elevou a equipe italiana ao terceiro lugar nos construtores, superando até a Mclaren. Um pouco mais atrás, Ralf Schumacher levava sua Jordan a 5ª posição e Damon Hill enfim pontuava pela primeira vez com a Arrows ao terminar a prova em 6º.

Mesmo com todo o infortúnio, Schumacher ainda saiu de Silverstone na liderança do campeonato, entretanto, o GP serviu para reduzir de vez a diferença no campeonato de construtores e reacender a batalha não só entre o alemão e canadense, como também entre as tradicionais Ferrari e Williams no campeonato de 1997.

Fernando Brandão Campos

Brasiliense, podcaster, Team Pepsi, torcedor do Fluminense e de basicamente todos os times de Boston, além de ser dono de um talento sobrenatural para matar equipes de Fórmula 1 (basta perguntar para a Toyota, Lotus e Aston Martin, que sequer entrou mas provou do veneno). Seu habitat natural é o Twitter mas pode ser encontrado falando besteira em outros lugares também. Joga nas 11 com podcasts no Podcast F1 Brasil, vídeos no Boteco F1 e textos aqui no Boletim do Paddock, com direito a uma passadinha no Formula Legend e no Superlicense de vez nunca.

%d blogueiros gostam disto: