O homem que trouxe a vitória de volta à Inglaterra

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Por: Carlos Eduardo Valesi

lll Série 365: 24 de Dezembro, e o homem que trouxe a vitória de volta à Inglaterra – 01ª Temporada: dia 217 de 365 dias.

Sir John Newton Cooper nasceu em 17/07/1923 em Surbiton, na região metropolitana de Londres, e tornar-se um cabeça de gasolina não foi exatamente uma escolha para ele. Seu pai, Charles Cooper, tinha uma garagem especializada na manutenção de carros de corrida e ambos formaram uma das duplas mais emblemáticas do automobilismo britânico.

John Cooper. Fonte: 365days

John Cooper largou a escola aos 14 anos para se dedicar integralmente à mecânica; logo em seguida a guerra começou e ele serviu a Royal Air Force como mecânico, ajudando a desenvolver equipamentos militares. Após o fim do conflito, John e Charles começaram a construir monopostos baratos para vender a corredores particulares interessados em participar de competições. O Cooper mais novo inclusive pilotava os próprios carros em várias provas.

Como os bólidos da Cooper, além de custarem o preço de um fish and chips decente na beira do Tâmisa ainda eram rápidos, pai e filho resolveram montar a Cooper Car Company, e precisaram contratar funcionários para dar conta dos pedidos. Um deles era Owen “The Beard” Maddock, um engenheiro e designer que seria peça fundamental no sucesso dos Cooper (além de ser um músico de jazz acima da média). John e Maddock utilizavam motores de motocicleta adaptados em seus carros, e um dia Cooper chamou o engenheiro e disse: “que tal se colocássemos esse motor atrás, ligado a uma correia? Fica mais prático.” Nascia o primeiro carro de corridas com motor traseiro da história, um sucesso tão grande que foi adotado em tempo recorde por todos os outros competidores.

Cooper (de terno) observa Bruce McLaren no carro de 1963. Fonte: Pinterest

No GP de Mônaco de 1957 Jack Brabham deixou o paddock com uma pulga atrás da orelha ao chegar em sexto lugar a bordo de um Cooper-Climax com motor traseiro. Isso aconteceu em maio. Menos de um ano depois, em janeiro de 1958, Stirling Moss abriu a temporada com uma vitória da Cooper, batendo as Ferrari e Maserati que tinham o propulsor instalado mais à frente, e Maurice Trintignant venceu em Mônaco. Começava o show.

A Cooper-Climax venceu 5 das 8 etapas de 1959, e Jack Brabham levou o título de pilotos naquele ano, feito repetido tanto pela equipe quanto pelo piloto no ano seguinte. Desde então, todos os campeões do mundo na Fórmula 1 sentaram-se à frente de seu motor.

Jack Brabham e John Cooper no GP de Silverstone em 1960. Fonte: British Racing Driver’s Club

Em paralelo ao sucesso nas competições, John Cooper ainda desenvolveu a British Motor Corporation Mini, e seus carros eram adorados tanto por pilotos de rali quanto por motoristas de domingo. Mesmo vendendo a marca para a BMW, você ainda conhece os carrinhos do filme Italian Job como Mini Cooper.

John e seu filho Mike, hoje à frente da John Cooper Works. Fonte: The Daily Mail

Há exatos 16 anos, na véspera de Natal de 2000, John Cooper nos deixou. Ele foi o último garagista dos primórdios da categoria a partir e sustentou até o fim que nada se compararia à diversão que eles tinham naqueles tempos.

lll FORA DAS PISTAS

Na véspera do Natal de 1166 nascia o quinto filho do rei Henrique II da Inglaterra, que acabaria assumindo o trono, perdendo a Normandia para a França e viraria personagem das histórias de Robin Hood, sendo desde então conhecido como João Sem Terra. Também vieram a tempo da ceia Howard Hughes (1905) – assistam ao filme O Aviador, vale a pena – Ava Gardner (1922), que ganhou de seu marido Frank Sinatra o apelido de “animal mais belo da Terra”, graças a seu temperamento irascível, o genial Humberto Gessinger (1963), dos Engenheiros do Hawaii e Marcelo Salas (1974), grande craque da seleção chilena.

Mas o presente de Natal de quem curte rock and roll chegou no ano de 1945, quando nasceu Ian Fraser Kilmister, o grande defensor do Jack and Coke, um trator conhecido como Lemmy. Nada mais apropriado a este espaço do que deixar um feliz natal ao som de Motorhead:

lll A Série 365 Dias Mais Importantes do Automobilismo, recordaremos corridas inesquecíveis, títulos emocionantes, acidentes trágicos, recordes e feitos inéditos através dos 365 dias mais importantes do automobilismo.

Carlos Eduardo Valesi

Velho demais para ter a pretensão de ser levado a sério, Valesi segue a Fórmula 1 desde 1987, mas sabe que isso não significa p* nenhuma pois desde meados da década de 90 vê as corridas acompanhado pelo seu amigo Jack Daniels. Ferrarista fanático, jura (embora não acredite) que isto não influencia na sua opinião de que Schumacher foi o melhor de todos, o que obviamente já o colocou em confusão. Encontrado facilmente no Setor A de Interlagos e na sua conta no Tweeter @cevalesi, mas não vai aceitar sua solicitação nas outras redes sociais porque também não é assim tão fácil. Paga no máximo 40 mangos numa foto do Button cometendo um crime.