Dia 23 de 365 dias dos mais importantes da história do Automobilismo – 13 de Junho de 1980, o dia que nasceu o Titã Markus Winkelhock que provocou os Deuses da Fórmula 1 e sofreu as consequências

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Nascido em 13 de junho de 1980, em Stuttgart, o alemão veio ao mundo numa família de pilotos. Além de Manfred, o clã Winkelhock contava com Manfred pai de Markus e seu irmão Joachim, os dois irmãos passaram pela Fórmula 1, contudo, foi Manfred o pai de Markus que obteve maior destaque, correu entre 1982 e 1985, como melhor resultado obteve um quinto lugar no GP do Brasil de 1982, em Jacarepaguá, sendo estes os dois únicos pontos da carreira da família alemã, Manfred veio a falecer em um acidente em Mosport no Canadá, durante prova do Mundial de Protótipos de 1985, já seu tio Joachim tentou a sorte na AGS quatro anos depois, porém não se classificou para nenhum GP, já Markus antes de estrear na Fórmula 1 teve uma rápida passagem pela F3 Alemã, DTM, World Series by Renault e pela Fórmula 1, pilotando na Spyker em apenas um GP, no GP da Europa de 2007 assumindo o posto do demitido Christijan Albers, porém já estava presente desde 2006 quando é anunciado como piloto de testes da Midland F1 Racing.

Winkelhock tem mais voltas na liderança que Alonso em sua passagem pela Mclaren Fonte: @Tumblr

Markus Winkelhock, é um piloto extraordinário que como muitos outros apenas tiveram uma oportunidade na Fórmula 1 e na sua única oportunidade causou o pânico na FIA, que aprovou o seu rebaixamento para piloto de testes com a seguinte alegação:

Sua superioridade perante aos demais pilotos poderia comprometer a competitividade e o equilíbrio da categoria

Em seu aniversário não poderíamos deixar de relembrar a sua única passagem pela Fórmula 1, pelas saudosas e queridas Midland e Spyker que são hoje a Force India, porém o destino não sorriu para Markus e como dito acima, rebaixado pela equipe e pela FIA que temiam um desiquilíbrio na força, assim, hoje nosso querido Markus habita o limbo onde outros mitos como Eliseo Salazar, Yuji Ide, Esteban Tuero e Huub Rothengatter habitam e como na Tele Sena que de hora em hora informa os números sorteados, os pilotos que residem no limbo da Fórmula 1 são lembrados em listas de blogs e memes no playground da 5ª série do hUeHuEhUe.br…

No GP da Europa em Nurburgring em 2007, foi a sua única participação na categoria, Markus liderou a prova após ser o único piloto a largar com pneus de chuva, mesmo com a pista seca e na última posição, o que tinha tudo para dar errado não deu, pois veio o dilúvio e de par em par os pilotos foram aos boxes só restando Markus na pista, mesmo com pneus de chuva os carros não conseguiam se segurar na pista, o que obrigou a direção de prova a interromper a prova porém, antes da bandeira vermelha nosso herói chegou a colocar uma volta sobre o inglês Lewis Hamilton da McLaren. Na relargada Winkelhock foi logo ultrapassado, não satisfeito o destino providencia sérios problemas no motor da Spyker forçando Markus a abandonar a corrida, essa corrida foi um momento marcante para o alemão e outros dois torcedores anônimos de Markus no pequeno pub vegano ao sul de Bad Cannstatt, sendo estes os únicos apreciadores da primeira e única vez que a Spyker liderou um GP de Fórmula 1 e que carinhosamente apelidaram a Winkelhock de Marquinhos o Terrível.

Entretanto, apesar da boa estreia de Markus e criar um desespero na FIA e na ONU que temiam pela paz mundial, Markus foi substituído por Sakon Yamamoto, retornando a sua antiga função de piloto de testes.

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.