365 dias

Emerson chega em segundo, porém brasileiros comemoram como vitória o feito na estreia de Jacarepaguá

| Por: Débora Santos Almeida

lll Série 365: Emerson chega em segundo, porém brasileiros comemoram como vitória o feito na estreia de Jacarepaguá – 01ª Temporada: dia 253 de 365 dias.

O Grande Prêmio do Brasil 1978, marcou a estreia do autódromo de Jacarepaguá no Rio de Janeiro, mas para saber um pouco mais sobre está mudança e também sobre o surgimento da corrida no país, recomendo a leitura do Preview do GP do Brasil de 2016.
Está corrida também foi marcada pela Copersucar-Fittipaldi que ainda necessitava demostrar uma melhor desempenho do que o obtido, um nono lugar no Grande Prêmio da Argentina que fora realizado duas semanas antes da competição passar pelo Brasil, mas também havia a forte pressão para que a equipe brasileira conseguisse melhores resultados em relação aos outros dois anos em que já fazia parte do grid regular. A equipe contava com a direção de Emerson Fittipaldi que tinha 29 anos e já o era o bicampeão do mundo e chamava a atenção por ter deixado uma equipe de ponta (McLaren) em 1976 para se arriscar na equipe que ainda estava engatinhando.
As atividades no novo circuito começaram ainda na quinta-feira e a equipe brasileira já apresentava bons resultados, Emerson obteve um quarto lugar naquele dia e na sexta conseguia acompanhar o ritmo da Ferrari de Carlos Reutemann. No entanto o maior desafio veio no sábado, quando o semieixo traseiro do bólido acabou quebrando e levou quase toda a sessão para ser concertado, com isso Emerson necessitou se contentar com o sétimo lugar para a largada de domingo, Ronnie Peterson era o pole, seguido por James Hunt, Andretti e Reutemann.
O calor era infernal, as arquibancadas estavam cheias e Emerson ainda enfrentaria uma prova de paciência, pois antes de entrar no seu carro, foi informado pelo irmão que o carro tinha um problema no motor e eles precisariam optar pelo carro reserva se quisessem ter chances naquela prova e a esperança foi renovada quando Wilsinho deu o aval que estava tudo certo com o plano B.
Fonte: Contos da F1
Tiveram uma boa largada, com o carro da Copersucar pulando para o quinto lugar ainda na primeira curva, no entanto acabou perdendo uma posição três voltas depois para Villeneuve que fazia um melhor aproveitamento dos pneus Michelin no calor do asfalto de Jacarepaguá. Emerson também estava mais cuidadoso, já que via Villeneuve fazendo de tudo para conquistar as posições e se embolando com os outros competidores, para evitar um acidente, acabou deixando o piloto se arriscar. O brasileiro acabou conquistando mais uma posição quando Hunt sofreu com problemas de degradação dos pneus e o britânico despencava no grid, perdendo algumas posições.
Na décima quinta volta Emerson já estava em terceiro, apresentando uma melhor performance e também contado com a sorte, por Villeneuve havia colhido o que fora atrás e se enroscava com Ronnie. O brasileiro também já tinha superado Peterson.
Emeson até tentou apertar para chegar em Andretti mas logo depois que o carro começou a trepidar, mudou de planos e decidiu investir na tentativa de apenas levar o carro até o final, se manter no pódio e conseguir terminar a corrida à frente de Lauda.
Restando 10 voltas para o final o público do autódromo foi a loucura quando Andretti começou a ter problemas com a perda da quarta marcha e com isso o brasileiro conseguiu de aproximar do piloto da Lotus e na volta 57 concluía a ultrapassagem. Segundo o brasileiro foram as 7 voltas mais longas da sua vida e cada barulho do carro começou a ficar mais audível e na sua cabeça todos os problemas que poderiam acontecer, ficavam rondando a sua mente.
Carlos Reutemann dominou a corrida no autódromo de Jacarepaguá, era impossível do brasileiro conseguir alcança-lo pois esse argentino estava fazendo uma prova a parte e acabou terminando 49s13 na frente do brasileiro.
Fonte: Contos da F1

Emerson chorou muito naquele dia, foi um grande alivio para ele e para a equipe, que passaria um tempo sem ser zombada, já que acabava por realizar um grande feito.
Fonte das mídias: Contos da F1

Do fim da equipe Shadow em novembro de 1977 surgiu a Arrows Fórmula 1, formada por ex-funcionários da Shadow não contentes com os rumos que a equipe vinha tomando. Franco Ambrosio (A), Alan Rees (R), Jackie Oliver (O), Dave Wass (W) e Tony Southgate (S), das iniciais do sobrenome de cada integrante da equipe surgiu o nome da equipe, já o piloto da equipe seria um novato que também era ex-Shadow, o italiano Ricardo Patrese. Para a estreia na segunda etapa da temporada de 1978 que seria realizado no dia 29 de janeiro daquele ano no Autódromo de Jacarepaguá no Rio de Janeiro que também faria a sua estreia na categoria, assim o carro da equipe ficou pronto em 53 dias, porém apenas um carro foi enviado ao Rio de Janeiro, sem patrocínios, o carro seria totalmente branco, porém a Varig que era a transportadora oficial viu uma ótima oportunidade e assim patrocinou a equipe apenas no GP do Brasil. Porém o texto sobre a estreia da equipe e como foi o GP do Brasil de 1978 você pode conferir lá no site. 🎯 Gostou? Siga a nossa página aqui e acompanhe os nossos posts pelo site 💻! 🅱️🅿️ – Boletim do Paddock 📲 #F1 #BPnaF1 #PF1BR #F1FastFact

Uma publicação compartilhada por Boletim do Paddock (@boletimdopaddock) em

Mostrar mais

Debora Almeida

Meus olhos brilharam quando eu vi o estilo de pilotagem do Vettel ele despertou o meu interesse pelo esporte e cada vez mais eu queria entender sobre o assunto. Hoje gosto de tirar fotos e escrever textos!

Deixe uma resposta

Artigos relacionados