O que há de novo nos pneus Pirelli para a Temporada 2019 de Fórmula 1?

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

| Barcelona, ​​18 de fevereiro de 2019

Este ano será a nona temporada da Pirelli na atual Fórmula 1 e durante cada um desses anos a variedade de pneus sempre foi diferente de uma temporada para outra. Então, o que podemos esperar que seja novidade da mais recente linha de pneus, que fez sua estreia nos carros de 2019 em Barcelona esta semana?

lll TRÊS CORES, CINCO COMPOSTOS

Haverá apenas três cores em cada uma das corridas de 2019: branco para o composto mais duro do fim de semana, amarelo para o médio e vermelho para o composto mais macio. No total, haverá cinco compostos disponíveis para o ano: eles são numerados de 1 a 5, indo do mais duro ao mais macio. Como todos os cinco compostos serão testados na pré-temporada em Barcelona, ​​os compostos mais duros (C1) e mais macios (C5) não carregam as listras de cores usuais durante o teste. Os compostos C2, C3 e C4, em vez disso, carregam as listras: branco, amarelo e vermelho, respectivamente. Isso só acontecerá durante os testes: nos fins de semana do Grande Prêmio, haverá apenas três compostos em cada corrida.

lll PROTÓTIPOS PARA TESTAR

Também haverá alguns pneus que não carregam nenhuma marca: serão protótipos de pneus que serão usados durante os testes apenas para avaliar possíveis evoluções para o futuro. Há um cronograma de testes a serem feitos visando a temporada de 2020, o que envolverá todas as equipes em uma série de sessões este ano. Detalhes desta programação serão divulgados em breve.

lll TEMPERATURAS E PRESSÕES DIFERENTES

Uma nova regra já para este ano é reduzir a temperatura máxima dos cobertores térmicos dos pneus traseiros para 80 graus centígrados, enquanto a temperatura dos cobertores dos pneus dianteiros permanecerá nos atuais 100 graus centígrados. Isso ajudará o aquecimento do pneu dianteiro e também reduzirá o risco de granulação: especialmente em baixas temperaturas ambiente. Como resultado, as pressões dos pneus traseiros foram reduzidas para antes da largada.

lll MENOR ESPESSURA DOS PNEUS

Para a temporada 2019, houve uma redução na espessura do Pneu, assim reduzindo o superaquecimento dos pneus. Durante 2018, em algumas pistas foram usados pneus com menor espessura e o resultado foi satisfatório e assim para este ano serão utilizados em toda a temporada!

lll NOVOS COMPOSTOS INTERMEDIÁRIOS E DE CHUVA EXTREMA

Há um novíssimo pneu intermediário para este ano, projetado para abranger uma gama mais ampla de condições do que seu antecessor. Isso faz com que o ponto de cruzamento seja muito mais eficiente, tanto com pneus de pista seca e de pista molhada. O pneu para chuva extrema também é totalmente novo, com um perfil redesenhado que oferece maior resistência à aquaplanagem e melhor dirigibilidade em chuva forte.

No ano passado, duas linhas de pneus intermediários e de chuva extrema foram homologados: um para temperaturas mais altas e outro para temperaturas mais baixas. Este ano, os pneus tornaram-se mais versáteis, pelo que não é necessário ter duas gamas: existe apenas um pneu intermédio e um pneu de chuva extrema completo para todo o ano.

lll TEMPERATURA

As faixas de temperatura de trabalho são um pouco maiores para este ano, com a intenção de reduzir o superaquecimento. Isso garante que, em tese, também haja uma janela operacional mais ampla.

C1 110-140 ° C

C2 110-135 ° C

C3 105-135 ° C

C4 90-120 ° C

C5 85-115 ° C

(C1 o composto mais difícil, C5 o mais macio)

Fonte: pirelli.com

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.