Dia 42 de 365 dias dos mais importantes da história do Automobilismo – GP da França, 1995 – Benetton: Origem e a marcante vitória de Michael Schumacher

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Filament.io 0 Flares ×

O automobilismo não é apenas carros em alta velocidade, caso vocês tenham apenas este simples pensamento sobre o esporte. Trata-se de algo mais inspirador que as incríveis vitórias, rivalidades e tecnologia. Algo que chamamos de vida e coragem, além da construção e realização de um sonho através de muita determinação. Desta vez, tudo isso veio através das mãos do empresário italiano Luciano Benetton, o visionário. 

Sr. Benetton, enxergava a F1 como um grande veículo de comunicação mundial para divulgar a sua marca no início dos anos 80. Nessa época, resolveu investir patrocinando na a equipe Tyrrell, depois a Alfa Romeo, até chegar à Toleman, em 1985. Resultando consequentemente na compra da equipe pelotão intermediário, mas com potencial crescimento no futuro.

Luciano Benetton, o visionário. Fonte: europe1.fr

Em 1986, estreou na F1 após resolver problemas operacionais para criar uma equipe forte e competitiva como havia idealizado no início. E assim, finalizou a temporada vencendo o grande prêmio do México com o piloto Gerhard Berger.

Por fim, a equipe Benetton este presente na F1 durante o período de 1986 a 2001, deixando um de muitos outros legados como o GP da França em 1995.

| 02 de Julho, 1995.

Perto de completar seus 10 anos de existência, a equipe Benetton nos anos 90 mostrava ao mundo que estava no jogo para fazer história na F1, nisto junto ao piloto Michael Schumacher, fizeram desta equipe uma das mais emblemáticas.

Fonte: wordpress.com

O piloto alemão, fez da Benetton o seu grande outdoor para o sucesso, assim como sua equipe o fez a matéria prima essencial para ganhar os holofotes.

Fonte: ultimatecarpage.com

O circuito de Magny-Cours, França, recebia o sétimo GP da temporada de 95, Schumacher estava com fome de títulos e em alta ascensão, levando a muitos depositarem nele e em sua equipe um natural favoritismo, justamente por aquilo que ambos vinham apresentando.

Fonte: wikipédia

Durante as 72 voltas que disponibiliza o circuito, a equipe Williams iria tentar novamente levar o topo do pódio com os pilotos Damon Hill e David Coulthard. Justamente, pela seguinte formação de grid, onde temos:

  1. Damon Hill
  2. M. Schumacher
  3. David Coulthard
  4. Jean Alesi
  5. Rubens Barrichello
  6. Olivier Panis

Logo na largada, Hill conseguiu segurar Schumacher, enquanto Rubens Barrichello, fez uma excelente largada e passa Coulthard, ficando “preso” atrás do brasileiro que estava afinado para resistir às investidas do jovem piloto escocês.

Na primeira volta, um acidente já colocava os pilotos Pedro Diniz, brasileiro, equipe Forti. Os japoneses, Ukyo Katayama, da Tyrrell e o Taki Inoue, da Footwork.

E na volta seguinte, na travagem para a chicane Adelaide, o Benetton de Johnny Herbert ficava de fora, vítima de um toque do Ferrari de Jean Alesi e Gerhard Berger, logo atrás, a tentar evitar ambos os carros. Com isto tudo, o grande beneficiado era o Ligier de Martin Brundle.

Lá na frente, a batalha entre Coulthard e Barrichello estava prestes a acabar na décima primeira volta. Pois a direção da corrida, informa que Barrichello terá de cumprir uma penalização nos boxes por ter feito uma falsa partida, assim o piloto escocês acaba herdando a terceira posição.

Enquanto isso, Hill continuava a frente de Schumacher, mas a distância era mínima. E nisto, quando Hill foi aos boxes, Schumacher começou a fazer uma série de voltas rápidas que o deixaram segundos do inglês, o poupando quando foi a sua vez de entrar no pit stop.

No decorrer da corrida, a diferença entre os dois pilotos aumentava cada vez mais ao ponto da vitória do piloto alemão ser cada vez menos contestada. As paradas para reabastecimento eram as únicas maneiras de ultrapassar e Schumacher caminhava para a vitória.

Gerhard Berger, teve uma péssima parada para reabastecer, devido avaria de uma das mangas, perdendo quase um minuto e a possibilidade de pontuar.

Já no final, Schumacher alavancou conseguindo a sua terceira vitória do ano, aumentando a vantagem para onze pontos sobre Hill, o segundo classificado. David Coulthard ficou com o terceiro posto.

As demais pontuações do grid ficaram com os pilotos, Martin Brundle, Jean Alesi e Rubens Barrichello.

Fonte: gps.gpexpert.com.br
Fonte: gps.gpexpert.com.br

| Curiosidades

  • 571º GP
  • 14ª vitória para Michael Schumacher
  • 19ª vitória para Benetton
  • 300º Grande Prêmio para Ligier
  • 64ª vitória para Renault
    como construtor de motor
  • 72 voltas x 4.250 km – 306.000 km
  • Pole Position: Damon Hill
  • Volta mais rápida: Michael Schumacher, 01:20.218

Erik Araújo

Escreve* também lá no #Medium. Torce pro #MCFC e #SEP. Joga palpites sobre #F1. E, está sempre no #Twitter.
Links:
[MEDIUM] http://medium.com/@ondeerik
[TWITTER] http://twitter.com/ondeerik

You May Also Like

%d blogueiros gostam disto: