God speed Big Jonh Surtees

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

“É com profunda tristeza que informamos a morte de nosso marido e pai, John Surtees.”

Faleceu hoje o britânico John Surtees, piloto multicampeão que venceu sete campeonatos mundiais como motociclista antes de estrear na Fórmula 1 em 1960, pela Lotus.

John Norman Surtees, ou simplesmente John Surtees nasceu na cidade de Surrey em 11 de fevereiro de 1934, antes de chegar a Fórmula 1, Surtess teve uma passagem pela motociclismo onde escreveu o seu nome na história da conquistando 7 títulos mundiais, vencendo o campeonato das 350cc de 1958 a 1960 e o campeonato das 500cc em 1956 e 1958 a 1960.

John Surtees trocou as motos pelos carros em 1960 e fez a sua corrida de estreia pela Fórmula 1 na equipa Lotus no Grande Prêmio de Mônaco, no dia 29 de maio de 1960, no mesmo ano, conseguiu seu primeiro pódio, no GP da Inglaterra, em Silverstone, chegando em segundo lugar, consagrando campeão pela Scuderia italiana em 1964, porém deixou a Ferrari durante a temporada de 1966, justificando a sua saída por excesso de pressão, resumindo, correu em 13 temporadas, de 1960 a 1972, passando por sete equipes: Lotus, Reg Parnell, Ferrari, Cooper, Honda, BRM e Surtees GP, disputou 113 GPs, venceu 6, teve 24 pódios, 8 poles, 11 voltas rápidas e somou 180 pontos.

Em 1964 fez a sua segunda participação nas 24h de Le Mans, pela Ferrari e ao lado de Lorenzo Bandini, conduzindo a Ferrari 330P, na classe P 5.0 e ao completar a 337ª volta conquistou o histórico 3º lugar.

Depois de aposentado montou a sua própria equipa, Surtees Racing Organization, que disputou a Fórmula 1 durante os anos 1970, do qual teve passagem de José Carlos Pace, que correu para Surtees de 1973 até metade da temporada de 1974, conquistando em 1974 a bordo do TS 14 na Áustria o seu primeiro podium ao chegar em terceiro.

Porém, hoje John Surtess não venceu o inevitável a qualquer mortal teve o descanso merecido, God Speed Big John Surtees, hoje e sempre imortal.

John Surtees in practice on his MV Agusta before the 1957 Nations Grand Prix at Monza. Photograph: Keystone/Getty Images


É com profunda tristeza que informamos a morte de nosso marido e pai, John Surtees.
John, 83, deu entrada no Hospital St. Georges em Londres em fevereiro, com um problema respiratório, e depois de um período na UTI, ele morreu em paz nesta tarde. Sua esposa, Jane, e filhas Leonora e Edwina, estavam ao seu lado.
John era um marido adorável, pai, irmão e amigo. Ele também foi um dos grandes do esporte a motor e continuou a trabalhar incessantemente na Fundação Henry Surtees e no Circuito Buckmore Park Kart
Nós estamos em luto por uma perda incrível como esta de um homem gentil e amável, bem como celebramos sua vida incrível. Ele foi um exemplo de alguém que sempre se doou ao máximo e que continuou lutando até o fim.”
Na mensagem, a família também agradeceu ao esforço dos médicos do hospital e que detalhes do funeral serão anunciados em breve.”

 

 

 

 

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.