365 dias

JJ Lehto o piloto que esteve no lugar errado em muitas ocasiões

| Por: Cristiano Seixas

lll Série 365: JJ Lehto o piloto que esteve no lugar errado em muitas ocasiões – 01ª Temporada: dia 255 de 365 dias.

Sem dúvidas o piloto com um dos, senão o mais, complicado dos nomes: Jyrki Juhani Jarvilehto comemora 52 anos hoje. Nascido em Espoo, a mesma cidade de Kimi Raikkonen, foi empresariado no início de carreira por Keke Rosberg que lhe sugeriu a simplificação de seu nome para JJ Lehto.

JJ Lehto o piloto que esteve no lugar errado em muitas ocasiões Fonte: Pintest

Iniciou no kart aos 8 anos passando para o Campeonato Escandinavo de Fórmula Ford aos 15. O passo seguinte foi a Formula 2000 onde foi campeão britânico e europeu em 1987. Em seguida pulou para a Fórmula 3 Inglesa onde foi campeão em 1988 pilotando para a Pacific que anos mais tarde estaria na Fórmula 1. Em 1989 continuou com a Pacific só que na F3000. Apesar dos fracos resultados conseguiu um teste na Ferrari naquele ano, mas terminou assinando com a Onyx para as 4 etapas finais. Em Portugal não passou da pré-classificação, sendo o melhor entre os eliminados na pré, mas esta prova foi histórica para o time que conquistou seu primeiro podium com Stefan Johansson. Lehto disputou seu primeiro GP em Jerez na Espanha onde classificou seu Onyx na 17° posição, na corrida abandonou na volta 20 quando ocupava a 13° colocação. No Japão mais uma vez ficou na pré-classificação, mas em Adelaide voltou a colocar o carro na 17° posição de largada, em uma das provas mais chuvosas da F1, Lehto abandonou na volta 27 quando ocupava um heroico 5° lugar.

Estreia na Onyx 1989 Fonte: Pintest

Permaneceu na Onyx para 1990 que fora vendida para Peter Monteverdi. Sem dinheiro a equipe que havia surpreendido em 1989 arrastou-se nas pistas em 1990. Lehto conseguiu colocar o carro no grid em apenas 5 etapas e cruzou a linha de chegada apenas em Imola. Após o GP da Hungria a Onyx fechou as portas. Para 1991 assinou com a Scuderia Itália que era bem mais estruturada que a finada equipe Monteverdi Onyx. Já na estreia pelo novo time colocou o carro na 10° posição do grid em Phoenix, mas o melhor ainda estava por vir, na terceira etapa em Imola pontuou pela primeira vez e melhor ainda subiu pela primeira vez ao podium com o 3° lugar no GP de San Marino. Completou apenas mais 4 provas naquele ano fechando o campeonato em 12° lugar. Manteve-se na equipe para o ano seguinte, a maior novidade foi a troca dos motores Judd pelo Ferrari. Lehto não conseguiu pontuar nenhuma vez, chegando inclusive a não se classificar para o grid na Hungria. A título de comparação seu companheiro Andrea de Cesaris foi o 9° no campeonato com 8 pontos.

Imola 1991 o único podium Fonte: Pintest

Mesmo sem resultados consistentes conseguiu uma vaga na estreante equipe Sauber, que chegava a Fórmula 1 com forte apoio da Mercedes. Na etapa inaugural em Kyalami JJ largou em uma excelente 7° posição, terminando a prova em 5° lugar e garantindo os primeiros pontos logo no debut do time suíço na categoria máxima do automobilismo. Mais uma vez andou bem em Imola conquistando o 4° lugar, mas uma colisão com o companheiro Karl Wendlinger em Mônaco abalou o clima na equipe e o finlandês não pontuou mais sendo superado pelo austríaco na classificação final do campeonato fechando o campeonato em 13° lugar com 5 pontos.

Benetton 1994 Fonte: Pintest
Benetton 1994 Fonte: Pintest

Porém a grande chance de sua carreira viria em 1994 quando foi contratado para substituir Riccardo Patrese na Benetton. Claro que a parada era duríssima, dividir os boxes com Michael Schumacher, mas Lehto teria em mãos pela primeira vez um carro capaz de pontuar em todas as etapas, brigar por podiuns e talvez até conquistar uma vitória. Infelizmente 1994 foi um ano que ceifou várias carreiras e Lehto foi sua primeira vítima. Em seus primeiros testes na Benetton em Silverstone sofreu um fortíssimo acidente após a reta do hangar, a mesma curva onde Schumacher viria a se arrebentar em 1999, sofrendo lesões nas vértebras do pescoço que o afastaram das etapas iniciais no Brasil e no Pacifico quando foi substituído por Jos Verstappen. Retornou justamente em Imola onde costumava andar bem, classificou-se na 5° posição, mas ficou parado na largada sendo abalroado pela Lotus de Pedro Lamy, o resto do GP ficou para história.

Letho parado grid, antes do acidente que viria a ser o preludio que se seguia desde dos treinos de sexta de um final de semana da corrida mais trágica no mundo do automobilismo pós Le Mans 1955 Fonte: Williams

Em Mônaco enquanto Schumacher era o pole o finlandês era apenas o 17° no grid, na prova terminou em 7°. Na Espanha Lehto colocou a Benetton na 4° posição do grid, em sua melhor apresentação na equipe andou sempre entre os 4 primeiros chegando inclusive a 3° posição, abandonou ha 13 voltas do fim com problemas no motor Ford. Em Montreal uma modorrenta 20° posição no grid recompensada com o 6° lugar na prova. Seus fracos resultados forçaram a Benetton o substitui-lo por Jos Verstappen.

Win Le Mans 1995 Fonte: Pintest

Retornou ao volante nas etapas de Monza e Estoril onde Schumacher estava suspenso. A 20° posição no grid na Itália e a 14° em Portugal e o fato de não marcar um pontinho sequer nas duas provas fizeram a Benetton o dispensar definitivamente. Ainda assim disputou os GPs do Japão e Austrália pela Sauber no lugar de Andrea de Cesaris. Encerrou sua passagem pela F1 com o 10° lugar em Adelaide.

Finalizado o capítulo na F1, JJ Lehto partiu para o DTM onde não obteve sucesso, mas foi no endurance que se reencontrou. Pilotando uma McLaren GTR em parceria com Yannick Dalmas e Massanori Sekyia venceu a lendária 24h Le Mans, nada mal para quem um ano antes fora chutado da F1. Em seguida partiu para o recém-criado FIA GT em parceria com a Steve Soper pilotando uma BMW. Tentou mais uma vez os monopostos com a Cart em 1998 quando pilotou para a Hogan, sem êxito migrou para a American Le Mans Series onde conquistou o título em 2004 pilotando um Audi em parceria com Marco Werner. Além do título da ALMS conquistou também as 12h Sebring em 1999 com a BMW e 2005 com a Audi e a Petit Le Mans em 2003 e 2004 sempre com a Audi. Sua última grande vitória ocorreu nas 24h Le Mans de 2005 pilotando para a Audi em parceria com Marco Werner e a lenda Tom Kristensen.

Win Le Mans 2005 Fonte: Pintest

lll A Série 365 Dias Mais Importantes do Automobilismo, recordaremos corridas inesquecíveis, títulos emocionantes, acidentes trágicos, recordes e feitos inéditos através dos 365 dias mais importantes do automobilismo.

Subscribe to
BPCast

Or subscribe with your favorite app by using the address below

Mostrar mais

Cristiano Seixas

Fã hardcore de Fórmula 1, apreciador da história, números e estatísticas da categoria, mais conhecido como Mestre Cristiano Seixas, Wikipédia erra o Cristiano não.

Um Comentário

Deixe uma resposta

Artigos relacionados