Spaghetti western: Pagani Huayra Vs. Siai-Marchetti S-211

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Começa, na Califórnia, um duelo do novo oeste: um Pagani Huayra enfrenta um jato de treinamento, quem vencerá?

Como em um bom filme do velho oeste, os oponentes se encaram olho no olho por um longo tempo antes de entrar em ação: de um lado um Pagani Huayra, um dos supercarros mais prestigiosos do mundo, composto de mais de 4 mil partes, excluindo motor e câmbio, equipado com P Zero Corsa, produzido para garantir segurança máxima e desempenho elevado; do outro, um SIAI-MARCHETTI S-211, um avião italiano de treinamento revestido do logo da Pirelli especialmente para a ocasião.

Uma batalha de titãs… Fonte: Pirelli

O teatro do duelo não é uma rua de areia com sol a pino, mas a pista do aeroporto da cidade de Boulder, onde os funcionários do aeroporto podem, inclusive, captar a eletricidade do ar.

Uma batalha de titas… Fonte: Pirelli

Os dois pilotos entram a bordo dos respectivos veículos, ligam os motores e se posicionam frente a frente; os pés estão no acelerador e o entorno parece parar, um sinal ao adversário, conforme a tradição, e o duelo se inicia!

Fonte: A challenge among titans…

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.