7º de Junho de 2003: A última vitória de Al Unser Jr, mais conhecido como “Little Al”, “Al Junior”, ou simplesmente “Junior” – Dia 17 de 365 dias dos mais importantes da história do Automobilismo

0 Flares Twitter 0 Facebook 0 Google+ 0 Pin It Share 0 Filament.io 0 Flares ×

2003 era o oitavo ano da cisão Cart x IRL, mas era o primeiro em que a Indy Racing League havia suplantado a rival na qualidade de equipes e pilotos. Seguindo os passos da Penske que a partir de 2002 havia trocado de categoria, Ganassi, Andretti Green, Rahal Letterman e Mo Nunn abandonaram a combalida Cart. A chegada de equipes mais ricas e profissionais acabou relegando as outrora equipes de ponta da IRL a papeis bem mais modestos, neste ano apenas a Panther e a Kelley Racing ofereceram alguma resistência à Penske e cia.

Naquele 7 de junho de 2003 o oval de Fort Worth no Texas recebia a 5º etapa do certame da IRL, logo após a Indy 500. No melhor estilo Abu Dhabi a prova começa no final da tarde e termina a noite, porém é disputada no sábado. A primeira fila foi toda da Ganassi com o pole Tomas Scheckter tendo a seu lado Scott Dixon, na segunda fila Tora Takagi da Mo Numm ao lado de Tony Kanaan da Andretti Green, os demais favoritos eram Al Unser Jr 7º, Gil de Ferran 8º, Hélio Castroneves 10º, Scott Sharp 12º e o bicampeão Sam Hornish 16º.

A largada em Fort Worth Fonte: @Tumblr

Scheckter assumiu a ponta seguido por um surpreendente Tora Takagi, que chegou a fazer algumas voltas lado a lado do sul-africano. As estonteantes velocidades do oval texano que tem inclinações bem acentuadas nas curvas proporcionaram uma pega interessante entre Gil de Ferran, Scott Sharp e Scott Dixon nas 30 voltas iniciais. O brasileiro foi um dos primeiros a parar, e como o fez ainda em bandeira verde acabou perdendo várias posições.

A incrivel inclinação das curvas do oval texano Fonte: @Tumblr

Volta 42, AJ Foyt IV bate na curva 2 provocando a primeira bandeira amarela da noite, onde todos aproveitam para trocar pneus e reabastecer. E nesse pit stop a Kelley Racing fez um excelente trabalho com Al Unser Jr entrando nos boxes em 5º e saindo dele na 2º colocação. Na bandeira verde Scheckter manteve-se na ponta com Little Al logo atrás, usando toda sua experiência em ovais o piloto do carro #31 manteve-se perto sem abrir combate contra o #10 para economizar combustível no jogo de vácuo.

Fonte: @Tumblr

Volta 87, nova bandeira amarela provocada por sujeira na pista. Se a Kelley Racing já havia trabalhado bem na primeira bateria de pits, na segunda foi ainda melhor, Al Unser voltou na liderança e Scott Sharp no top 5. Parecia ser o dia de Tomas Scheckter, que já na relargada colocou por fora deixando Al Unser Jr para trás. Parecia, mas não era o dia do piloto da Ganassi. Entre as voltas 102 e 130 o duelo mais interessante ocorreu entre Tony Kanaan, Felipe Giaffone e Scott Sharp que trocaram várias vezes de posição.

Na segunda bateria de pits que ocorreu sob bandeira verde acabou com as chances de Tomas Scheckter conquistar a vitória. No melhor estilo Massa em Singapura 2008 o sul-africano saiu dos boxes levando a mangueira de combustível e ainda por cima danificando a suspensão traseira esquerda. Sendo assim o então líder caiu para o meio do pelotão e na tentativa de recuperar o terreno perdido acabou quebrando de vez a suspensão traseira esquerda batendo violentamente contra o muro. Assim como na etapa anterior que fora simplesmente a Indy 500, Scheckter havia liderado o maior número de voltas, mas não conseguia vencer.

Prova chegando ao fim já no iníco da noite Fonte: @Tumblr

Nova relargada, restando 10 voltas com Al Unser Jr liderando seguido por Tony Kanaan, Tora Takagi, Felipe Giaffone e Scott Sharp. A disputa pelo terceiro lugar foi intensa e levou ao acidente do piloto da Kelley e da Mo Nunn. Foi a última bandeira amarela da noite e a verde só foi dada na última volta, e mais uma vez a experiência de Unser Jr fez a diferença para conter as investidas de Tony Kanaan.

Al Unser vence pela 34ª vez Fonte: @Tumblr

Foi a última das 34 vitórias de Al Unser Jr (somados os triunfos na Cart e IRL), a vitória no Texas fechou com chave de ouro uma das carreiras mais brilhantes do automobilismo norte americano.

Fonte: @Tumblr

Cristiano Seixas

Fã hardcore de Fórmula 1, apreciador da história, números e estatísticas da categoria, mais conhecido como Mestre Cristiano Seixas, Wikipédia erra o Cristiano não.