Com pódio faraônico, o ePrix de Diriyah trouxe novos e antigos vencedores

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Quatro meses depois do fim da temporada cinco, um novo capítulo da história da Fórmula E se iniciou esse fim de semana. A rodada dupla nas ruas da capital da Arábia Saudita revelou BMW e Virgin como as maiores vencedoras do fim de semana, mas também mostrou que Mercedes e Porsche estão prontíssimas para a briga! Por outro lado, a grande decepção foi a Techeetah, a atual campeã dos construtores sofreu para conquistar pontos apenas na segunda corrida – sete no total.

Nos deparamos ainda com dois traços marcantes da Fórmula E: confusão na aplicação de penalidades e procedimentos de corrida e uma festa grandiosa no pódio, faraônica, eu diria.

lll CORRIDA 1 – SEXTA

A primeira prova da rodada dupla do ePrix de Al Diriyah contou com uma exibição de gala de Sam Bird, o piloto da Virgin saiu do 5º lugar para vencer nas ruas da capital árabe. Bird tem a impressionante marca de vencer pelo menos uma corrida desde a primeira temporada – e pode ser o único a conseguir tal feito, caso Sebastian Buemi da Nissan não vença esse ano.

A incrível vitória de Sam veio no mesmo dia que ele e a equipe comemoravam a primeira de todas as 9 em Putrajaya (Malásia, 2014).

Quem completou a festa no pódio foram Andre Lotterer da Porsche e Stoffel Vandoorne da Mercedes, duas equipes estreantes que deram um show na pista.

A largada foi tranquila, Alex Sims manteve sua posição e apenas viu pelo retrovisor os outros pilotos batalhando por posições. Sem incidentes, as posições foram mantidas. As principais mudanças aconteceram na parte de trás do grid. Lucas di Grassi e Antonio Félix da Costa tentavam uma corrida de recuperação. Sempre apontados como fortes candidatos ao título, os dois ganhavam posições enquanto batalhavam entre si. Não foram poucas as vezes em que um ultrapassou o outro. No fim, di Grassi se deu melhor e terminou uma posição à frente do português.

Já Sébastien Buemi ficou com a pior parte, com apenas 6 minutos de prova o suíço teve problemas em seu Nissan e abandonou a corrida causando uma breve bandeira amarela total.

Enquanto isso, na frente, Sam Bird iniciava sua escalada rumo à vitória. Ultrapassou Edoardo Mortara da Venturi e foi à caça de Nyck de Vries (Mercedes) logo em seguida. Ao chegar em Stoffel Vandoorne, companheiro de Nyck, aproveitou a manobra do belga em cima de Alex Sims que liderava a corrida até então. Sims errou durante a freada e caiu para o 3o lugar. Vandoorne ainda liderou por duas voltas, mas não resistiu aos ataques de Bird. O piloto da Virgin fez uma bela ultrapassagem e não perdeu mais a liderança. Stoffel também foi ultrapassado por André Lotterer. O trio se manteve assim até o fim da prova.

O atual bicampeão Jean-Eric Vergne teve problemas com o volante de seu Techeetah e abandonou a prova.

Durante sua segunda ativação do Modo Ataque, Alex Sims despencou de 4o para 8o, causando grande prejuízo para a BMW. Quem também perdeu muitas posições durante a prova foi Oliver Turvey que tinha conseguido um honroso 10º lugar no quali com a Nio, mas antes da metade da prova já se encontrava na 17ª posição.

Faltando 6 minutos para o fim da prova, Daniel Abt bateu no muro enquanto disputava posição com Antonio Félix da Costa. O acidente causou um breve Safety Car. A organização da Fórmula E prometeu ser mais rápida para acionar as intervenções durante as provas, na primeira corrida cumpriram o prometido.

Completaram o top 10 Oliver Rowland (Nissan), Robin Frijns (Virgin), Nyck de Vries (Mercedes), Edoardo Mortara (Venturi), Alexander Sims (BMW), Jerome D’Ambrosio (Mahindra) e Mitch Evans (Jaguar). Os brasileiros fizeram corridas discretas, mas ainda sim conseguiram ganhar posições durante a prova. Felipe Massa saiu do 17º para chegar em 12º e Lucas di Grassi largou de 19º e terminou em 13º.

lll CORRIDA 2 – SÁBADO

A corrida de sábado trouxe diversos momentos frustrantes, o primeiro deles foi para Jerome D’Ambrosio, o Mahindra do piloto belga apagou antes da largada e ele se sequer conseguiu iniciar a prova. Uma pena para quem estava entre os primeiros do grid.

Jean-Eric Vergne que largou em último precisou cumprir um stop-and-go de 10 segundos por ter trocado de bateria antes da corrida. A troca precisou se feita porque o piloto bateu o carro durante o treino livre da manhã de sábado.

Da Costa passou di Grassi e assumiu a terceira posição e Bird tomou o 5º lugar de Evans. Enquanto os primeiros iniciavam disputas por posições, Brendon Hartley escapou e caiu para o 20º lugar.

Aos 12 minutos de prova, Sebastien Buemi rodou após ser atingido por Antonio Félix da Costa enquanto tentava entrar na zona de ativação do Modo Ataque – localizada depois a curva 19. Após a corrida o piloto português disse que não teve como evitar o incidente, já que Buemi havia desacelerado demais antes de fazer a curva. O piloto suíço quase destruiu a corrida do companheiro de equipe e outros pilotos enquanto tentava realinhar seu carro. Buemi caiu para o 14º lugar. Momentos depois, da Costa foi punido com um Drive Through e Buemi, com o acréscimo de 10 segundos ao seu tempo.

Sam Bird se viu envolvido em um incidente com Mitch Evans enquanto o piloto neozelandês tentava ultrapassar o inglês. Safety Car na pista por algumas voltas e na relargada Alex Sims manteve seu primeiro lugar seguido por da Costa. Atrás dos dois, uma briga frenética acontecia entre Lucas di Grassi, Max Gunther e Stoffel Vandoorne. Lucas perdeu as posições para os outros dois pilotos durante a ativação do Modo Ataque, conseguindo recuperar apenas o 4º lugar perdido para Vandoorne.

E o pesadelo da Virgin teve um novo episódio, Robin Frijns também abandonou a prova após rodar sozinho e bater no muro. Mais uma entrada do Safety Car.

Felipe Massa ocupava a sétima posição quando foi punido com um drive through por estar fora da posição de largada que deveria ocupar. O brasileiro terminou a prova como o 20º colocado.

Após 4 voltas, o carro de segurança voltou para os boxes, mas logo depois a bandeira amarela total foi acionada em dos momentos mais bizarros já produzidos pela direção de prova de Fórmula E. A remoção do carro do Frijns não havia sido concluída, trator e fiscais ainda estavam na pista quando a bandeira verde foi acionada instantes antes.

Com a relargada, faltando 5 minutos para o fim da prova, di Grassi e Vandoorne começaram uma nova batalha com o brasileiro levando a melhor: o 3º lugar. Mas quem se deu bem de verdade foi Alex Sims que abriu 3.5 para o companheiro de equipe, pegou o último Modo Ataque sem sofrer ameaças e garantiu sua vitória e a dobradinha da BMW, a primeira da equipe. A redenção de Sims, após uma corrida com muitos problemas no dia anterior.

Depois da corrida, Max Gunther foi punido com 24 segundos por fazer ultrapassar Lucas di Grassi durante o Safety Car. O piloto alemão caiu de 2º para 11º. Oliver Turvey havia conseguido um honroso 7º lugar com a Nio, mas também foi punido por exceder a velocidade durante com o carro de segurança na pista. Turvey estava a 40.6 km/h quando deveria estar a 40 km/h. Mais um punido foi Nyck de Vries, o estreante da Mercedes fez uma excelente corrida de recuperação saindo de 23º para o 8º lugar e, mas caiu para 16º por causa de uma má regulagem na bateria.

Com todas as penalidades distribuídas, o resultado final da corrida ficou assim:

Via Twitter @fiaformulae

A próxima etapa da Fórmula E será confirmada na próxima semana. Está programada para ser no dia 18 de janeiro em Santiago, mas devido a todos o conflito que acontece na capital chilena, é possível que haja alterações. Vamos aguardar!

Via www.fiaformulae.com

Via www.fiaformulae.com

Cinthia Maria

Cinthia Venâncio comenta zoeiramente a Fórmula 1 desde os sete anos de idade e nas horas vagas é profissional de marketing, fotógrafa, doceira, redatora e revisora. Como todo bom cearense, nunca diz não a um baião de dois com queijo coalho e carne de sol. Aprecia rock do bom, não tem vergonha de dizer que não é fã do Tarantino e sempre é a motorista da rodada. Geralmente esquece o que não deveria