ColunistasFórmula 1Post

FIA reforça regras e aumenta fiscalização de joias e roupas íntimas na F1

Logo após o início do campeonato, o novo diretor de prova, Niels Wittich têm batido na tecla sobre o uso de piercings e joias durante os eventos. Os times já foram notificados anteriormente, reforçando a proibição do uso de joias durante o evento. A FIA realizou mais uma notificação em Miami, também abordando as peças íntimas usadas pelos pilotos, pedido aos times que realizem as fiscalizações necessárias para a própria segurança dos pilotos.

O uso de joias e a descrição sobre a vestimenta adequada estão presentes no Código Esportivo Internacional. No GP da Austrália Wittich já tinha lembrado os pilotos sobre a proibição que veta o uso de joias enquanto os competidores estão no carro. Alguns pilotos até falaram sobre o assunto, informando que em algumas partes do corpo era impossível fazer as remoções dessas peças.

Durante o briefing que é realizado com os pilotos antes do início do evento, a questão também foi discutida novamente. Também reforçaram que as roupas íntimas, além do uso das luvas, meia e balaclavas devem ser homologadas pela FIA. Tudo precisa ser antichama. Mesmo que incêndios não aconteçam mais como antigamente por conta de todas as normas que já foram implementadas aumentando a segurança do esporte, temos na memória o acidente de Romain Grosjean ao final de 2020 para lembrar que coisas assim podem acontecer.

Brincos, correntes, piercings não podem estar pelo corpo quando os pilotos estiverem no carro – Foto: reprodução

Na Austrália a FIA estabeleceu um novo protocolo, dando o prazo de duas provas para que os times se adequassem. As equipes têm um modelo de formulário que é encaminhado para a FIA antes do início das atividades do fim de semana, nele é confirmado que todas as inspeções em seus carros foram realizadas e garantem que estão em conformidade com o regulamento; os itens sobre o ‘uso de joias’ e ‘roupas íntimas compatíveis’ também foram incluídos ao formulário. A FIA pode realizar inspeções durante o evento.

A regra da roupa íntima adequada já está presente nos regulamentos tem muito tempo, mas a FIA foi deixando-a cada vez mais rígida e clara nas últimas temporadas. Em 2019 começaram a abordar que nenhum material sintético que não for antichamas pode ser usado.

“Em caso de razões médicas justificadas, roupas íntimas não aprovadas pela FIA podem ser usadas entre a pele do piloto e a roupa obrigatória aprovada pela FIA. No entanto, não é autorizada a utilização de materiais sintéticos que não são anti-fogo em contato com a pele do piloto”, como aponta o regulamento.

Todas as roupas usadas pelos pilotos durante a prova precisam ser anti-chamas – Foto: reprodução Ferrari

Sobre as joias o regulamento diz: “É proibido o uso de joias na forma de piercing ou correntes de metal no pescoço durante a competição, portanto pode ser verificado antes da largada.”

Para alguns pode parecer uma grande bobagem, mas Wittich reforça que isso é necessário para garantir que todos os outros equipamentos aprovados pela FIA possam “operar de forma eficaz e fornecer o maior nível de proteção”.

Obviamente as camadas superiores aumentam o nível de segurança, mas sobre o uso desses materiais sintéticos, eles podem derreter, dificultando o tratamento em caso de uma queimadura. Além disso, as joias podem até mesmo danificar a proteção dessas peças que são usadas ou aumentar o nível de transmissão de calor, elevando o risco de queimaduras.

Pequenos objetos podem se tornar projéteis durante um acidente, pois geralmente quando os pilotos perdem o controle dos seus carros, os impactos são grandes. “O uso de joias durante a competição pode dificultar tanto as intervenções médicas, quanto o diagnóstico e tratamento subsequentes, caso seja necessário após um acidente”, informa Wittich no comunicado.

“No caso em que um exame de imagem é necessário para dar o diagnóstico após um acidente, a presença de joias no corpo pode causar complicações e atrasos significativos. Na pior das hipóteses, a presença de joias pode causar mais danos.”

“Joias dentro/ou ao redor das vias aéreas podem representar riscos adicionais específicos caso sejam deslocados durante um acidente, sendo ingeridas ou inaladas”.

A FIA está notificando e cabe aos times e seus pilotos seguirem o regulamento, pois essa é a forma de realizar uma prevenção. Os pilotos andam carros extremamente velozes, em circuitos que algumas vezes são estreitos que abrem margem para acidentes.

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Artigos relacionados

Deixe uma resposta

Adblock detectado

O BP É UM PORTAL INDEPENDENTE E OS ANÚNCIOS AJUDAM NA NOSSA MANUTENÇÃO, SE POSSÍVEL DESABILITE O SEU BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS!!!