Aposentados parte 2: Equipe Williams

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

| Cristiano Seixas – publicado em 08 de dezembro de 2016, às 10:00

Hoje vamos falar sobre pilotos que penduraram o capacete pilotando um carro de Frank Williams:

| Carlos Reutemann, 1982

Carlos Reutemann, 1982 (Fonte: @Tumblr)

O argentino já estava rompido com o time desde o GP Brasil de 1981 quando se recusou a ceder a vitória a Alan Jones, e o clima acabou de vez na decisão do campeonato em Las Vegas quando a Williams estava mais focada no título de construtores que fazer seu piloto derrotar a Brabham de Nelson Piquet pelo título de pilotos, some-se a isso a contratação do jovem e rápido Keke Rosberg para 1982 e Reutemann decidiu abandonar a Fórmula 1 após o GP Brasil. Mesmo assim marcou 6 pontos com o segundo lugar na etapa inicial em Kyalami na África do Sul.

| Derek Daly, 1982

Derek Daly, 1982 (Fonte: @Tumblr)

Após perambular por equipes pequenas Daly teve a chance de pilotar um carro descente ao ser contratado para o lugar de Carlos Reutemann na Williams em 1982. Assumiu o carro no fatídico GP da Bélgica, mas não chamou muito a atenção no resto do campeonato. Fechou o campeonato em décimo terceiro lugar com oito pontos, seus melhores resultados foram três quintos lugares em Detroit, Zandvoort e Brands Hatch.

| Alain Prost, 1993

Alain Prost, 1993 (Fonte: @Tumblr)

Após uma saída melancólica da Ferrari no final de 1991, onde foi demitido após críticas pesadas ao time, o professor tirou um ano sabático em 1992, onde foi frequentador assíduo do paddock. Nos bastidores costurou sua volta a Fórmula 1 para pilotar o melhor carro daqueles tempos, a Williams-Renault. Deu-se ao luxo de vetar Ayrton Senna e ter como companheiro de equipe o até então desconhecido e inexpressivo Damon Hill. A rival McLaren perdera os motores Honda e vivia a incerteza de ter Senna, que sem um carro competitivo ameaçava deixar a Fórmula 1; Mansell chutado da Williams havia cruzado o Atlântico para ocupar a vaga de Michael Andretti na equipe Newman Haas na Indy.

O mundo esperava que o baixinho francês desse uma lavada na concorrência, mas as coisas não foram bem assim. Prost ganhou o título como já era esperado, porém não deu aquela surra que se esperava na concorrência. Marcou noventa e nove pontos e venceu sete provas. O podium na Austrália, o último em que ele e Ayrton Senna estiveram juntos foi marcante.

| Alessandro Zanardi, 1999

Alessandro Zanardi, 1999 (Fonte: @Tumblr)

Fiasco, assim pode ser definida a passagem de Zanardi pela Williams. Credenciado pela bicampeonato na Cart em 97/98, o italiano tentava retomar sua história na Fórmula 1, mas a equipe de Grove não vivia um bom momento e o Zanardi sucumbiu. Em dezesseis provas nenhum ponto, cruzou a linha de chegada apenas seis vezes, a melhor posição foi o sétimo lugar em Monza, a melhor posição no grid foi o quarto lugar conseguido também em Monza. Seu companheiro Ralf Schumacher subiu três vezes ao podium e marcou trinta e cinco pontos. Infelizmente não havia outro atitude da Williams que não fosse a demissão do simpático Zanardi.

| Marc Gene, 2004

Marc Gene, 2004 (Fonte: @Tumblr)

Piloto de testes, teve a chance de substituir Ralf Schumacher após este se acidentar em Indianapolis. Disputou as etapas de Magny Cours e Silverstone e o melhor que conseguiu foi um 8. lugar no grid e chegar em décimo na pista francesa. Como não agradou foi trocado por Antonio Pizzonia após Silverstone.

| Antonio Pizzonia, 2005

Antonio Pizzonia, 2005 (Fonte: @Tumblr)

O amazonense assumiu a vaga de Nick Heidfeld no GP da Itália garantindo dois pontos com a sétima posição. Nas provas seguintes nenhum desempenho digno de nota. Era o fim da parceria entre Williams e BMW e também o fim da carreira de Pizzonia na Fórmula 1.

| Alexander Wurz, 2007

Alexander Wurz, 2007 (Fonte: @Tumblr)

Após deixar a Benetton em 2000 e ser piloto de testes da McLaren, o gigante austríaco voltava a Fórmula 1 pela Williams em 2007. Fez uma temporada mediana dentro do que o carro permitia, foi o décimo primeiro na classificação final com treze pontos, seu melhor resultado foi o terceiro lugar em Montreal.

| Kazuki Nakajima, 2009

Kazuki Nakajima, 2009 (Fonte: @Tumblr)

Apradinhado da Toyota que fornecia os motores para Frank Williams, Kazuki fez uma temporada bem ruim não marcando nenhum ponto, destaque para o quinto lugar no grid em Silverstone. Chegou duas vezes em nono lugar na Hungria e em Cingapura. Com a saída da Toyota da Fórmula 1, o filho de Satoru encerrou sua passagem pela categoria máxima.

| Rubens Barrichello, 2011

Rubens Barrichello, 2011 (Fonte: @Tumblr)

Em uma das piores temporadas do time de Grove, Rubens Barrichello conseguiu apenas dois nonos lugares em Mônaco e no Canadá. Sua carreira merecia um final mais digno, porém sua vontade de continuar impediu que fosse feita uma festa de despedida. A Williams fez cinco pontos ficando à frente apenas das nanicas.

| Bruno Senna, 2012

Bruno Senna, 2012 (Fonte: @Tumblr)

A Williams voltou a ter um carro descente em 2012 e Bruno Senna teve sua derradeira chance na Fórmula 1. Não foi um fiasco, mas também esteve longe de encantar os chefes de equipe, tanto que foi trocado pelo novato Valtteri Bottas, que já treinava no lugar do brasileiro em boa parte dos primeiros treinos livres de sexta. A Williams tinha um bom carro em 2012, afinal Pastor Maldonado conseguiu até vencer na Espanha. Bruno poderia ter feito mais. Fechou o campeonato com trinta e um pontos na décima sexta posição.

| Felipe Massa, 2016

Felipe Massa, 2016 (Fonte: @Tumblr)

A Williams não conseguiu manter o bom ritmo dos anos anteriores e Felipe Massa não teve uma boa temporada em 2016. Seus melhores resultados foram na Austrália e na Rússia, em ambas chegou em quinto lugar, fechando o campeonato na décima primeira posição com cinquenta e três pontos. Apesar do tímido desempenho na pista sua despedida foi histórica, em Interlagos bateu bem em frente ao setor A, passando a pé em frente a arquibancada carregando a bandeira do Brasil e sendo ovacionado pela torcida e por membros das outras equipes quando chegou ao boxes. Um dos pilotos mais queridos da Fórmula 1, vai deixar muita saudade.

Cristiano Seixas

Fã hardcore de Fórmula 1, apreciador da história, números e estatísticas da categoria, mais conhecido como Mestre Cristiano Seixas, pois é um PHD e MDA em Fórmula 1 ainda é Graduado, Pós-Graduado, Mestrado e Doutorado sobre História da Fórmula 1, Wikipédia erra o Cristiano não.