“Ovo” histórico da Ferrari vai a leilão

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Mais um modelo raro da Ferrari que se prepara para ir a leilão: um exclusivo 166 MM/212 Export ‘Uovo’ vai ser proposto a leilão dentro de alguns meses pela RM Sotheby’s em Monterey, na Califórnia.

Este modelo histórico de 1950 representa uma era em que alguns dos carros da Ferrari eram alterados por carroçadores independentes como é o caso da Carrozzeria Fontana, que aplicou a sua experiência na conceção desta versão, comissionada por Giannino Marzotto.

A designação Uovo é facilmente explicável pelas imagens, que revelam um formato semelhante a um ovo… tratando-se de um modelo único, resultado do trabalho conjunto entre Fontana de Padova e o escultor Franco Reggani.

Embora o visual fosse icónico e, pelos cânones atuais, estranho, sob a carroçaria estava um chassis (024MB) e motor Ferrari derivados do 166 MM e do 212 Export.

O ‘Ovo’ é especialmente recordado por ter chegado a liderar as Mille Miglia e a Volta à Sicília (cuja importância era idêntica à do Targa Florio) em 1951, mas acabou por abandonar ambas as provas. Viria a regressar no ano seguinte às Mille Miglia, embora não tenha vencido. Contam-se também participações em provas na Califórnia, Estados Unidos da América.

Adquirido em 1986 pelo seu atual proprietário, o ‘Ovo’ tem sido uma visão rara ao longo das duas últimas décadas, não obstante uma presença no Museu Enzo Ferrari recentemente para apreciação geral. Em agosto, será colocado em leilão, prevendo-se que consiga angariar mais uma soma estratosférica.

Fotos da RM Sotheby’s.

Percorra a galeria de imagens acima clicando sobre as setas.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Fonte: motor24.pt/ovo-historico-da-ferrari-vai-a-leilao

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.