GP da Hungria – Lewis Hamilton cruzou a linha de chegada na primeira posição, mas Max Verstappen foi espetacular com o motor Honda

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

O GP da Hungria realizado hoje (04) foi mais uma prova emocionante no calendário da Fórmula 1. Lewis Hamilton largou da terceira posição, para cruzar a linha de chegada em primeiro. A Mercedes apostou em uma estratégia diferente e ela foi efetiva durante as últimas voltas, para a disputa direta entre Verstappen e Hamilton.

O holandês fazia a lição de casa liderando a corrida após obter a pole no sábado, se defendendo dos ataques do inglês. A parada de Verstappen foi realizada na vigésima quinta volta e a disputa passou a girar envolta da durabilidade dos pneus dos líderes. A Mercedes investiu em duas paradas com Hamilton e fez o inglês acreditar que séria possível realizar novamente a aproximação.

Sem correr risco de ser ameaçado pelas Ferraris a equipe alemã instalou os pneus médios no W10 de Hamilton, enquanto Verstappen permanecia com os pneus duros na volta 49. Foi uma ótima corrida de Verstappen, utilizando o motor Honda e provando a nova fase da fornecedora, bem como da Red Bull. 

Com 15 voltas para o término da prova, parecia que a estratégia da Mercedes fora equivocada pois o inglês não estava tirando mais de um segundo por volta, mas Verstappen começou a cometer alguns erros e a distância foi caindo. Com menos de cinco volta, Hamilton já tinha colado no rival, realizando uma manobra por fora na última curva, para obter a ultrapassagem e se tornar o líder.

Com a dupla da Ferrari seguia apagada, Verstappen partiu para os boxes mas uma vez, restando quatro voltas para o final, conseguindo obter a volta mais rápida da prova.

Sebastian Vettel chegou na terceira posição, após ultrapassar Charles Leclerc. Falando mais uma vez em estratégia, a dos dois companheiros de equipe foi diferente, o alemão utilizou os compostos macios, contra os duros do monegasco e levou a melhor durante as últimas voltas. A equipe italiana permaneceu sozinha durante toda a prova na terceira e quarta posição, sem ser ameaçada ou conseguir atacar os líderes. 

Carlos Sainz fechou em quinto com a McLaren, após tomar volta do líder. Pierre Gasly foi o sexto, apesar de não ter uma boa largada. Kimi Raikkonen ficou com a sétima posição, para a Alfa Romeo.

Valtteri Bottas após se tocar com Hamilton e Leclerc no início da prova, precisou trocar a asa dianteira e caiu para a última posição, tendo que remar o grid, desta forma o finlandês foi o oitavo colocado. Lando Norris concluiu a prova em nono, com o segundo carro da McLaren e Alexander Albon foi o décimo, após estar misturado em um trenzinho com menos de um segundo de diferença entre eles.

A Fórmula 1 está de férias agora, retornando no dia 30 de agosto com o primeiro treino livre da Bélgica.

lll Saiba como foi a corrida na Hungria

Max Verstappen largou da pole, faltava apenas este feito para o holandês, dono de sete vitórias na categoria.

O grid de largada era: Verstappen, Bottas, Hamilton, Leclerc, Vettel, Gasly, Norris, Sainz, Grosjean, Raikkonen, Hulkenberg, Albon, Kvyat, Magnussen, Russell, Pérez, Giovinazzi, Stroll, Kubica e Ricciardo. Giovinazzi foi punido por ter atrapalhado Stroll durante a realização do Q1.

Antes da largada a temperatura na pista estava em 48°C, com 27°C no ambiente.

Volta 1: Max Verstappen conseguia manter a ponta, cortando a pista para o lado direito, para manter a posição. Bottas se defendeu de Hamilton que brigava intensamente com o companheiro de equipe.

Antes do final da primeira volta, Bottas perdeu a posição para Hamilton e Leclerc, o finlandês ficou com a asa dianteira quebrada, após o toque com Leclerc, no momento em que o monegasco, assumiu a terceira posição.

Volta 2: Vettel passava a ser o quarto colocado, após ultrapassar Bottas. A Mercedes se movimentava nos boxes se preparando para realizar a troca da asa dianteira.

Volta 3: Verstappen liderava a prova, abrindo mais de dois segundos de vantagem para Hamilton, segundo colocado.  Gasly que havia largado na sexta posição, havia caído para o nono lugar e precisava remar no grid.

George Russell conseguia se manter na décima quarta posição, após ter classificado bem e herdado posições com a punição de Giovinazzi.

Volta 6: Bottas seguia para os boxes e instalava uma nova asa móvel, com pneus duros, retornando na vigésima posição.

Volta 10: Verstappen, Hamilton, Leclerc, Vettel, Sainz, Norris, Raikkonen, Gasly, Grosjean e Hulkenberg.

A disputa de Ricciardo era com Stroll e o piloto da Renault, assumiu o décimo sexto lugar, após a ultrapassagem.

Volta 11: Bottas passou a rodar a menos de um segundo de Robert Kubica e conseguia finalmente subir para décimo nono. Logo depois vinha Antonio Giovinazzi separado por mais de 4s segundos do polonês.

Volta 13: De fato os trenzinhos se formavam com pilotos em intervalos de um segundo, Grosjean liderava ela em nono, seguido por Hulkenberg, Pérez, Albon e Kvyat. Enquanto isso Gasly em oitavo, não conseguia ultrapassar Raikkonen em sétimo.

Volta 15: Bottas era o décimo sexto colocado. Dois segundos separavam ele e Daniel Ricciardo.

Volta 17: Verstappen se questionava sobre a direção do vento e neste momento a distância entre o holandês e o inglês começava a cair para menos de dois segundos.

Volta 18: Kvyat tentava se tornar o décimo quarto, tocando roda com roda com o companheiro de equipe. O russo tomou um x’s do tailandês e fizeram um trecho lado a lado, até que Albon escapou do traçado e perdeu a décima primeira posição.

Volta 20: Hulkeberg subiu para oitavo, assim que Grosjean foi para os boxes, o francês retornou para a pista em décimo sexto, utilizando os pneus duros.

Volta 23: A Mercedes blefava sobre a parada do inglês. Verstappen seguia na liderança, mas Hamilton estava com 1s1 atrás do holandês.

Volta 24: Bottas estava em décimo terceiro, atacando Ricciardo para obter a posição.

Volta 25: Verstappen foi para os boxes, retornando de pneus duros, o holandês ficava atrás dos retardatários, ainda que fosse o segundo colocado. Hamilton na ponta, podia abrir a distância para o piloto da Red Bull. 

Pérez em décimo quarto já tinha levado uma volta dos líderes da prova, assim como todos os pilotos que estavam atrás.

Volta 28: Charles Leclerc foi chamado para os boxes, perdendo a posição apenas para Vettel.  Todos os pilotos seguiam apostando nos compostos duros.

Volta 29: Gasly, Norris e Albon, realizaram a parada juntos, todos apostando mais uma vez nos pneus duros. Albon e Norris tiveram problema com a troca do pneu traseiro, o primeiro com o lado direito e o outro com a roda esquerda.

Volta 32: Hamilton foi para os boxes e Verstappen conseguiu retornar na frente, a distância entre eles passou a ser de mais de 6s.

As posições eram: Verstappen, Hamilton, Vettel, Leclerc, Sainz, Grosjean, Hulkeberg, Raikkonen, Magnussen e Norris. Dos dez primeiros, apenas Vettel, Hulkeberg e Magnussen não tinham realizado nenhuma parada nos boxes.

Volta 34: Magnussen tentava ultrapassar Norris, piloto dono do nono lugar.

Hamilton detinha a melhor volta com 1:19:653 e a distância entre o inglês e Verstappen, estava em 1s.

Volta 35: Hamilton conseguia usar o DRS para atacar Verstappen e o piloto da Red Bull, tentava utilizar os retardatários que estavam na sua frente, para se defender.

Volta 36: O inglês abusava da frada, para não tocar no rival e abusava da pista para encontrar o melhor ponto para realizar a ultrapassagem.

Volta 38: Nico Hulkenberg realizou a sua troca de pneus.

Volta 39: Quase sobrava para Daniel Ricciardo, pois Verstappen utilizou o australiano para abrir a asa móvel. Hamilton havia colado em Verstappen e os dois andavam lado a lado, mas o inglês levou a pior, pois perdia o ponto de freada e extravasava os limites de pista.

Volta 40: Sebastian Vettel foi para os boxes, mas o pit-stop do alemão foi muito ruim, a equipe teve problemas com a troca do pneu dianteiro esquerdo. Em estratégia diferente Vettel utilizou os pneus macios.

Volta 43: Leclerc estava separado por 35s de Hamilton, enquanto Vettel em quarto, precisava lidar com 19s, que caiam a cada volta.

Volta 47: A distância entre Hamilton e Verstappen voltava a cair.

Raikkonen em sétimo tinha tomado volta do líder.

Volta 48: Bottas e Daniel Ricciardo foram para os boxes, o finlandês retornando de pneus médios, enquanto o australiano passou a utilizar os pneus macios.

Volta 49: Lewis Hamilton foi mais uma vez para os boxes retornando de pneus médios e a distância entre o inglês para o líder havia subido para 20 segundos.  

Volta 52: Romain Grosjean abandonava a prova.

Sainz já tinha levado volta do líder.

Volta 54: Verstappen, Hamilton, Leclerc, Vettel, Sainz, Gasly, Raikkonen, Norris, Bottas e Pérez.

Volta 56: Hamilton estava separado por 15s, mas o tempo demorava muito para ser reduzido. Verstappen passou a rodar com 1:19:813, contra 1:19:627 do inglês.

Volta 58: Daniel Ricciardo em décimo quinto, atacava Kevin Magunssen, na luta pelo décimo quarto lugar.

Hamilton melhorava a volta rápida para 1:19:174.

Volta 61: A disputa com Ricciardo e Magnussen seguia.

A distância entre Hamilton e Verstappen havia caído para 8s7.

Volta 63: O giro não fora tão bom do holandês, mas a disputa continuava.

Volta 65: A distância tinha caído para menos de 2s. O pneu de Verstappen tinha 39 voltas, contra 16 dos utilizados por Hamilton.

Volta 67: Lewis Hamilton assumiu a liderança da prova, após ultrapassar o holandês por fora, na primeira curva.

Volta 68: Verstappen conseguia parar nos boxes e retornava de pneus macios para tentar a volta mais rápida da corrida.

Volta 69: Sebastian Vettel ultrapassou, Leclerc se tornando o terceiro colocado.

Volta 70: Lewis Hamilton cruzou a linha de chegada na primeira posição, seguido por Verstappen com a melhor volta da prova, após anotar 1:07:103. Sebastian Vettel concluiu a prova na terceira posição.

Foto de capa:

 

 

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele espertou em mim o interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Fiz da RBR minha casa e meu carro favorito é a Kinky Kylie.