Alonso vê Indy 500 como desafio maior que 24 Horas de Le Mans

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

LEEDS, Estados Unidos (Reuters) – O bicampeão mundial de Fórmula 1 Fernando Alonso vê as 500 Milhas de Indianápolis, que ele correrá no mês que vem, como um desafio maior que as 24 Horas de Le Mans, que também pretende vencer para conquistar a Tríplice Coroa do automobilismo mundial.

“A maior tarefa, definitivamente, é a Indy 500 para um piloto de Fórmula 1”, disse o espanhol a repórteres durante uma visita ao circuito Barber Motorsport Park, no domingo.

“Acho que é bem diferente. É desafiador… o nível de força descendente, a sensação no carro, correr com um carro que não é simétrico nas retas, na frenagem. Acho que o tráfego é uma questão séria”.

Alonso estabeleceu o objetivo de se tornar o primeiro piloto desde o falecido britânico Graham Hill a vencer na F1, na Indy 500 e em Le Mans.

O piloto da McLaren, que não irá participar do emblemático Grande Prêmio de Mônaco de F1 para disputar a Indy 500 no dia 28 pela primeira vez, tampouco tem experiência em Le Mans, mas deu a entender que isso terá que acontecer depois da F1.

O piloto de 35 anos acredita que a prova francesa, que Nico Hulkenberg, atualmente na equipe Renault F1, venceu com a Porsche em 2015, seria uma mudança mais fácil porque os carros são mais semelhantes.

“Alguns dos pilotos de F1 que vão para os carros de Le Mans não têm dificuldades em termos de adaptação”, disse Alonso, cujo contrato atual com a McLaren vence no final do ano.

“As 24 Horas são um pouco diferentes, é uma corrida mais relaxada, você pode fazê-lo com mais idade”, acrescentou Alonso, que é amigo do australiano Mark Webber, piloto aposentado de F1 e de Le Mans.

Alonso esteve no Alabama com o chefe da McLaren, Zak Brown, que disse que gostaria de ver uma dobradinha McLaren-Honda competindo em Indianápolis todos os anos, para se encontrar com a equipe Andretti Autosport Team, que irá lhe fornecer um carro para a Indy.

“Estou com a melhor equipe possível para este tipo de lição que preciso aprender. Também estou com o treinador (brasileiro vencedor da Indy de 2003) Gil de Ferran, o que tenho certeza que será muito, muito útil para todas essas coisas novas que preciso aprender”.

A McLaren venceu em Le Mans em 1995, mas Brown disse à Reuters que “ainda são os primeiros dias” e que ainda não é possível contemplar um retorno.

FontePor Lewis Franck © Thomson Reuters 2017 All rights reserved.

Rubens Gomes Passos Netto

“Netto”, popularmente conhecido entre os imigrantes Guaxupeanos que tocam a zueira no pequeno município de São Paulo, gosta de comprar livros e outras bugigangas que orbitam o universo da Fórmula 1, já semeava a discórdia ao aceitar o rótulo de “nerd”, quando em terras tropicais, tal rotulo era algo, um tanto quanto pejorativo aos descendentes de primatas residentes nas regiões montanhosas produtoras de café, o que julgava ser maravilhoso, ainda mais sendo um apaixonado pela Fórmula 1, fã da McLaren por paixão e pela Ferrari por criação, já que nasceu em uma família descente de italianos produtores de café e não fabricantes de macarrão, na sua pacata opinião a melhor temporada foi a 2008, já que por um infortúnio reprodutivo de seus pais não conseguiu assistir a temporada de 1986, admira e muito o Emerson Fittipaldi, tem como o carro dos sonhos o McLaren MP4/4 e sonha em um dia ou noite pilotar em Spa e provar que as teorias que não levam a humanidade a lugar algum dos quais ele defende são mais úteis que um relógio digital, salvo se for para comer um pastel de camarão acompanhado de um chopp escuro.