Fórmula E – Mitch Evans ultrapassa Andre Lotterer no braço para vencer ePrix do México

Sharing is caring!

ePrix da Cidade do México, a corrida que nunca decepciona.

Em mais uma corrida emocionante, o ePrix da Cidade do México mostrou um fortíssimo Mitch Evans quebrando a invencibilidade da Audi nessa etapa. O piloto da Jaguar subiu no posto mais alto do pódio após uma corrida tranquila para ele – e somente ele – do segundo para trás, as disputas não pararam em momento algum. 

Se Evans foi o grande vencedor, Antonio Félix da Costa foi o destaque dessa etapa. Mais uma vez o piloto teve que escalar posições para chegar ao pódio e ainda teve que brigar novamente contras as ordens de sua equipe Techeetah. Quem também se deu super bem foi Sebatien Buemi, que finalmente marcou seus primeiros pontos nessa temporada. 

Os grandes perdedores foram Sam Bird e Stoffel Vandoorne que erraram, bateram e abandonaram a prova. Confira todos os detalhes a seguir:

lll QUALI

O treino classificatório começou debaixo de sol forte, o primeiro grupo a ir para a pista teve que lutar contra a sujeira presente no traçado. Foi possível ver os carros, literalmente, levantando poeira na Cidade do México em alguns pontos. 

Para quem ainda não está familiarizado com o treino classificatório da Fórmula E, ele funciona assim: os pilotos são divididos em 4 grupos de 6 de acordo com a classificação no campeonato (o primeiro grupo é formato pelo líder até o 6º da tabela, o grupo dois vai do 7º ao 12º e por aí vai). Cada piloto tem direito a uma volta para marcar seu tempo e os seis mais rápidos de todos disputam a Super Pole. 

Imagem reprodução Fórmula E

Dentre os seis primeiros, foi Sam Bird quem se deu melhor. O britânico marcou o tempo de 1:08.394 e, como veremos a seguir, foi o único que conseguiu avançar para a super pole. Stoffel Vandoorne até tentou, mas acabou ficando em segundo lugar. Lucas di Grassi também estava nesse grupo e no final lhe restou a 4ª posição. 

Imagem reprodução Fórmula E
Imagem reprodução Fórmula E

O grupo conseguiu levar metade de seus participantes para a Super Pole: Mitch Evans foi o mais rápido entre eles e subiu direto para a primeira posição da tabela com o tempo de 1:08.174. Os outros dois a avançar foram Andre Lotterer e Pascal Wehrlein. Antonio Félix da Costa até ficou temporariamente em 6º lugar, mas logo foi superado pelos integrantes do grupo 3.

Imagem reprodução Fórmula E
Imagem reprodução Fórmula E

O terceiro grupo trazia bons nomes para a disputa, mas no final, apenas Robin Frijns conseguiu um tempo bom o suficiente para seguir a diante, mas isso só até o grupo 4 ir para pista. Daniel Abt estava listado nesse grupo, mas não participou devido ao acidente que sofreu no TL1, felizmente, o piloto da Audi foi liberado para disputar a corrida.

Imagem reprodução Fórmula E
Imagem reprodução Fórmula E

O grupo 4 é sempre formado pelos seis últimos classificados no campeonato. Um nome que surpreendentemente integrava esse grupo até então era o Sebastien Buemi, o campeão da segunda temporada da Fórmula E chegou ao México zerado na tabela. Motivado para sair dessa situação, o piloto da Nissan marcou 1:08.363 e ficou em 5º no geral. 

lll SUPER POLE

Imagem reprodução Fórmula E

A disputa durante a Super Pole foi intensa, qualquer erro representaria o fim das chances de conseguir a primeira posição. E no fim, foi Andre Lotterer da Porsche quem ficou em primeiro lugar, a primeira da equipe que disputa sua primeira temporada. Lotterer conseguiu uma volta espetacular e o super tempo de 1:07.922.

Imagem reprodução Fórmula E

lll CORRIDA

A chuva torrencial que caiu na madrugada de sexta para sábado definitivamente desistiu de voltar antes da corrida começar, com 24ºC de temperatura ambiente, os ânimos estavam altíssimos, assim como a expectativa para uma corrida bastante disputada.

Com uma largada bastante disputada, Mitch Evans conseguiu a liderança ainda na primeira curva quando forçou a ultrapassagem em cima do líder. Stoffel Vandoorne também apertou e conseguiu passar Lotterer, que caiu para 3º. 

 

Os dois carros da Mahindra foram cumprir o Stop & Go que receberam como punição por terem trocado o câmbio ainda na sexta-feira.

Nico Muller vinha num ótimo 7º lugar com a Dragon quando errou a freada e bateu no muro. O acidente trouxe o Safety Car para a pista que durou apenas quatro minutos. Por causa da interrupção, houve uma redução de 5kW de potência na bateria de cada carro.

 

Na relargada, as posições se mantiveram até Sam Bird ultrapassar Lotterer no Foro Sol. Logo em seguida, Lotterer também foi ultrapassado por Frijns e de Vries. 

Rowland foi o primeiro a ativar o Modo Ataque, quando estava em 12º. E Felipe Massa abandonou a prova com a suspensão dianteira esquerda quebrada. O brasileiro bateu no mesmo lugar que Nico Muller, mas conseguiu colocar seu Venturi em uma posição que causou apenas uma breve bandeira amarela local.

Na frente, Mitch Evans abriu 1.8 de vantagem para Buemi que tentava escapar dos ataques de Sam Bird. Lucas di Grassi e Stoffel Vandoorne ultrapassaram Rowland enquanto o britânico estava com o Modo Ataque ativado.

Com 15 minutos de prova, os problemas de Lotterer aumentaram. O alemão estava com o carro levemente danificado por causa da disputa com Bird ainda na largada e encostou em alguma das paredes de proteção levando uma das faixas de merchandisign com ele. Para completar, o pneu dianteiro direito começou a fumaçar da mesma forma que aconteceu com Vergne em Santiago. Lotterer ainda foi para os boxes trocar o bico do carro, voltou para a pista, mas acabou não completando a prova. 

 

Neel Jani foi punido com um Drive Through por “infração técnica”, a Fórmula E não informa imediatamente que infrações são cometidas, então essa informação será atualizada posteriormente.

Metada de prova completada e os 10 primeiros eram Evans, Bird, Buemi, Frijns, de Vries, da Costa, Vergne, Mortara, di Grassi e Vandoorne.

Ganharam o Fanboost Vandoorne, da Costa, di Grassi, de Vries e Lotterer.

Disputas intensas em todos os setores da corrida, di Grassi com uma bela corrida de recuperação já ocupava o 8º lugar e a dupla da Techeetah novamente batalhava entre si. 

A média de bateria era 53% sem grandes diferenças entre os carros. 

Nyck de Vries abandonou a prova quando faltavam 17 minutos para o fim, o holandês sofreu uma tentativa de ultrapassagem de Antonio Félix da Costa e acabou empurrando o português para o extremo da linha de dentro no reta de largada. Ao voltar para o traçado original, de Vries acabou sendo atingido por Robin Frijns que nada tinha a ver com a disputa. Frijns caiu para o 10º lugar. 

 

Mortara fez uma linda ultrapassagem em cima de Rowland. O inglês da Nissan perdeu mais duas posições logo depois por errar a freada para Sims e Frijns.

Enquanto isso, da Costa investia pesadamente em Buemi e Vandoorne fez uso do Modo Ataque para ultrapassar di Grassi. Sam Bird diminuiu a diferença para Mitch Evans de 4.1 para 3.5. 

Meia hora de corrida se passou e os dez primeiros eram Evans, Bird, Buemi, da Costa, Vergne, Vandoorne, di Grassi, Sims, Rowland, Mortara e Calado. 

Após algumas voltas tentando ultrapassar Buemi, da Costa perdeu um pouco de contato e foi ultrapassado por Vergne numa nova polêmica ordem de equipe. 

Ma Quinghua abandonou a prova com problemas no carro sem causar nenhum tipo de interrupção.

Antonio Felix da Costa reclamou no rádio dizendo que estava mais rápido que o companheiro de equipe e que eles haviam cometido um grande erro, conseguiu ultrapassar Vergne novamente, fez a melhor volta da prova 1:10.743 e ganhou a posição de Buemi logo em seguida, assumindo a terceira posição. Mostrando, assim, que tinha razão quando reclamou com a equipe.

Ocupando o 18º lugar, Daniel Abt rodou sozinho na Peraltada, mas conseguiu voltar para a pista sem danificar o carro. Quem também escapou e conseguiu voltar foi Max Gunther, o vencedor do ePrix de Santiago, ele estava estava apenas em 16º na hora do incidente.

Pressionado por da Costa, Bird passou reto e bateu no muro, caindo de 2º para o 10º lugar. O acidente aconteceu logo após o português ativar seu último Modo Ataque. Apenas uma bandeira amarela local foi acionada, embora o local onde carro parou tenha sido perigoso. A direção de prova informou que o carro não seria removido e que os pilotos ficassem atentos às bandeiras amarelas. Provavelmente por causa do tempo que faltava para a corrida acabar.

 

Na última volta, Vandoorne, em quinto, errou ao ser pressionado por Sims. O piloto da Mercedes bateu no muro, levou faixas de publicidade em seu carro e acabou abandonando a prova.

Bandeirada final e vitória de Mitch Evans, seguido por Antonio Félix da Costa com Sebastien Buemi fechando o pódio. Todos eles chegaram com a bateria quase zerada. Vergne chegou em 4º, Sims, em 5º e di Grassi, em 6º mostrando mais uma vez sua capacidade de se recuperar durante as corridas. Rowland, Mortara, Calado e Wehrlein completaram o top 10. Sam Bird só foi autorizado a deixar o carro após a bandeirada. 

Mitch Evans deixa o México como o novo líder do campeonato, um ponto à frente de Alexander Sims, por causa do ponto extra ganho por ter sido o primeiro na fase de grupos durante o Quali de hoje. O segundo pódio seguido de Felix da Costa lhe rendeu o terceiro lugar na classificação, um ótimo resultado para o português que abriu 17 pontos para o companheiro de equipe.

Definitivamente, mais uma corrida incrível no México que deve entrar para o top 3 dessa temporada. A próxima etapa da Fórmula E é daqui a duas semanas em Marrakesh. Até lá!

Apreciem o autódromo Hermanos Rodriguez lotado! 

 

Cinthia Maria

Cinthia Venâncio comenta zoeiramente a Fórmula 1 desde os sete anos de idade e nas horas vagas é profissional de marketing, fotógrafa, doceira, redatora e revisora. Como todo bom cearense, nunca diz não a um baião de dois com queijo coalho e carne de sol. Aprecia rock do bom, não tem vergonha de dizer que não é fã do Tarantino e sempre é a motorista da rodada. Geralmente esquece o que não deveria

shares
WP Twitter Auto Publish Powered By : XYZScripts.com