Sábado de Sol aluguei um caminhão….

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Caminhões na pista é algo sensacional, para vocês terem uma ideia, os motores V8 dos Stock Cars fazem o chão tremer, porém os caminhões da Copa Truck criam uma trepidação que modificam delicadamente os batimentos cardíacos.

São grandes, fortes e velozes, uma soma de fatores que fazem dessas máquinas seres geniais em resultado de velocidade e competição, acima de tudo são estupidamente graciosas nos trechos de baixa velocidade em Interlagos, realizando curvas como se fossem trilhados por uma programação pré-estabelecida.

Engraçado como os caminhões que movem a economia nacional podem com a fantástica imaginação e muito empenho de engenheiros e mecânicos se tornarem máquinas velozes que movimentam centenas de fãs pelo Brasil.

As provas individualizadas do campeonato regular são festivais regionais que se assemelham e muito as saudosas procissões dos caminhoneiros de Guaxupé, muito se dá pelo fato de que muitos caminhoneiros se identificam com a categoria e estes se sentem representados em pista, algo muito bacana que poucos que são envolvidos com a atividade rodoviária pode entender.

Sábado de classificação deu uma agitada na tarde quente e calma em Interlagos, Beto Monteiro conquistou a pole, porém o mais importante foi que ele já deu um passo para mais perto do título da Copa Truck de 2019, seus adversários bem que tentaram porém não foram felizes em suas tentativas, a brica constante com o radar fez com eu muitos perdessem o tempo de pista.

Amanhã será decidido o título da Copa Truck de 2019, Beto Monteiro, Felipe Giaffone, Debora Rodrigues e muitos outros pilotos que domam as máquinas mais pesadas e rápidas da América Latina estarão em pista para mais um final de semana de velocidade em Interlagos, lembrando que aqui o asfalto não esfria nunca, pois sempre há um veículo a circular por aqui.

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.