ColunistasDestaquesFórmula 1Post

Verstappen aproveita abandono de Leclerc para vencer GP da França

Leclerc abandona e Verstappen tem caminho livre para emplacar a sétima vitória da temporada 2022

O GP da França foi realizado neste domingo (24), novamente naquele estilo de corrida onde as estratégias chamam mais a atenção do que a ação na pista. Max Verstappen conseguiu a vitória, obtendo a sétima do ano e a 27ª da carreira. O holandês se aproveitou do abandono de Charles Leclerc para fazer uma corrida mais tranquila e garantir outro bom resultado.

A Ferrari tinha tudo para vencer na França, desde os treinos livres mostrava um ritmo forte. Leclerc que conquistou a pole, largou bem e mesmo sendo pressionado por Verstappen, controlava a liderança. Verstappen foi chamado aos boxes na volta 18 antes de Leclerc e perdeu várias posições. Na sequência o monegasco deu de cara com o muro de contenção, abandonando a prova.

Ainda com a corrida acontecendo, Leclerc assumiu a culpa pelo abandono, mas a Ferrari ainda precisará investigar o que aconteceu com o carro. No rádio o monegasco informou um problema com o acelerador, algo semelhante ao que viveu nas últimas voltas do GP da Áustria.

Lewis Hamilton então foi ao pódio conquistando a segunda posição, o inglês ultrapassou Sergio Pérez na largada. Após a ação do Safety Car e as trocas de pneus, Hamilton retornou atrás de Verstappen e ainda tentou desafiar o holandês, mas fez uma corrida mais consciente. Ao longo da prova Hamilton lidou com ataques de Pérez, antes do mexicano sofrer com o desgaste dos compostos.

George Russell conquistou a terceira posição, realizando uma ultrapassagem em Pérez. Os dois pilotos se enfrentaram, Pérez até extravasou os limites de pista em um contato com o britânico. O Virtual Safety Car provocado pelo abandono de Zhou Guanyu contribuiu para a disputa, Pérez desacelerou muito instantes antes da bandeira verde, desta forma Russell viu a oportunidade perfeita para assumir a terceira posição.

Pérez então se contentou com o quarto lugar. Carlos Sainz que começou a prova do final do pelotão fez uma grande corrida de recuperação, negociou ultrapassagens ao longo da prova e fechou a corrida em quinto lugar. Sainz forneceu um bom entretenimento para o GP da França, principalmente na busca por Pérez ao final da prova. A Ferrari realizou uma segunda parada com Sainz e abriu mão do pódio, mas ela se fez necessária pois o espanhol tinha pneus médios instalados, contra competidores que estavam com pneus duros. O saldo para o espanhol foi positivo.

Fernando Alonso obteve o sexto lugar depois de uma boa largada. Lando Norris ficou com o sétimo lugar, acompanhado por Esteban Ocon e Daniel Ricciardo, com o resultado a Alpine supera a McLaren no Campeonato de Construtores.

Lance Stroll e Sebastian Vettel tiveram um embate no final da prova pela décima posição, Vettel quase bateu em seu companheiro de equipe, mas foi o canadense que contabilizou os pontos para a Aston Martin. Cinco pilotos não completaram a prova.

Não foi uma prova com muitas ultrapassagens, mas tivemos ação na pista e várias disputas ao longo da prova. Paul Ricard era um ponto de atenção, principalmente para saber se com os novos regulamentos, conseguiram a tão sonhada aproximação do grid.

A Fórmula 1 retorna na próxima semana para a realização do GP da Hungria, sendo a última corrida antes do período de férias da Fórmula 1.

Saiba como foi o GP da França 

Após a classificação, Carlos Sainz e Kevin Magnussen foram realocados no grid ocupando a última fila por conta das punições por troca de motor. Os dois pilotos até seguiram para o Q3, mas como suas equipes introduziram a quarta unidade de potência, eles foram obrigados a começar do final do pelotão.

https://twitter.com/F1/status/1550898788910481408

Momentos antes da largada a temperatura na pista estava na casa dos 51°C, com 30°C no ambiente. A Pirelli apostava em apenas uma parada como o ideal para disputar a corrida, mas com o desgaste apresentado ao longo do fim de semana, provavelmente os times teriam que realizar mais trocas de pneus.

A estratégia na Ferrari e Red Bull provavelmente seria diferente. Max Verstappen contava com dois pneus duros e um médio para a prova, enquanto a Ferrari reservou dois pneus médios e um composto duro para Leclerc.

Apenas Bottas, Gasly e Sainz começaram a corrida com os pneus duros. O restante do pelotão apostou nos pneus médios instalados.

Largada autorizada, Charles Leclerc saltou na ponta, defendendo a primeira posição, com Lewis Hamilton conquistando a terceira posição ao ultrapassar Sergio Pérez. Fernando Alonso era o quinto colocado. Norris perdeu posições e caiu para o sétimo lugar. Yuki Tsunoda rodou após ser tocado por Esteban Ocon, mas o japonês conseguiu retornar para a pista, mas infelizmente ocupando a última posição.

A dupla da Aston Martin também fez uma boa largada com Stroll ocupando o décimo lugar, seguido por Sebastina Vettel. Sainz não fez uma grande largada, mas estava escalando o pelotão final e na segunda volta já era o décimo sexto colocado.

No terceiro giro os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Hamilton, Pérez, Russell, Alonso, Norris, Ricciardo, Ocon e Stroll. Verstappen reduziu a diferença para Leclerc em menos de um segundo, ganhando o direito de ativar o DRS. Ocon foi penalizado em cinco segundos pelo toque com Tsunoda na largada.

A Red Bull pedia para Verstappen segurar um pouco na segunda posição, conservando os pneus para atacar mais à frente. De qualquer forma o holandês permanecia a menos de um segundo da Ferrari. Hamilton também era atacado por Pérez. Carlos Sainz era o décimo terceiro colocado na volta seis, escalando aos poucos o pelotão.

Verstappen seguia pressionando Leclerc e mesmo completando a reta mais próximo do monegasco, o piloto da Ferrari conseguia manter uma distância segura para o rival. Durante a nona volta Verstappen tomou um pouco de distância do monegasco para refrigerar o carro, mas na sequência já estava novamente em cima do piloto da Ferrari. Magnussen seguiu para os boxes, substituindo os pneus médios pelos compostos duros.

Na décima volta Zhou e Schumacher realizaram as suas paradas. Magnussen então ganhou duas posições. Sainz era o décimo segundo colocado, já atacando Sebastian Vettel.

Durante a décima terceira volta, Russell tinha reduzido a diferença para Pérez, mas ela ainda estava em 1s2. Sainz fez mais uma ultrapassagem e assumiu o décimo lugar ao ganhar a posição de Lance Stroll.

Com quinze voltas os dez primeiros eram: Leclerc, Verstappen, Hamilton, Pérez, Russell, Alonso, Norris, Ocon, Ricciardo e Sainz.

Max Verstappen realizou a sua troca de pneus na volta 17, retornando apenas na sétima posição, com os pneus duros instalados. Sainz ganhou a posição de Ricciardo e então ocupava o nono lugar. Verstappen logo ultrapassou Norris para ficar com o sexto lugar.

Na décima oitava volta Charles Leclerc perdeu o controle do carro e estampou o muro de contenção. O Safety Car foi imediatamente acionado, enquanto os pilotos se encaminhavam para os boxes. Trocaram os pneus, Hamilton, Pérez, Russell, Alonso, Norris, Ricciardo, Sainz, Ocon, Stroll, Albon, Gasly, Bottas, Magnussen e Schumacher. Tsunoda seguiu para os boxes abandonando a corrida.

Leclerc reclamou do acelerador do carro, chamando a atenção para o problema que ele teve na última corrida.

O Safety Car deixou a pista ao final da 20ª volta. Verstappen comandava a ponta, com Hamilton no segundo lugar, acompanhado por Pérez que era o terceiro colocado. Sainz ganhou a sétima posição que era de Ricciardo e partiu para o ataque em Norris, para logo ser o sexto colocado.

Durante a 22 volta Sainz ultrapassou Alonso, ficando então com o quinto lugar. Zhou e Schumacher se tocaram, o piloto da Haas rodou e caiu para a décima sétima posição. Na sequência Guanyu da Alfa Romeo seguiu para os boxes trocando os pneus e asa dianteira.

Na volta 25 os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Pérez, Russell, Sainz, Alonso, Norris, Ricciardo, Ocon e Stroll. Sainz foi punido com cinco segundos por liberação insegura da equipe nos boxes, o piloto acertou o carro de Alexander Albon.

Na volta 26 os comissários aplicaram uma punição de cinco segundos para Zhou pelo toque com Mick Schumacher. Neste momento os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Pérez, Russell, Sainz, Alonso, Norris, Ricciardo, Ocon e Stroll. Sainz estava à menos de um segundo de Russell, buscando então o quarto lugar em sua excelente corrida de recuperação.

Pierre Gasly cometeu um erro quando tentava ultrapassar Albon, mas como perdeu o carro, caiu para a décima quinta posição. Foi na volta 31 que Sainz colocou o carro lado a lado e ganhou a posição de Russell. O espanhol tinha pela frente 3 segundos, antes de chegar em Sergio Pérez e talvez brigar por um pódio.

A prova seguiu, um pouco mais morna. Ocon batalhava com Ricciardo pela oitava posição, pressionando o piloto da McLaren que não tinha mais o benefício do DRS. E na volta 37, Sainz já estava separado por menos de um segundo de Pérez, podendo atacar o mexicano.

E na volta 38, Kevin Magnussen tocou em Nicolas Latifi, jogando o piloto para fora da pista, desta forma momentaneamente uma bandeira amarela marcou a curva 2 do traçado. No giro 40, como o carro de Magnussen não estava rendendo, a Haas chamou o piloto para os boxes, abandonando a corrida.

Enquanto a Ferrari discutia a estratégia para Carlos Sainz no rádio, o espanhol realizou a ultrapassagem em Pérez, colocou o carro de lado, dividiu a reta principal e conquistou a posição. Na sequência Russell atacou Pérez, o piloto da Mercedes escolheu o lado de dentro da pista, mas o piloto da Red Bull espalhou. Pérez cedeu a posição para Sainz, mas se manteve à frente de Russell.

Na volta 43, Sainz realizou a sua segunda parada, retornando com um jogo de pneus médios novos instalados em seu carro. O espanhol rapidamente ultrapassou Ocon e Ricciardo, assumindo o sétimo lugar e se concentrando em recuperar as posições perdidas com a nova troca.

Três voltas depois e Sainz já era o sexto colocado, além de aferir o melhor tempo da prova, depois de registrar 1m36s208. Enquanto Ocon tinha concluído a ultrapassagem em Ricciardo.

Foi no giro 48 que Sainz assumiu o quinto lugar, agora o piloto espanhol tinha cerca de 20 segundos até chegar em Russell e Pérez. Russell estava mais uma vez atacando Pérez, buscando um traçado diferente para concluir a ultrapassagem no mexicano.

Zhou Guanyu teve um problema e encostou o carro na volta 49, o Safety Car Virtual foi ativado rapidamente e como agiram rapidamente a corrida foi reestabelecida na volta 51. Restavam apenas 3 voltas para o final, Pérez desacelerou muito o carro e Russell viu a oportunidade para conquistar a terceira posição. Após a besteira o mexicano tentava usar o DRS para recuperar a posição, mas não foi bem sucedido.

No giro 52 os dez primeiros eram: Verstappen, Hamilton, Russell, Pérez, Sainz, Alonso, Norris, Ocon, Ricciardo e Stroll.

Max Verstappen tinha mais de 9 segundos de vantagem para Hamilton, desta forma recebeu a bandeira quadriculada na primeira posição. Pérez pressionou Russell até o final, mas o britânico garantiu o terceiro lugar. Vettel ainda quase acertou a traseira do carro de Stroll quando buscava a décima posição, mas o canadense que contabilizou os pontos para a Aston Martin neste fim de semana.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Adblock detectado

O BP É UM PORTAL INDEPENDENTE E OS ANÚNCIOS AJUDAM NA NOSSA MANUTENÇÃO, SE POSSÍVEL DESABILITE O SEU BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS!!!