Chuva: o elemento que todo mundo sabia que a Fórmula E precisava

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

Hong Kong é uma das regiões administrativas da China, localizada a 1.958 quilômetros de Pequim. A cidade recebeu a Fórmula E pela 4ª vez e novamente proporcionou um ePrix emocionante. Dessa vez, o dia ficou ainda melhor porque contamos com um tempero que é esperado desde o primeiro ePrix em 2014: a chuva. Mesmo que não tenha aparecido efetivamente durante a prova, esse elemento adicional casou perfeitamente com a comemoração do 50º ePrix da Fórmula E!

A pista molhada durou a maior parte do domingo em Hong Kong, o primeiro treino livre chegou a ter o Full Course Yellow por alguns minutos, pois os pilotos deslizavam perigosamente no circuito. Pascal Wehrlein foi um dos que quase acertou muro. Após a rápida bandeira amarela, a sessão foi liberada e Robin Frijns da Virgin estava na liderança com 1:12.072, mas foi logo superado por Andre Lotterer da Techeetah que marcou 1:11.919. O treino seguiu tranquilo e ao final, Oliver Rowland (Nissan) foi o mais rápido com o tempo de 1:19.283. Entre os brasileiros, o resultado foi Massa em 14º, Piquet, di Grassi e Nasr em 16º, 17º e 18º, respectivamente.

A chuva também caiu na segunda sessão de treinos livres. Mesmo fraca, foi o suficiente para a pista continuar molhada. Assim que a bandeira verde foi acionada, quase metade dos pilotos foi para a pista. Edoardo Mortara teve que parar seu Venturi no circuito, causando uma bandeira amarela localizada. Pouco depois, Lucas di Grassi perdeu o controle do seu Audi e acertou levemente uma barreira de contenção. Stoffel Vandoorne chegou a liderar com 1:11.414, mas Lotterer mais uma vez assumiu a ponta com 1:11.196. Mitch Evans teve problemas com seu Jaguar e causou mais uma bandeira amarela local que logo foi retirada. Gary Paffett (HWA) e Sebastien Buemi (Nissan) se revezaram na primeira posição. Oliver Rowland ainda acertou a traseira de Jerome D’Ambrosio no fim do treino e Jean-Eric Vergne se envolveu em acidente leve com Pascal Wehrlein. O melhor tempo, 1:09.221, foi de Robin Frijns. O melhor brasileiro foi Lucas di Grassi (12º), logo à frente de Felipe Massa. Piquet Jr ficou em 19º e Nasr foi o último, ele passou a maior parte do tempo na garagem da Dragon.

lll Qualy

l Grupo 1 – D’Ambrosio | Wehrlein | da Costa | Bird | di Grassi

Por causa da chuva, os tempos começaram bem altos no primeiro grupo de pilotos a marcar tempos. Wehrlein, da Costa e D’Ambrosio fecharam suas voltas com média de 1:14. Bird e di Grassi conseguiram baixar cerca de 2 segundos das voltas de seus adversários e o brasileiro ficou na frente com 1:12.321.

l Grupo 2 – Frijns | Evans | Mortara | Vergne | Lotterer

A chuva diminuiu um pouco e os tempos começaram a ficar mais baixos. Edoardo Mortara marcou 1:12.156 e levou sua Venturi para a ponta da tabela de classificação. Mitch Evans andou melhor que alguns pilotos do primeiro grupo, mas acabou ficando em último entre os que disputavam a pole no grupo dois. Frijns ficou com o quinto lugar, enquanto Lotterer subiu para segundo. Jean-Eric Vergne conseguiu apenas o 9º tempo por causa de um toque no muro e depois de fechar sua volta ainda rodou na pista. A Techeetah de JEV deixou detritos no circuito e uma bandeira vermelha foi acionada para que a sujeira pudesse ser removida.

l Grupo 3 – Massa | Rowland | Buemi | Turvey | Sims | Abt

Felipe Massa foi o primeiro do grupo a ir para pista e conseguiu um 5º tempo (1:12.570), mas quem brilhou mesmo foi Oliver Rowland da Nissan, com 1:12.140, o inglês conseguiu o primeiro lugar, enquanto seu experiente companheiro, Sebastien Buemi, fez sexto tempo. Daniel Abt ficou com a 9ª posição, seguido por Alexander Sims da BMW.

l Grupo 4 – Vandoorne | Nasr | Paffett | Piquet | Lopez | Dillman

Se alguém esperava uma Superpole já desenhada, se surpreendeu ao ver Stoffel Vandoorne assumir a liderança do Qualy logo após tomar a primeira posição do seu companheiro de equipe, Gary Paffett. O belga cravou 1:11.592 e ficou com o melhor tempo no geral. Piquet ficou em 15º e Nasr em 16º. Os dois últimos a completarem o grid foram Tom Dillman que descolou apenas o 11º lugar e Jose-Maria Lopez que ficou com o 14º.

Os líderes do campeonato largaram das últimas posições no grid e Vergne tem sua melhor volta cancelada como punição por ter causado uma bandeira vermelha, sobrou o 18º lugar para o francês.

l Superpole – di Grassi | Lotterer | Mortara | Rowland | Paffett | Vandoorne

Sob muita chuva, di Grassi conseguiu um tempo de 1:14.177, bastante alto para a pole. Lotterer, o próximo a ir para a pista, já diminuiu 1.309 do tempo do brasileiro e assumiu a liderança temporariamente. Edoardo Mortara baixou ainda mais o tempo, com 1:12.310, o companheiro de Felipe Massa era o novo líder da sessão, mas Oliver Rowland rapidamente acabou com a festa da Venturi ao marcar 1:11.903 e tomar a ponta. Com seus dois carros na Superpole, a HWA conseguiu um grande feito, depois dos resultados negativos nas primeiras provas da temporada. Gary Paffett marcou o quinto melhor tempo e Stoffel Vandoorne conseguiu uma pole histórica para a equipe (1:11.580), sendo o 5º piloto diferente a conseguir a pole na 5ª temporada da F-E com a 5ª equipe diferente no 50º ePrix da categoria!

Edoardo Mortara ainda foi punido e caiu de 3º para 6º por ter andado acima da velocidade permitida durante a bandeira vermelha causada por Vergne.

lll CORRIDA

Oliver Rowland assumiu a ponta logo nos primeiros metros em mais uma ótima largada, o HWA de Vandoorne não reagiu muito bem após as luzes se apagarem e restou ao belga tentar recuperar sua posição. Di Grassi caiu para 7º e uma bandeira amarela local foi acionada. Bird pulou para 3º e, de maneira excepcional, ultrapassou Vandoorne logo em seguida.

Piquet caiu para último, a TV demorou a mostrar o que aconteceu com o brasileiro. Ele passou reto na curva junto com o Nio de Turvey. O piloto britânico conseguiu voltar à prova, mas Piquet continuou parado, depois conseguiu ir para os boxes e por lá ficou.

(T-41min) Acidente entre Nasr, Wehrlein e D’Ambrosio. Felipe teve um problema com a roda dianteira direita, algo quebrou essa parte do seu Dragon, fazendo com que ele passasse reto, indo direto no muro, as duas Mahindras não conseguiram desviar e bateram no carro do brasileiro. D’Ambrosio super irritado rejeitou a ajuda dos fiscais para sair do carro. Após a corrida, Jerome disse que a culpa era toda de Felipe Nasr e que o brasileiro deveria ter sido punido.

Os três carros parados deixaram a pista parcialmente interditada, por isso a bandeira amarela foi ativada em toda o circuito e o Safety Car também foi chamado. Sims e Vergne chegaram a passar reto em outro ponto do traçado, mas conseguiram voltar para a pista.

(T-37min) A remoção dos carros demoraria mais do que o previsto, então a bandeira vermelha foi acionada e a prova, interrompida. Após pouco mais de 10 minutos, a corrida reiniciou com o Safety Car na pista e o relógio voltou a contar do tempo em que ela foi paralisada.

Os dez primeiros eram Rowland, Bird, Vandoorne, Lotterer, Pafffett, Mortara, di Grassi, Buemi, Frijns e Abt. Felipe Massa era o 11º.

Quando anunciaram que o SC sairia da pista, todos ativaram o Modo Ataque, exceto Frijns e Abt.

Lotterer passou Vandoorne e Bird foi pra cima de Rowland. O piloto da Virgin assumiu a liderança na volta seguinte, Rowland teve problemas e ficou lento na pista.

(T-33min) Sam Bird passou reto e perdeu a posição para Andre Lotterer. Vandoorne se manteve em terceiro com uma certa vantagem para Mortara, mesmo também tendo errado a freada no ponto que Bird havia travado pneu segundos antes.

(T-31min) Com 9 voltas completadas, a disputa entre Lotterer e Bird era forte, eles abriram mais de 3 segundos para Vandoorne. Lotterer fez a volta mais rápida ao marcar 1:04.220.

(T-28min) Buemi começou a atacar di Grassi.

Em disputa por posição com Dillman e Lopez, Vergne deu um leve toque no carro da Nio, que além de perder a posição para a Techeetah, também foi ultrapassado pelo argentino da Dragon.

Di Grassi chegou ao 5º lugar após passar Gary Paffett. Rowland fez uma ultrapassagem forçadíssima em Abt, os dois carros contornaram a curva se tocando e o piloto da Dragon ganhou o 9º lugar.

(T-24min) Bird continuou sua perseguição a Lotterer e Daniel Abt ativou o Modo Ataque.

(T-22min) A informação de que Lotterer tinha 4% a menos de bateria que Bird era exibida na TV, o Virgin era visivelmente mais rápido e eficiente no gerenciamento de bateria. Bird ameaçou uma ultrapassagem, fazendo a curva lado a lado com o alemão.

Sims abandonou a prova após bater com a roda traseira esquerda no muro. Vergne recebeu um drive through como punição por colidir em Dillman.

(T-20min) Mortara ativou o Modo Ataque e ultrapassou Vandoorne, após a manobra, o belga também passou na zona de ativação após a curva 6, junto com Frijns e Massa.

(T-18min) Buemi com problemas causou uma bandeira amarela local, a suspensão dianteira esquerda do seu Nissan quebrou após disputa com Frijns.

Stoffel Vandoorne teve problemas no seu HWA e parou na pista.

Os vencedores do Fanboost foram anunciados: Vandoorne, da Costa, Abt, Buemi e Wehrlein foram os escolhidos pelo público para receber 25 kW extras de potência.

(T-16min) Lotterer, Bird, Mortara, di Grassi, Frijns, Abt, Massa, Paffett, Evans e Turvey eram os 10 primeiros colocados.

Vandoorne não conseguiu tirar o carro da pista e o Safety Car foi ativado novamente, também havia detritos de uma das batidas da corrida, tanto que atrapalharam as investidas de Bird em Lotterer.

(T-12min) O Safety Car anunciou a volta para os boxes e ativaram o Modo Ataque Lotterer, Bird, di Grassi, Frijns, Abt, Paffett, Evans, Turvey, da Costa e Dillman.

(T-11min) A corrida recomeçou e Bird seguiu na cola de Lotterer, os dois chegaram a se tocar levemente. Di Grassi iniciou seus ataques em Mortara, mas o piloto da Venturi conseguiu abrir um pouco para o brasileiro. Ao mesmo tempo, Lucas também sofria as investidas de Frijns.

(T-9min) Lotterer seguiu resistindo a todas as pressões de Bird. Mortara e Massa, sem o Modo Ataque, conseguiram manter suas posições mesmo com todos os outros pilotos tendo a potência extra do Modo Ataque, elas eram 3º e 7º, respectivamente.

(T-7min) Lotterer escapou levemente de traseira, mas se manteve à frente de Bird.

Bandeira amarela na curva 7, era Oliver Rowland parado na pista após bater com a roda traseira esquerda no muro. Fim de prova para o piloto da Nissan, terceira etapa seguida que o britânico não completa um ePrix, mesmo com desempenhos consideráveis durante as corridas.

(T-5min) Bird tentou aproveitar o erro na freada de Lotterer e forçou a ultrapassagem, chegou a deixar os carros lado a lado, mas o alemão se defendeu.

Lopez e Vergne ativaram o último Modo Ataque e o Safety Car voltou para a pista para que o carro de Rowland fosse removido.

(T-2min) O SC retornou aos boxes, a prova recomeçou e os ataques de Bird voltaram com tudo. Lotterer se defendia de todas as maneiras. Mortara abriu 3 seg para di Grassi e encostou nos líderes.

(Última volta) Bird tocou a traseira de Lotterer fazendo o pneu da Techeetah furar na última volta. Evans passou Paffett. Massa estava em 6º. Bird abriu distância para Mortara e venceu o 50º ePrix da Fórmula E em Honk Kong, Lucas di Grassi completou o pódio. O incidente entre Lotterer e Bird entrou em investigação e o piloto da Virgin foi punido com o acréscimo de 5 segundos ao seu tempo final e caiu para o 6º lugar. A decisão só foi anunciada cerca de 4 horas após o fim da prova, Edoardo Mortara herdou a vitória, mas não pode comemorar como deveria, mesmo assim não deixa de ser um ótimo resultado para o italiano que vem numa crescente desde o ePrix de Santiago. Contudo, Sam é o novo líder do campeonato, já que D’Ambrosio não completou a prova e da Costa conquistou apenas um ponto.

Andre Lotterer ainda fez a volta mais rápida da corrida com 1:02.317.

A chuva apareceu em Hong Kong, não da maneira como todos gostaríamos, mas mostrou a bagunça que é capaz de fazer no grid da Fórmula E, vamos continuar na torcida por um ePrix debaixo de aguaceiro, merecemos! A organização das provas mostrou que ainda não superou os problemas de avaliação de incidentes e penalização dos pilotos. Novamente temos uma punição sendo aplicada horas depois de a corrida ter acabado.

Meus destaques positivos de Hong Kong são Andre Lotterer por ter sido inteligentíssimo em suas manobras, especialmente nas quais se defendeu de Sam Bird, e Edoardo Mortara por ter levado a Venturi ao segundo pódio consecutivo. O destaque negativo é Stoffel Vandoorne e seu HWA (tá ficando chato já né?). O que parecia ser a redenção do piloto belga, acabou sendo um novo pesadelo para ele, embora o carro possa ter colaborado para o resultado ruim, seu companheiro conseguiu completar a prova em 8º, então tem alguma coisa azedando esse chocolate.

A Fórmula E volta à ação na madrugada do dia 23 de março em Sanya, na China. Até lá!

lll RESULTADO FINAL DO E-PRIX

lll PONTUAÇÃO PILOTOS

lll PONTUAÇÃO EQUIPES

Cinthia Maria

Cinthia Venâncio comenta zoeiramente a Fórmula 1 desde os sete anos de idade e nas horas vagas é profissional de marketing, fotógrafa, doceira, redatora e revisora. Como todo bom cearense, nunca diz não a um baião de dois com queijo coalho e carne de sol. Aprecia rock do bom, não tem vergonha de dizer que não é fã do Tarantino e sempre é a motorista da rodada. Geralmente esquece o que não deveria