Sem mais desculpas

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

As próximas três corridas em Silverstone, Hockenheimring e Hungaroring, prometem ser longas para Pierre Gasly. Tudo por conta de seus resultados abaixo do esperado até aqui. Foram 9 corridas, terminando atrás de seu companheiro de equipe, Max Verstappen, em todas. Nas classificações a única vez em que conseguiu ficar à frente do holandês foi no Canadá, mas tudo por conta de uma bandeira amarela no final do Q2, causada pelo acidente de Magnussen na linha de chegada. Não fosse isso, seria um gritante 9 a 0 também nas classificações.

Ao olhar para a tabela do campeonato de pilotos as coisas pioram. Gasly é dono de apenas 43 pontos, enquanto seu companheiro de equipe tem 126, fazendo com que a diferença entre os dois seja de impressionantes 83 pontos. Todos esses números colocam em risco a posição do francês na Red Bull, já que Kvyat vem demonstrando bons resultados na limitada Toro Rosso.

Na última semana, o conselheiro da Red Bull, Helmut Marko, disse que Gasly tem até a parada para o verão (a corrida de Hungaroring) para melhorar seu desempenho, ou pode não mais fazer parte da equipe.

Ao tentar buscar explicações para seu fraco desempenho, Gasly repetidamente diz que seu estilo de pilotagem não está de acordo com o carro deste ano. Em 2018 ele foi um dos melhores pilotos das equipes medianas, conseguindo bons pontos e demonstrando uma pilotagem agressiva, mas na nova temporada, em uma nova equipe, suas freadas tardias não parecem funcionar.

Além disso, a Red Bull não é o melhor lugar para ficar muito tempo sem bons resultados. A equipe tem a fama de não ter piedade com quem vai mal, vide Kvyat, e a temporada avassaladora de Verstappen também não ajuda o francês. Enquanto Max luta para separar as Ferrari em todas as etapas e consegue uma vitória, Gasly não desgarra de Carlos Sainz, que está apenas 13 pontos atrás do francês no campeonato, com um carro significativamente mais lento. Como se não bastasse, a fornecedora de motor da Red Bull, Honda, precisa de bons resultados para se mostrar capaz de ser, novamente, uma das mais rápidas do grid.

Tudo conspira contra Pierre Gasly.

Resta ao francês não conspirar contra si mesmo.

Matheus Souza

Estudante de Letras. Apaixonado por Fórmula 1, Futebol, e-sports e ceviche.